The Beginning After The End

155 - Porque Eu Estou Aqui

Meu batimento cardíaco acelerou e minhas palmas ficaram escorregadias de suor quando as emoções de Sylvie foram transmitidas para mim, mas eu não tive tempo para descansar; Com seus feiticeiros e arqueiros por perto sofrendo ferimentos graves, os fortalecedores e soldados inimigos foram rápidos em se aproximar de nós.

“Nós temos alguns indo em nossa direção. Não fique com medo agora”, minha ex-professora riu. Seu tom alegre não combinava com os gritos e estrondos de armas ressoando no fundo.

"Medo? Eu tenho sofrido todos os ataques de seus feiticeiros e arqueiros, tentando estabelecer um padrão em seus ataques,” eu respondi, sacando a Canção do Amanhecer e enterrando sua lâmina afiada através do peitoral de um soldado inimigo em um movimento rápido.

"Foi assim que você foi capaz de detonar essas explosões agora?" Vanesy perguntou enquanto aparava um grande martelo de guerra. Foi emocionante ver minha ex-professora lutar de perto sem se segurar. Seu estilo de luta, combinado com a utilização da terra e do fogo de uma maneira única para conjurar vidro, produziu uma série de ataques brilhantes. Ela era capaz de criar uma camada de vidro afiado em torno de suas espadas para estender seu alcance, derrubando os inimigos a vários metros de distância.

"Não, aquilo foi outra coisa." Puxei minha espada de um inimigo diferente. “Vanesy. Devemos acabar com essa batalha em breve, ou pelo menos tirar ela daqui.”

"Você diz isso como se nós estivéssemos" - Vanesy se esquivou, evitando por pouco a cabeça de um machado - "prolongando propositalmente essa batalha."

Eu balancei a Canção do Amanhecer, enviando uma forte onda de vento contra o atacante da minha ex-professora. Com um assobio agudo, o sangue escorria do pescoço desprotegido do alacryano. Ele só foi capaz de soltar um gorgolejo suave antes de desabar no chão com os olhos arregalados e frenéticos enquanto suas mãos pressionavam seu ferimento fatal.

Meu tom ficou severo quando eu respondi. "Eu admito que minhas prioridades podem ter sido um pouco diferentes até agora, mas não há tempo. Leve a batalha para outro lugar - qualquer lugar longe daqui.”

Sua testa se enrugou. "O que está acontecendo?"

“Tem alguém vindo, alguém tão forte - se não mais forte - do que eu. Tire todos daqui para que não sejam apanhados no nosso fogo cruzado.”

A testa franzida de Vanesy se aprofundou. "Nosso? Você não pode estar falando que-”

Eu assenti gravemente. “É por isso que estou aqui - pro caso de algo assim acontecer. Tire todo mundo daqui.”

"Eu sei que você é forte - na verdade, eu não consigo entender o quão forte você realmente é - mas, droga, isso não significa que você não pode precisar de nenhuma ajuda!"

Meus olhos se afrouxaram quando eu dei à minha ex-professora um olhar de preocupação, mas permaneci em silêncio.

"Merda", minha ex-professora amaldiçoou, examinando o campo de batalha. Ela olhou para mim com um olhar resoluto. "Tudo bem, mas é melhor você voltar vivo ou eu vou te tirar do inferno só para mandar você de volta."

Eu não pude deixar de soltar um risinho devido a sua ameaça ridícula. "Eu prometo."

Vanesy deu um passo para trás e me saudou antes de Torch descer do céu. A capitã saltou para o falcão e gritou: - “Dicathens! Recuar!”

Assim, a maré da batalha mudou. Vanesy voou para o alto, reunindo seus homens que talvez não tivessem ouvido, mas nossos soldados já haviam começado a se afastar enquanto se defendiam de nossos inimigos.

Eu observei como nossos soldados se retiravam, impedindo quaisquer inimigos que tentassem persegui-los, mas havia simplesmente muitos.

Tudo bem, eu disse a mim mesmo. Os soldados de Alacrya não eram o problema. As divisões de Vanesy e do capitão Auddyr teriam que dar conta.

Guardei a Canção do Amanhecer e fiz meu caminho até a borda da clareira. Saltando em uma árvore, conjurei uma almofada de vento sob meus pés e fui para o sul, pulando de um galho para outro.

Logo depois da clareira, as árvores mansas, uniformemente espaçadas e mantidas por lenhadores da cidade vizinha, tornaram-se mais selvagens e densas. Havia grandes árvores espalhadas abaixo, caídas em tempestades. O inverno rigoroso tinha arrancado boa parte da casca, mas pela fina camada de gelo no solo intocado, parecia que o Exército Alacryano não havia passado por aqui quando subiram.

O único som ao meu redor era o farfalhar das folhas e os ocasionais estalos de ramos da vida selvagem.

Sylvie. Você está aí? Quão perto você está?

Eu fui recebido apenas com o silêncio de minhas tentativas repetidas de estabelecer contato com meu vínculo. Ou ela estava muito longe, o que não deveria ser o caso, ou intencionalmente me ignorando.

‘Se não é um rapaz fofo. Poderia ser que você está perdido?’

Eu me encolhi devido a voz desconhecida que soou na minha cabeça, quase caindo do galho em que estava empoleirado. Chicoteando minha cabeça para a esquerda e para a direita, tentei localizar a fonte do som.

Eu queria me mover, mas meu corpo congelou - não do frio, mas de um medo tangível. Um profundo sentimento de pavor subiu como uma maré crescente, lenta mas constante, enquanto eu inspecionava a área.

Mesmo com visão e audição aumentadas, eu não consegui encontrá-la. No entanto, eu sabia que ela estava lá, sua voz alta e áspera ainda arranhava o interior dos meus ouvidos.

‘Você está, talvez, procurando por mim?’ Sua voz estridente gritou dentro da minha cabeça como uma lâmina grossa sendo arrastada contra o gelo. Eu rangi meus dentes, tentando manter a calma. Minha mente sabia que ela estava intencionalmente me intimidando, mas meu corpo não podia deixar de ser vítima de sua tática.

Sua voz parecia vir de todos os lados e ao mesmo tempo dentro de mim. Meus membros ficaram duros quando meu coração bateu forte o suficiente para sair da minha caixa torácica.

Sem pensar duas vezes, mordi meu lábio inferior. Quando a dor e o gosto metálico {{pelos vistos ele deve ter muito ferro no sangue ‘-‘}} do sangue se espalharam pela minha língua, me libertando do domínio de sua intenção de matar, imediatamente ativei o Coração do Reino.

A antes exuberante paisagem verde e marrom caía em tons de cinza com apenas manchas de cor irradiando da mana ao meu redor.

Incapaz de ver qualquer fonte de flutuação de mana, comecei a duvidar do que ouvi - não, eu queria duvidar do que ouvi. De repente, um lampejo de luz passou zunindo pelo canto do meu olho como uma sombra verde. Era quase impossível seguir o movimento da sombra, mas se eu mantivesse meus olhos desfocados, poderia vislumbrar seu movimento.

A sombra verde parou. De sua localização, parecia que ela estava dentro do tronco de uma árvore a cerca de nove metros de distância.

"Bons olhos, garotinho. Bons olhos.” Ela se moveu mais uma vez, viajando de dentro de uma árvore para outra, usando galhos como se fossem túneis, deixando para trás traços de mana verde doentia. Meus olhos dispararam, tentando seguir seu movimento quando ela soltou uma gargalhada que ecoou na densa floresta.

"Seus olhos parecem que estão girando, querido", ela brincou, sua voz estridente tão alta como se estivesse dentro da minha cabeça.

"Estou aqui?" Ela perguntou, mais longe dessa vez.

"Que tal aqui?" Sua voz irritada soou à minha esquerda.

Ela soltou uma risadinha infantil. "Talvez eu esteja aqui!"

Sua voz parecia se tornar mais distante do que antes. Ela estava tentando me evitar?

"Eu poderia estar lá..." ela provocou mais uma vez, sua voz subitamente veio de vários metros à minha direita.

"Ou eu poderia estar bem aqui!" De repente, um braço saiu de dentro da árvore em que eu estava empoleirado.

Eu não tive tempo para reagir quando a mão dela agarrou meu pescoço, espalhando uma dor lancinante na minha garganta e no colarinho. Fui levantado no ar, segurado pelo meu pescoço, quando a fonte da voz estridente saiu da árvore.

Segurei seu braço pálido e esquelético, manchado com marcas descoloridas enquanto tentava me libertar de seu aperto. Ela estava usando um vestido preto cintilante que acentuava a estrutura alta e doentia do corpo. Eu podia praticamente ver suas costelas através do pedaço de tecido que pareceria elegante se tivesse sido usado por qualquer outra mulher.

Eu lutei para levantar o meu olhar alto o suficiente para ver seu rosto, mas o que me olhou de volta foi uma máscara de cerâmica com um rosto de boneca magistralmente desenhado. Cabelos longos e negros estavam amarrados em dois rabos de cavalo atrás da cabeça com um laço amarrado em cada extremidade.

"Nossa, que menino bonito você é", ela sussurrou por trás de sua máscara, os olhos desenhados olhando diretamente para mim.

Como um raio de eletricidade, um arrepio impediu meu giro nas suas palavras, me fazendo lutar mais. Meu pescoço parecia estar sendo constantemente marcado enquanto a dor ardente se tornava quase insuportável. Lutando com o último fio de minha consciência, eu dirigi mana às minhas palmas.

Com o Coração do Reino ainda ativo, eu podia ver fisicamente as especificações de mana azul reunidas em torno de minhas mãos, se transformando em um branco cintilante enquanto eu formava um feitiço. Apertando meu aperto em torno de seu pulso, liberei meu feitiço.

[Zero Absoluto]

Ela imediatamente soltou meu pescoço e puxou seu braço para longe do meu alcance. Após o lançamento, eu caí da árvore, batendo em um tronco oco no chão.

"O cachorrinho até que sabe morder", ela repreendeu de cima da árvore.

Eu rapidamente me levantei, ignorando a dor ardente que ainda irradiava do meu pescoço, mas a mulher já estava na minha frente, olhando através dos pequenos buracos da máscara. Seu braço direito estava descolorido e inchado onde eu pude tocá-la brevemente com o feitiço.

Ela balançou a cabeça. "Não importa. Vou ter que ser um pouco mais rigorosa no seu treinamento.”

Meu corpo involuntariamente deu um passo para trás. Ela não tinha intenção de me matar; ela só me queria como um tipo de animal de estimação.

"Qual é o seu nome, meu querido?" Ela sussurrou, desviando o olhar enquanto enterrava o braço direito dentro da árvore atrás dela.

"Minha mãe me disse para não falar com estranhos, especialmente aqueles tão... estranhos como você", eu respondi, encolhendo-me devido a dor enquanto eu cuidadosamente tocava a ferida no meu pescoço. Normalmente, graças à assimilação do legado de Sylvia, eu já estaria sentindo meu corpo se curando, mas a lesão que ela infligiu era diferente.

"Não se preocupe. Nós vamos nos familiarizar em breve,” ela respondeu, puxando o braço de volta para fora da árvore, não havia nenhuma marca deixada pelo meu feitiço em seu braço. A árvore que ela puxou o braço para fora agora tinha um buraco aberto, como se alguém tivesse marcado com ácido.

Ela deu passos largos, as pernas marcadas por cicatrizes afundando no chão como se estivesse atravessando a água. “Infelizmente, não temos muito tempo porque tenho tarefas a terminar. Alguma chance de você voluntariamente ser escravo dessa bela dama?”

Eu tirei a Canção do Amanhecer de meu anel dimensional. "Desculpe, vou ter que recusar."

"Eles sempre recusam." A mulher esquelética soltou um suspiro quando ela balançou a cabeça. "Tudo bem, metade da diversão é quebrar a vontade de um escravo desobediente."

Quando ela terminou de falar, mana com cor de alga apodrecida começou a se reunir sob meus pés. Imediatamente, eu pulei para trás, bem a tempo de evitar um grupo de mãos escuras que saíam do chão. Os braços humanóides ou de mana arranhavam o ar antes de afundar de novo no solo corroído.

A mulher inclinou a cabeça, mas eu não pude ver sua expressão através de sua máscara perturbadora. Através do Coração do Reino, os feitiços pareciam ter um atributo semelhante ao da madeira, como Tessia, mas cada feitiço que ela conjurava, deixava uma marca de corrosão no chão.

Eu deslizei meus dedos pelo meu pescoço em chamas, com medo do que eu veria no meu reflexo. Mais do mana verde escura reunido em torno da misteriosa inimiga, mas antes que ela tivesse a chance de terminar seu feitiço, eu atirei um espeto de pedra do chão ao lado dela. Observei a lança de terra se dissolver instantaneamente no momento em que ela entrou em contato com ela.

"Você está apenas prolongando o inevitável, meu querido", ela arrulhou em sua voz alta e áspera que me fez querer arrancar meus ouvidos.

Ela levantou os dois braços, conjurando mais poças de mana no chão e nas árvores ao meu redor, visíveis apenas por causa da minha visão única.

Meu primeiro pensamento foi como eu deveria poupar mana durante esta batalha quando percebi pela primeira vez em muito tempo que eu não tinha razão para me segurar. Muito provavelmente, ela era uma Tenente ou uma das Foices, um dos principais inimigos com os quais passei anos treinando para lutar contra na terra dos Asuras.

Abrindo a parede metafórica que eu construí para controlar minha mana, senti uma onda de mana saindo do meu núcleo. As runas outrora turvas que corriam pelos meus braços e costas brilhavam intensamente, aparentes mesmo através do manto grosso que eu usava na minha camiseta.

Partículas de mana em azul, vermelho, verde e amarelo saíram do meu corpo enquanto a mana ao meu redor girava e se juntava, atraída para o meu corpo como mariposas para o fogo.

"Parece que eu encontrei alguém especial", ela cruzou os braços erguidos, invocando seu feitiço. Dezenas de armas parecidas com videiras irromperam do chão e dispararam dos troncos e galhos das árvores próximas.

Minha expressão permaneceu calma, sua intenção imponente não me afetava mais, quando as mãos desfiguradas de mana me alcançaram com seus dedos finos. Uma pequena cratera se formou no chão abaixo dos meus pés enquanto eu corria em direção à feiticeira delgada, ignorando seu feitiço.

Eu me abaixei e balancei, desviando das mãos parecidas com videiras que seguiam o meu movimento, nunca quebrando meu ritmo quando cheguei à feiticeira. Eu estava a apenas alguns centímetros de distância, mas a mulher nem sequer recuou, confiante na aura que dissolveu meu feitiço anterior.

"Zero Absoluto", eu sussurrei, fundindo o feitiço completamente ao redor do meu corpo.

As mãos verdes escuras que congelaram centímetros antes do contato se tornaram uma estátua perturbadora que apenas os filósofos poderiam dar sentido.

Meu primeiro instinto foi usar a Canção do Amanhecer, mas eu estava com medo de que minha espada acabasse como a lança de pedra, então dei um último passo, logo antes de seus pés, e forcei a aura de gelo a se transformar em uma luva ao redor da minha mão esquerda como a que a ajudante fez no começo da minha batalha anterior. Quando meu feitiço colidiu com sua aura, uma nuvem de vapor sibilou, bloqueando minha visão.

Levou apenas uma respiração para perceber que o vapor era tóxico. Meu corpo imediatamente reagiu, me deixando de joelhos em um ataque de tosse quando minhas entranhas e pele começaram a queimar. O gás tóxico ao meu redor já tinha derretido muitas das minhas roupas, expondo as runas em meus braços. Foi o desvanecimento das runas douradas que me tiraram do meu torpor.

As runas, transmitidas a mim por Sylvia e o próprio símbolo de como tudo isso começou, me tiraram do frio aperto da escuridão.

Eu prontamente criei um pequeno vácuo para sugar as toxinas dos meus pulmões. Ajudou, mas sem ar para respirar e o oxigênio dos meus pulmões sugados, fiquei com apenas alguns segundos até desmaiar.

O nevoeiro, por mais tóxico que fosse, cobriu-me dos olhos da bruxa. Ela supôs que eu já teria desmaiado, ou pior, então usei essa oportunidade. Localizando sua assinatura de mana com a ajuda do Coração do Reino, eu esperei pela oportunidade certa para atacar enquanto lutava contra a falta de vontade do meu corpo de ficar consciente.

Segundos pareciam horas, me fazendo lembrar do tempo gasto com a minha consciência dentro do Orbe de Éter, quando ela finalmente chegou perto o suficiente. Embora ela não conseguisse sentir a flutuação de mana ao meu redor devido aos efeitos do Caminhar de Miragem, eu só podia rezar para que ela não conseguisse ver o brilho da minha espada.

Com o último pouco de energia, eu acionei o Vazio Estático, parando o tempo ao meu redor enquanto eu explodia em pé e a atingia com a Canção do Amanhecer. Minha espada estalava quando parecia atravessar o espaço, imbuída de um relâmpago branco reluzente que parecia quase sagrado quando libertei o tempo, pouco antes de minha lâmina fazer contato com seu rosto.

A força do meu ataque espalhou a nuvem de ácido cobrindo nós dois, mas mesmo sem ver, eu sabia que de alguma forma eu errei meu alvo. Estremeci quando meu olhar caiu para a lâmina na minha mão, ou melhor, o que restava dela. A ponta da Canção do Amanhecer, forjada por um Asura, tinha sido corroída com uma polegada da lâmina original desaparecida. No entanto, observando o leve traço de sangue na minha lâmina, mudei meu olhar para a bruxa.

Eu só pude ver a ponta de seu queixo afiado quando sua cabeça foi puxada para trás, uma fina trilha de sangue rolando pelo lado de seu pescoço. A floresta inteira parecia ter se acalmado de medo, já que o único som que ouvi foi a quebra de sua máscara no chão de terra.