The Beginning After The End

115 - Domínio do Predador

O quadríceps localizado na frente das coxas; são responsáveis por empurrar a coxa e a perna para frente. Os músculos isquiotibiais eram os músculos opostos do quadríceps, responsáveis por dobrar a perna e movê-la para trás. Os glúteos são cruciais para completar o movimento para trás. Os músculos abdominais se contraem durante cada passo à frente. Os músculos da panturrilha, embora menores, estavam realmente entre os músculos mais usados que impulsionavam o corpo para frente quando o pé saía do chão. Estes eram apenas os músculos primários. {{Algum Nick:Arthur Leywin, PhD em anatomia...}}

Os músculos secundários que também precisavam ser levados em conta eram os músculos estabilizadores localizados ao redor da pelve. Essa série de músculos formam uma coroa ao redor da pelve que, incluí os abdutores interno e externo, acho que são chamados de músculos abdominais inferiores e os músculos espinais localizados nas costas. Os tibiais… a fina faixa de músculo que te ajuda a flexionar o tornozelo para mover o pé em direção ao joelho, também é usado para garantir que o pé não se achatasse, criando uma chance maior de raspagem contra o chão ou objeto.

O corpo tem um intrincado sistema muscular que trabalha em pares, cada um responsável por metade de um movimento completo. O bíceps flexiona quando o braço se curvava em direção ao ombro, enquanto o tríceps dispara quando o braço se endireita. Os mecanismos dentro do corpo eram ainda mais complexos ao movimentar o corpo, como andar, correr ou pular.

Este conhecimento não tinha sido tão útil até agora por causa do meu físico excepcional e proficiência com mana. No entanto, como eu teria que evoluir ainda mais a primeira etapa do Caminhar de Miragem, eu precisaria utilizar todo esse conhecimento e um passo acima disso, eventualmente o colocando em aplicação.

"Droga!" Eu levantei meus braços para me segurar enquanto caía sobre a pilha de folhas que eu tinha arrumado como cama.

Percebendo que o sol já havia se posto, voltei para o acampamento e peguei algumas tiras de carne de esquilo que eu havia defumado antes, para que não precisasse continuar caçando.

"Eu realmente gostaria de poder usar o orbe de Aether para isso" Eu murmurei, olhando para a carne carbonizada e sem gosto na minha mão.

Eu tinha feito um progresso significativo desde que eu coloquei em hiato minha busca por Clawed e dediquei todo o meu tempo e energia em treinamento na semana passada, dividindo os dias entre praticar o Passo Explosivo e refinar meu núcleo de mana. As duas ou três horas restantes foram usadas para dormir.

No entanto, quanto mais eu praticava, mais desejava dominar essa técnica de movimentação. Com o ajuste que fiz usando meu conhecimento da anatomia humana, o Caminhar de Miragem se tornaria ainda mais refinado, teoricamente. Não só seria instantâneo e versátil, mas também seria tão mortal quanto elegante.

Os fundamentos do Passo Explosivo que eu consegui executar pela primeira vez pareciam um grande salto, já que era incrivelmente rápido. Isso porque, embora a mana não pudesse ser sentida sob os efeitos do Caminhar de Miragem, ainda havia uma postura e uma série de movimentos que precisavam ser feitos para que o corpo humano pudesse dar esse passo.

Kordri, mesmo como um Asura, usando o Passo Explosivo em sua forma humana, também não podia ignorar os mecanismos de seu corpo apesar de seu físico superior.

O que eu estava fazendo em meu caminho foi conscientemente e deliberadamente manipular mana, a canalizando em músculos específicos em uma certa progressão com um tempo preciso para ativar artificialmente uma sequência em meu corpo que imitava o uso de músculos sem realmente ter a necessidade de manobra.{{Djyinn: Basicamente ele quer fazer algo igual o Killua de Hunter x Hunter faz, deixar um “botão” de gatilho para uma sequência de movimentos complexas fazendo ela ser instantânea… }}

Se eu conseguisse que o tempo e a saída de mana fossem controlados perfeitamente, eu seria capaz de fazer algo que até mesmo Kordri não poderia fazer - executar Caminhar de Miragem, mas sem estar limitado a uma posição ortostática ou em pé.

"Gah, mesmo pensar nisso foi confuso" Eu cedi. Terminando meu jantar, voltei para a clareira que eu havia otimizado grosseiramente na última semana.

A cerca de cinco metros de distância da cama de folhas que fiz para suavizar minha queda, me concentrei. Usar a mana para manipular meus músculos era muito parecido com usar seus pensamentos para fazer um movimento falso. A maioria dos movimentos que as pessoas fazem é feita automaticamente; Eu não precisava pensar em quais músculos eu precisava usar para respirar. No entanto, desde que eu estaria usando um fator de mediação, mana, a fim de forçar o movimento do meu corpo, era como aprender a me mover novamente.

"Ugh." Eu cuspi as folhas que estavam na minha boca e limpei minha língua com a manga. Ao retornar, voltei à minha posição inicial e me concentrei novamente, desconsiderando as dores crescentes nas minhas pernas.

De alguma forma, consegui me impulsionar usando uma quantidade mínima de movimento, mas chegar a um ponto específico era outro enorme obstáculo que eu estava tendo dificuldade em superar.

Assim como uma criança não conseguia controlar o quão longe ou alto ela pula, usar mana para manipular o funcionamento interno do meu corpo tornava isso incrivelmente difícil para eu controlar.

No entanto, pelo menos o passo inicial e a própria base do Caminhar de Miragem, onde eu manipulei mana atmosférica para esconder as flutuações de mana em meu corpo, se tornaram muito mais fáceis para mim. Eu ainda precisava equilibrar a capacidade de minhas veias de mana com meus canais de mana para que eu controlasse melhor isso, mas eu não tinha tempo para isso agora.

Depois que escondi minha presença, imaginei o sistema muscular do meu corpo. Relembrando todos os músculos responsáveis pelo uso do Passo Explosivo, tentei mais uma vez.

As partes inter-relacionadas do corpo necessárias para o movimento se iluminaram na figura imaginária de mim mesmo em minha cabeça para entender melhor a ordem específica em que eu queria que a mana fosse desencadeada. Eu podia sentir os músculos correspondentes pulsarem enquanto a mana percorria a sequência que eu comandara. Com apenas o ligeiro movimento da minha perna esquerda e a ajuda da mana, a paisagem ao meu redor ficou borrada enquanto eu executava o Passo Explosivo de uma posição ereta.

Além da mana que eu tinha desejado para aliviar minhas pernas do estresse, uma dor aguda percorreu a parte inferior do meu corpo.

"Woah!" Eu gritei quando caí para frente sobre a pilha de folhas mais uma vez.

Eu tinha falhado novamente em parar instantaneamente. Mesmo que a mana pudesse me ajudar com a explosão de velocidade inicial, era muito mais difícil parar na posição e localização exatas que eu queria.

Deixando escapar um suspiro derrotado, continuei praticando.

Enquanto o sol se punha e uma lua crescente se deslocava no céu, fiquei deitado no leito de folhas, olhando vagamente para o céu noturno. Levantando minha mão, belisquei onde a lua parecia estar com meus dedos. A lua parecia tão pequena daqui... quão pequeno eu deveria parecer vendo da lua?

Me concentrei no braço esquerdo que ergui, olhando para a pena que Sylvia me dera para cobrir o orbe e o dragão que ela tinha me dado.

Isso e Sylvie eram tudo o que me restava do Asura que me salvou, cuidou de mim e me protegeu quando criança. Treinamentos como esse realmente me permitiriam algum dia ser capaz ouvir algo dela novamente?

Lembrar meu tempo com ela me fez lembrar de todos os outros. Apesar de mal termos nos separamos, sentia falta da minha família.

"Chega Arthur." Eu bati nas minhas bochechas e me sentei na pilha de folhas. Havia apenas poucas horas em um dia, e eu não podia desperdiçar mais aqui fora nesta floresta esquecida por Deus.

Respirando fundo, comecei a cultivar meu núcleo de mana. Desde que eu cheguei ao estágio amarelo-claro tem sido um processo lento evoluir. Eu estava cavando uma montanha com apenas uma colher na mão, mas havia um progresso definido.

Eu me perdi no processo complicado de absorver, purificar e refinar quando o gorjeio familiar dos pássaros matutinos me tirou da meditação.

Eu estava coberto de suor e sujeira enquanto meu corpo expelia as impurezas do meu núcleo de mana, me deixando não só imundo, mas faminto também.

Olhando para o resto de carne defumada que eu tinha deixado, eu teria que caçar hoje. Depois de roer o restante do meu esquilo carbonizado, embalei meu cantil e parti.

Mantendo minha mente serena e minha presença escondida com o Caminhar de Miragem, eu lentamente caminhei mais adentro na densa floresta. Tinha sido mais difícil para eu encontrar vida selvagem perto do acampamento, então cada vez que eu caçava, eu precisava ir um pouco mais longe.

Quando me dei por conta, no entanto, vi que a floresta se tornara muito mais silenciosa. Pássaros cantavam nas proximidades, mas não havia sinais de esquilos raptores ou outras bestas de mana por perto.

"Hmm", eu murmurei, examinando a área. Liberando o uso do Caminhar de Miragem, eu concentrei mana em meus ouvidos. Eu não consegui ouvir nada no começo, mas depois de alguns minutos eu percebi um barulho fraco. Soou como um grunhido. Eu não sabia dizer a que distância estava, mas o som era familiar; havia uma pantera prateada nas proximidades. {{Adivinha quem vai ser...}}

Cheguei um pouco mais perto, me certificando de esconder minha presença novamente. Eu melhorei minha audição mais uma vez, mas desta vez, consegui ouvir melhor. Eu podia ouvir o leve som gorgolejante de água corrente e um pouco além disso para o nordeste. O que eu também notei foi que não era apenas uma pantera prateada. Haviam duas panteras prateadas próximas.

"Isso é estranho" Observei. Minha compreensão das panteras prateadas, pelo que vi até agora, era que elas eram territoriais entre si e caçadas por si mesmas.

Talvez eles estivessem lutando por território? Isso certamente explicaria a falta de presas na vizinhança...

Ativando o Caminhar de Miragem novamente, eu rapidamente fiz meu caminho para a batalha que se seguiu. Eu não pude deixar de sorrir com a minha sorte.

Minha especulação estava correta; Quando me aproximei furtivamente do som das panteras prateadas, avistei o distinto casaco prateado perto de uma pequena clareira de árvores ao lado de um penhasco. Era impossível dizer a profundidade da queda dessa distância, mas apenas pelo fato de que havia uns bons duzentos metros daqui até o outro lado do abismo, e eu não podia ver o chão, significava que se aquelas as panteras caíram, não seria fácil para eu recuperar seus corpos.

Escondido atrás de uma árvore próxima, observei. Era fácil descobrir que eles eram claramente hostis um ao outro, mas o que me pegou de surpresa foi que uma das panteras prateadas era Clawed; as cicatrizes em suas costas o tornavam facilmente distinguível. Seu oponente, por outro lado, não era familiar para mim. Ele era claramente maior, mas pelas feridas recentes na face e na lateral, parecia que Clawed tinha a vantagem.

Quando as duas bestas de mana se aproximaram lentamente, soltaram um grunhido baixo, mostrando os dentes afiados.

O adversário foi o primeiro a fazer um movimento. O gato maior atacou com suas garras erguidas enquanto soltava um grunhido feroz.

Clawed reagiu instantaneamente, se esquivando do golpe e revidando com os dentes. Eu fiquei cativado pela luta deles. Como as panteras prateadas tinham acelerado os reflexos e a intuição de modo natural, suas trocas eram uma incansável reviravolta contínua de esquivas e contra-ataques, e nenhuma delas provocava feridas profundas. No entanto, para cada corte que a pantera maior fizera, Clawed lhe dera três em troca.

Enquanto a batalha continuava, eu não sabia por que, mas meu coração começou a bater de forma frenética. Eu estava ansioso com alguma coisa, com medo. Eu estava tão envolvido em seu duelo que não percebi como a floresta estava silenciosa, quase muda. Não houve som de pássaros cantando ou bestas de mana em movimento; não havia nem mesmo o farfalhar vindo das árvores como se até o vento estivesse com medo de alguma coisa.

Clawed parecia ter notado também, porque começou a se comportar com muita cautela. Seu pelo estava em pé, sua cauda se erguia enquanto ele constantemente cheirava alguma coisa. O gato maior, inconsciente da perturbação, aproveitou a abertura e atacou Clawed. Se esquivando do oponente, Clawed se virou e começou a fugir.

Eu não entendi. Havia algo acontecendo, mas eu não conseguia sentir nenhuma outra presença a partir daqui. Por que Clawed fugiu assim quando ele estava ganhando?

Deixando de lado minha cautela, fui pra cima da pantera prateada que restava. Ele foi ferido e suas rotas de fuga foram limitadas por causa do penhasco.

Me avistando, a pantera começou a rosnar, se abaixando em uma postura de fuga. Ele sabia instintivamente que, em seu atual estado, não tinha chance contra mim.

O ar ao nosso redor ficou mais pesado enquanto ficava mais difícil respirar, mas eu mantive minha postura.

Agora!

No momento em que levantei o pé, a pantera prateada saltou para o lado.

"Te peguei" Eu sorri. Ignorando minhas pernas protestantes, eu executei o Passo Explosivo da minha posição, usando um passo falso como uma finta para levá-lo a se mover. Meu entorno ficou embaçado, meus olhos focados apenas no movimento da besta de mana ferida. Eu consegui impedi-lo, mas a distância que eu havia eliminado era insuficiente por pouco mais de um metro.

Quando perdi o equilíbrio, agarrei desesperadamente o pescoço da pantera com os braços e segurei com força.

"Gah!" Meu corpo estremeceu anormalmente da abrupta mudança de direção enquanto eu estava pendurado na pantera prateada com toda a minha força.

"Você é minha!" Eu assobiei entre os dentes enquanto usava mana para fortalecer meu domínio sobre ela. Minha única esperança era sufocá-la.

A pantera que eu estava montando soltou um grunhido feroz enquanto chicoteava sua cabeça, tentando se livrar de mim, mas eu resisti. Suas garras afiadas rasgaram minhas roupas, fazendo novos ferimentos nas laterais do meu torso e pernas antes que ela se dobrasse debilmente por falta de ar.

Apenas quando eu pensei que a pantera estava prestes a ceder, de repente, ela saltou. Como se estivesse possuída, usou suas últimas forças para se lançar para trás. No momento em que percebi o que havia feito, o chão debaixo de nós desapareceu quando caímos no desfiladeiro íngreme. {{Algum Nick: Esse moleque gosta de cair de um penhasco neh ‘-‘; Stromkirk: deve ser algum tipo de tara por quedas, da ate pra colocar um contador}}

Eu me lembrei de uma cena muito similar de quando eu era apenas uma criança pequena, saltando da beira da montanha para salvar minha mãe.

Mil cenários passaram pela minha cabeça enquanto eu lutava para decidir sobre a melhor opção a tomar. A pantera prateada que me arrastou para o inferno estava fria pelo meu estrangulamento e estava caindo abaixo de mim desamparada.

Pronunciando uma série de maldições, eu lentamente me equilibrei no topo da besta de mana inconsciente e apliquei mana em minhas pernas. A cena ao meu redor era um borrão constante devido à velocidade que estávamos caindo.

"Windsom iria entender!" Eu me convenci em voz alta quando me afastei da pantera.

Com o impulso, eu diminuí a velocidade, mas nem perto do suficiente, e não havia lugar onde me agarrar na beira do penhasco.

Outra cena passou pela minha cabeça; Foi da época em que eu tinha caído no buraco da masmorra, a Cripta da Viúva.

"Estar caindo em abismos profundos será algum tipo de tema recorrente na minha vida?"{{Algum Nick: Provavelmente… Stromkirk: É o que ta parecendo....}}

Uma onda de vento se juntou em minhas palmas enquanto eu olhava diretamente para o chão que se aproximava, me concentrando em infundir minha mana no feitiço.

Agora!

[Rugido de Tifão]

Liberando o feitiço reunido nas minhas palmas, a rajada de vento foi em direção ao chão, um grito ensurdecedor ecoava por toda a ravina íngreme.

Gemendo da dor em meus braços enquanto eles seguravam o peso do recuo, eu continuei infundindo mana no feitiço.

Eu podia sentir a força do feitiço negando minha queda enquanto minha velocidade diminuía. Suspendendo o [Rugido de Tifão], eu desci os metros restantes até o chão no centro do raio da explosão.

Uma nuvem espessa de poeira havia surgido de onde meu feitiço havia colidido com o chão, bloqueando minha visão. Protegendo minha boca e nariz da poeira no ar, comecei a sair da nuvem de poeira quando um rugido que sacudiu a terra ressoou.

Depois que o uivo estrondoso se acalmou, o chão tremeu mais uma vez ao som de passos pesados que se aproximando de mim.

 

A força de cada passo me desequilibrava. Imediatamente, eu corri para a beira do desfiladeiro, rezando para qualquer ser divino que governasse esse reino, que a causa de sons tão devastadores fosse de um terremoto.{{Djyinn: Ta saindo da Jaula o monstro}}