Pursuit of the Truth

111 - Acordando em um lugar desconhecido

Tradução: Luffy

Segundo Arco: O Mundo do Vento e do Frio

Uma chuva caiu do céu batendo nas grandes folhas das árvores, criando sons de chicotadas. Uma grande quantidade de gotas de chuva se acumulou nas folhas e deslizou ao longo das veias das folhas, formando um pequeno riacho que estava caindo da ponta das folhas.

Esta era uma floresta tropical. O chão estava cheio de lama e quando a chuva estava caindo sobre ele, começou a formar pântanos. O céu estava escuro. Apenas os relâmpagos ocasionais iluminavam tudo no mundo por um instante.

Um trovão rugiu ecoando na noite antes de desaparecer silenciosamente.

Na parte mais profunda da floresta havia uma cadeia de montanhas que ficava escondida durante a noite. As montanhas não eram altas e não podiam ser comparadas com a Montanha Sombria. Eles não eram altas, mas eram muitas.

Naquele momento, um raio cortou o céu e iluminou a terra. Em uma das montanhas do meio, uma pessoa estava deitada no chão.

Essa pessoa estava neste lugar deserto por alguns dias. Não havia nenhuma pista de como ele havia aparecido lá, vestindo uma camisa de pele de besta rasgada e parecendo incrivelmente patético.

A pessoa deitada ali imóvel era um jovem que parecia ter vinte e poucos anos. Ele tinha um rosto limpo e bonito, mas havia uma cicatriz em seu rosto que estragava isso.

Seus olhos estavam fechados e havia muitos ferimentos em seu corpo. Esses ferimentos já estavam brancos e não havia sangue saindo deles.

A chuva continuou caindo por alguns dias antes de parar. O céu ficou claro e as nuvens escuras se dispersaram. A terra deu boas vindas ao sol.

Agora era verão. Estava fazendo um calor incrível que parecia querer queimar tudo vivo.

Aquele jovem que estava na montanha não se moveu. Ele parecia como se estivesse morto.

Alguns dias se passaram novamente. Havia alguns abutres carecas circulando no céu. Os olhos daqueles abutres carecas estavam frios. Enquanto voavam no céu, eles tinham os olhos fixos na pessoa deitada na montanha. Eles estavam circulando acima dessa pessoa como se estivessem hesitando em dar o bote.

Finalmente, um dos abutres carecas perdeu a paciência. Ele mergulhou em direção ao corpo do jovem, batendo as asas enquanto circulava acima do jovem antes de pousar em seu peito. O abutre usou seu bico afiado para cutucar a presa que estivera olhando nos últimos dias.

Observou o rosto de sua presa enquanto continuava cutucando e comendo sua carne. Aos poucos, ele relaxou. Aos seus olhos, isso era definitivamente uma pessoa morta.

Logo, os abutres carecas restantes no céu mergulharam e pousaram no corpo do jovem sem fazer nenhum som e com olhos frios. No entanto, no momento em que aterrissaram, o jovem de repente abriu os olhos e agarrou o primeiro abutre careca que havia pousado em seu peito com a mão direita. Chocados, os outros abutres carecas queriam voar, mas seus corpos pareciam presos no corpo do jovem; eles não podiam voar.

O jovem levou o abutre careca à boca e mordeu o seu pescoço, bebendo seu sangue. O sangue, que tinha gosto ruim, escorreu por sua garganta e em seu corpo, fazendo uma aguda pontada de dor se desenvolver em seu corpo, que tinha ficado dormente devido à fome.

No entanto, essa dor permitiu que um toque de calor finalmente aparecesse em todo o corpo.

Ao poucos, o abutre careca parou de lutar, tendo perdido todo o seu sangue. O jovem respirou fundo e colocou o abutre careca nas mãos ao lado. Ele pegou outro que não podia voar para longe de seu corpo e bebeu seu sangue vagarosamente. Não foi até que todos os sete abutres carecas presos ao corpo dele tinham morrido e uma pitada de vermelho finalmente apareceu no rosto do jovem.

Ele ficou ali parado olhando para o céu. Era muito azul. O sol estava escaldante. Seus olhos estavam cheios de incerteza. Ele era Su Ming.

Ele já havia acordado alguns dias atrás na chuva. Ao acordar, ele ainda podia ouvir uma voz frágil chamando ele em seus sonhos. A voz que o chamou de "irmão" acompanhou até mesmo quando ele acordou.

Quando sua mente acordou de vez, ele sentiu uma dor aguda saindo de seu corpo inteiro. Ele não tinha forças, nem para levantar as suas mãos.

Ele só podia se deitar no chão e sentir as gotas de chuva caindo em seu corpo. A chuva caiu sobre as feridas por todo o corpo e ele logo ficou dormente em meio à dor. Não foi apenas o corpo dele que ficou dormente, o coração também ficou dormente.

Nos últimos dias, ele se deitou no chão enquanto sua mente foi jogada em extrema confusão e perplexidade. Ele se lembrou de um vórtice aparecendo no ar acima da Montanha Sombria devido a um golpe da palma da mão da pessoa no céu estrelado. Quando ele foi sugado para o vazio, ele viu o Ancião sendo sugado também com os olhos fechados. Ele não sabia se o Ancião estava vivo ou morto.

Ele não sabia o que era esse vórtice, nem por que ele tinha aparecido, assim como ele não sabia onde ele estava. No entanto, quando ele olhou para o sol escaldante no céu e as montanhas desconhecidas ao seu lado, ele teve a vaga sensação de que não estava mais na Montanha Sombria.

Ele não queria acreditar que o Ancião havia falecido, mas também sabia que os ferimentos do Ancião eram muito piores do que os dele. A visão final de onde o ancião permaneceu imóvel com os olhos fechados fez Su Ming não querer pensar. Havia dor em seu coração, uma dor de perder a pessoa mais próxima dele.

‘O Ancião não morreu…’

Su Ming fechou os olhos. A tristeza em seu rosto foi aos poucos escondida.

Desde que ele era jovem, ele viveu sob a proteção do Ancião. Ele nunca deixou a tribo por um longo período de tempo sozinho. Então, agora, cercado por paisagens desconhecidas, Su Ming se sentia sozinho, mas sabia que precisava se tornar mais forte.

Quando ele abriu os olhos mais uma vez, não havia mais tristeza neles. Estava escondido no fundo do seu coração. Ninguém conseguia encontrar qualquer sinal de tristeza nele. Seus olhos estavam calmos, tão calmos que estavam frios.

Ele lutou para se sentar. Sob o sol escaldante, se sentou de pernas cruzadas e fechou os olhos, circulando silenciosamente seu Qi em torno de seu corpo. No entanto, no momento em que seu Qi começou a se mover, uma dor aguda o apunhalou, fazendo ele se inclinar para frente, mas ele cerrou os dentes e não emitiu nenhum som.

Su Ming sabia que seu corpo tinha sofrido lesões internas incrivelmente profundos depois de romper e aumentar vigorosamente seu poder, passando por aquela longa cadeia de batalhas e sendo gravemente ferido na última batalha. Todos essas lesões internas vieram tudo à tona.

"Todas as 243 veias de sangue do Reino da Solidificação Sanguínea ainda estão aqui, mas antes de me recuperar, não posso usar todas elas ..."

Su Ming ofegou. Ele cerrou o punho direito e se levantou. Uma dor aguda subiu em seu corpo, mas não houve mudanças em seu rosto. Ele já tinha aprendido a suportar a dor.

"Eu devo ser capaz de usar o poder de 100 veias de sangue, que é em torno do pico do quinto nível do Reino da Solidificação Sanguínea. Mas essas lesões só se tornarão mais graves com o passar do tempo. Eu vou ficar mais fraco até o dia que eu morrer.

Su Ming ficou em silêncio e continuou circulando o Qi em seu corpo em meio à dor aguda. Aos poucos, o céu escureceu. Quando a lua apareceu, Su Ming levantou a cabeça e olhou para ela. Fios de luar começaram a cair e o cercaram antes de se misturarem em seu corpo, alimentando ele.

A noite passou bem rápido. Quando o sol da manhã iluminou a terra, dissipou o leve indício de frio trazido pela noite e substituiu ele mais uma vez pelo calor escaldante. Su Ming abriu os olhos e soltou um suspiro trêmulo.

A cor no rosto dele estava muito melhor do que no dia anterior, mas ele ainda se sentia fraco. Ele franziu a testa e depois de checar seu corpo, suspirou.

"Se eu não tivesse dominado o ótimo controle e usado a luz da lua para me curar, então depois de passar por esses eventos, eu não teria sido capaz de usar o poder de 100 veias de sangue." Mesmo assim, só posso usar o poder de 98 veias de sangue agora.

"Eu tenho que pensar em uma maneira de se livrar dessas lesões internas. Preciso de pílulas medicinais suficientes para me curar.’

Su Ming caiu em silêncio momentâneo, tocando seu peito para procurar seus itens. Ele havia sido sugado para o vórtice mais cedo e não tinha ideia se os poucos itens que ele mantinha em seu peito ainda estavam por perto.

Ele tinha o pequeno osso que Shan Hen segurava antes de morrer e o osso da besta dado a ele pelo líder da tribo antes que eles se separassem para que ele pudesse dizer se a tribo estava segura.

Além desses itens, havia também um xun feito de osso, um fragmento quebrado da estátua do Deus dos Berserkers da Tribo Montanha Sombria e uma garrafa que estava levemente rachada, mas não quebrada, contendo duas gotas de Sangue Berserker.

Enquanto olhava para esses itens, Su Ming escaneou o fragmento da estátua do Deus dos Berserkers da Tribo Montanha Sombria. Este era o fragmento que cortou seu rosto quando a estátua explodiu, deixando uma cicatriz.

Su Ming olhou para ele e fechou os olhos. Depois de um longo tempo, ele colocou todos os itens na bolsa rasgada. Haia alguns problemas na bolsa, mas era sua única escolha agora.

Uma vez que ele terminou de arrumar suas coisas, Su Ming se levantou e esfregou o centro das sobrancelhas com a mão direita. Havia um olhar contemplativo em seu rosto. Ele tinha que confiar em si mesmo agora. Isso significava que ele precisava ser cuidadoso e não cometer nem mesmo o menor erro.

"Este lugar não é familiar. Com a minha condição atual, antes que meu poder se recupere completamente, não posso deixar essa floresta tropical. Essa floresta é densa, então eu posso encontrar algumas das ervas que eu preciso aqui.’

Um lampejo passou pelos olhos de Su Ming enquanto ele pensava. Ele desceu lentamente a montanha com seu corpo enfraquecido. Por alguns dias, ele procurou por toda a floresta e as montanhas com cuidado, permanecendo em constante alerta.

"O Ancião ... não está aqui."

Depois desses poucos dias, Su Ming se sentou junto a um rio em uma das montanhas com uma mão pressionando o seu peito. Ele estava sentindo dor, fazendo com que ele não conseguisse esconder a dor em seu rosto.

Depois de um tempo, Su Ming usou indiferença e calma para enterrar suas tristezas. Ele se lavou no rio e olhou para o rosto refletido na água. Aquele rosto não tinha mais a ternura de um garoto aos dezesseis anos de idade, mas agora apresentava sinais fracos de idade.

"Quantos anos eu fiquei nesse vórtice?"

Su Ming tocou a cicatriz deixada pela estátua do Deus dos Berserkers da Tribo Montanha Sombria e calmamente lavou seu corpo. Ele vestiu as roupas e amarrou os cabelos antes de se sentar à beira do rio e olhar para o céu sem emitir nenhum som.

"Por que o rosto do Ancião mudou depois que a pessoa de vestes negras pegou a placa? Quem são os "nós" mencionados pela pessoa de vestes negras ...?

‘Bi Tu pode estar morto, mas pelas palavras da pessoa de vestes negras, esta batalha foi iniciada devido a outra pessoa…

"A bandeira que saiu do corpo do Ancião nos momentos finais da batalha se transformou no céu estrelado. Essa pessoa de vestes negras disse que era o céu de outro mundo, o que ele quis dizer com "outro mundo" ..?

‘O Ancião me pediu para eu me lembrar daquele céu, meu local de nascimento poderia ser… '

Um olhar complicado apareceu no rosto de Su Ming. A imagem mais profunda deixada pelo céu estrelado era a pessoa formada pela luz das estrelas. Quem era aquele homem de meia idade que parecia um pouco semelhante a Su Ming?

Uma resposta havia sido formada em seu coração, mas ele não podia ter certeza disso.

‘Ele é …. meu pai?

Quando essas questões surgiram uma após a outra, Su Ming sentiu que um grande véu de mistério caiu sobre o que aconteceu naquele dia. Esse véu cobriu tudo em sua visão e ele não conseguia enxergar com clareza.

‘Além disso, onde estou? A que distância estou da Montanha Sombria?

‘Bai Ling… eu ainda lembro da nossa promessa… mas não posso cumprir ela agora’.

Su Ming fechou os olhos.

‘Xiao Hong, você está bem..?’

Quando o crepúsculo chegou e o céu aos poucos escureceu, Su Ming saiu do rio e entrou na floresta. Suas costas pareciam solitárias e desoladas enquanto ele cambaleava para frente.