O Herdeiro do Mundo

289 - Preguiçosa Anita

O imperador Elidas olhava para os três jovens em frente ao seu trono. Em alguns dias, aquele jovem ruivo e alto entre suas belas filhas assumiria o seu lugar, e isso causou uma certa nostalgia no velho homem, que sorriu por dentro ao pensar em como a vida passava rápido. Tempos atrás, seria ele e seus irmãos a se apresentarem ao imperador seu pai, e agora era Rael e suas amadas filhas.

 

― Pode fazer o seu pedido, filho. Seja o que for, se estiver ao meu alcance, eu com certeza o atenderei! ― em algum momento não registrado, Elidas começou a tratar Rael como se fosse um filho seu. Mas, o que seria uma grande honra para qualquer pessoa, para Rael era algo tão natural como qualquer outra coisa simplória.

 

― Senhor Elidas, é sobre Alana. Eu, na verdade, não me interessei apenas por Anita, eu também gostei de Alana e tivemos um caso. Não é oficial, mas ainda assim estamos juntos ― disse Rael, com um ar sério e naturalmente calmo. Quando o imperador ouviu essas palavras, ficou alguns segundos em silêncio olhando de Alana para Rael. Alana nunca havia mentido antes na vida, então ela estava completamente corada ao lado de Rael por participar daquela trama, enquanto Anita também se mantinha calma do outro lado.

 

                Por Alana nunca ter mentido ou armado qualquer situação, ela estava muito envergonhada, mas a reação dela foi o que fez seu pai pensar que a história deles seria real.

 

                O imperador olhou de uma filha para outra e, em seguida, para Rael. Ele se lembrou de Natalia e Mara. Da mesma forma que Rael ficou com Mara e Natalia, Rael estava fazendo o mesmo com suas duas filhas.

 

― Você é bastante ganancioso, filho! Hahahahaha! ― O imperador deu uma risada feliz. Que homem nesse mundo desejaria ter o direito de possuir não uma, mas sim duas princesas? A risada de Elidas era cheia de jubilo, desde que  Rael entrou em seu caminho ele só via alegria e mais alegria. Alana teve que admitir que seu pai estava numa fase muito boa. Agora, o imperador tinha sua palavra e seu poder restaurado, nada deixava um homem mais feliz do que saber que está no total controle da situação.

 

                A risada do imperador ecoou e todos os guardas presentes durante o encontro deles teve que se esforçar para não darem sorrisos amargos. A sorte de Rael era muito grande, ele podia ter as duas princesas e não apenas uma. E as duas eram absolutamente belas. Princesas, mesmo que não fossem tão bonitas, ainda seriam consideradas requintadas devido ao seu sangue real, mas as duas eram igualmente belas. Enquanto Anita exalava uma beleza mais jovial e divertida, Alana exalava uma beleza mais séria e misteriosa.

 

― Pai, nós não queremos nos casar, eu só queria que o senhor soubesse... ― disse Alana rapidamente, antes que o pai decidisse levar aquilo mais longe. Geralmente, nesses casos, haveria outro casamento com a segunda filha, caso o imperador aceitasse. Mas todos ali sabiam que o imperador não iria recusar um pedido de Rael. Ninguém, em todo o continente, o recusaria a partir de agora. Se Rael quisesse como concubinas filhas de patriarca ele até poderia ter, tanto das duas grandes famílias quanto das de médio porte e quem mais ele desejasse. O nome de Rael era muito mais poderoso do que o de Elidas. Afinal, todas as mulheres que se envolviam com Rael tinham misteriosamente uma explosão em sua base de cultivo. Os patriarcas viriam até mesmo entregar suas filhas de bom grado se Rael as pedisse.

 

                Elidas olhou de volta para os dois e foi levantado um tom de surpresa. Alana, durante esses dias, fez inúmeros pedidos para ele cancelar o casamento arranjado porque dizia ter um segredo, porém, o imperador não deu atenção achando que ela estava inventando para fugir de seu compromisso. Mas, ouvi-la dizer agora que não precisava de casamento foi um pouco suspeito. Das duas filhas que ele tinha, Alana era a mais consciente. Como ela não iria querer se casar? Se fosse o contrário e fosse Anita naquela situação o imperador acreditaria, mas não Alana. Alana tinha nome, tinha conhecimento e dentre todos os filhos, era a mais inteligente nos assuntos governamentais.

 

― Filho, você tem mesmo interesse em Alana ou só está fazendo isso para ajudá-la a evitar o casamento? ― perguntou Elidas.

 

― Senhor, eu provarei isso agora ― disse Rael com um meio sorriso e virou-se para Alana. Alana nem pôde fugir, Rael a puxou pela cintura suavemente sem dizer uma palavra, a abraçou juntando cada canto do seu corpo ao dela e tomou seus lábios como se tivesse beijando uma de suas maravilhosas mulheres. No início, Alana quase estragou toda a cena pela surpresa, mas depois entrou no clima, entendendo as ações do jovem e os dois deram um demorado e supostamente apaixonado beijo diante do imperador seu pai. O imperador chegou até a levantar as sobrancelhas por não esperar que Rael fosse confirmar o relacionamento deles daquela maneira. Mas não havia maior prova do que aquilo. Quando ele viu sua mais séria filha beijando Rael daquela maneira, não restou dúvidas e mesmo se duvidasse, agora diante de todos, ele não podia sequer pensar em deixar Alana continuar com o casamento arranjado. Seria uma ofensa ao seu próprio irmão se ele entregasse uma mulher que já era de outro homem.

 

                Alana, por sua vez, lutou com o estranho sentimento de ser tomada inesperadamente. Ela não pensou que Rael fosse tão longe para ajudá-la com um simples favor. A palavra de Rael já bastaria, mas para sanar todas as dúvidas do seu honrado pai, ele a beijou com tamanha facilidade e maestria. Não somente isso, o beijo foi de língua e sem nenhum pudor, mesmo diante de seu sogro. Durante o beijo, Rael ainda apertou suas costas, a imprensando contra ele. No coração de qualquer um ali presente, não restava nenhuma dúvida que Alana também pertencia a Rael.

 

                E sobre o beijo, Alana claramente gostou. Esse foi o primeiro beijo dela, mas como ela não era burra, ela o fez muito bem contracenando com Rael. Sentir-se tomada daquela maneira fez seu coração disparar no peito, ela sentiu como se estivesse prestes a ser devorada deliciosamente por uma fera faminta, e mergulhou naquela sensação. Rael só estava encenando com a princesa, porém, a encenação era maravilhosa.

 

                Quando o beijo terminou, Alana ficou corada quase sem ar, e Anita ficou sorrindo provocando a irmã do lado. Alana evitou o olhar provocante da irmã e se virou para o pai, passando a língua nos lábios para limpar os vestígios do repentino beijo.

 

― O senhor ainda duvida? ― perguntou Rael com o mesmo tom sereno de antes. Acostumado a beijar mulheres, ele fazia aquilo de uma maneira bastante natural. Mesmo fazendo isso com Alana, sua expressão não mudou por nenhum segundo.

 

― Hahahahaha! Então esse era seu segredo, Alana?! Muito bem! Eu apoio vocês dois, mas espero que no futuro possam pensar em um futuro casamento. Não pega bem ter uma princesa como amante ― disse o imperador, visivelmente feliz. Se Rael estava assumindo suas duas filhas, ele não poderia querer outra coisa.

 

― Então o casamento com o meu primo Rodrigo está cancelado?

 

― É claro que está! ― o imperador disse feliz.

 

                Alana olhou Rael com um sorriso feliz e seus olhos piscaram em agradecimento.

 

― Você podia ter me dito a verdade antes, Rael. Eu nunca teria sequer pensado em arrumar um casamento para ela. É que, como pai, eu me preocupo que ela fique sozinha, ela já passou da idade de se casar e mesmo quando perguntei antes ela mentiu, dizendo que não tinha nenhum pretendente. Foi por essa razão que eu tinha tomado a decisão de casá-la com o meu sobrinho.

 

― Está tudo bem, senhor imperador, eu compreendo ― Rael sorriu naturalmente ao homem a frente, mostrando que não tinha qualquer traço de irritação com o que rolou no passado, como se perdoasse a tentativa de passar sua  amante para outro homem.

 

                O termo “amantes” nessa ocasião é semelhante aos termos de um namoro, só que mais avançado. Em um namoro, os dois estão se conhecendo é comparado aos primeiros meses, onde acontece apenas beijos e abraços simples, sem muita ousadia. Quando se tornam amantes, significa que o casal já avançou o sinal e já foram para cama. Alana pediu para fingir ser amante de Rael porque isso significaria que não ela era mais pura e, assim, não poderia mais ter risco de se casar novamente. Por essa razão que Elidas havia pedido para os dois se casarem no futuro.

 

                Se fosse qualquer outro homem além de Rael a afirmar que tinha Alana como amante, Elidas com certeza não aceitaria tão bem assim. O imperador poderia forçá-lo a se casar ou até mesmo dar sentença de morte ao pobre infeliz que desvirtuou sua bela filha. Isso iria depender muito do bom humor do imperador no dia que foi conversado.

 

                Rael, Alana e Anita haviam saído da presença do pai e estavam no corredor a frente da porta fechada do salão do trono.

 

― Rael, muito obrigada! Eu jamais me esquecerei desse favor ― disse ela reverenciando levemente Rael. Ela não tirava aquele beijo da cabeça.

 

― Venha comigo, temos muito o que fazer ainda ― disse Rael, puxando a mão da princesa. Alana ficou corada e seu coração turbinou no peito, se lembrando que há pouco fora beijada tão repentinamente e foi um beijo literalmente envolvente e feroz, porém, de uma maneira suave. Para qualquer um que tivesse visto o beijo daqueles dois, jamais duvidaria que eles tinham mesmo esse tipo de caso.

 

                Rael, Anita e Alana voltaram para o quarto de Anita. Rael deixou Alana em um espaço de cinco metros em pé a frente dele e fez seus símbolos surgirem. Durante o processo, Anita ficou o tempo todo deitada de bruços na cama ao fundo com suas mãos no rosto, assistindo a cena enquanto balançava suas pernas divertidamente atrás.

 

                Rael agora não se importava em manter segredo de seu poder, não havia mais nenhum inimigo aparente nesse mundo que pudesse causar problemas para ele, mas mesmo assim ele ainda pediria para os que ele ajudou não espalhar suas habilidades.

 

― Isso é incrível! Sinto o meu poder transbordar por todo o meu corpo! ― disse Alana, depois que todo o processo acabou. Ela se olhava admirada enquanto a energia esverdeada banhava o corpo dela.

 

― Você pode tomar a pílula agora, se quiser, e cultivar, como sua liberação é Vida. Dentre todas, a Vida é a mais calma ― disse Rael, estendendo um conjunto de pílulas. ― Essas são pílulas da Alma Maior, você vai usá-las até alcançar o quarto reino. Depois, usará essa azul, que são as pílulas do Domínio Maior, e quando...

 

                Depois de Rael explicar todos os procedimentos, Alana guardou suas pílulas nervosamente. Ela escutou Rael dizer que seu cultivo aumentaria mais rápido do que vinte vezes seu cultivo normal.

 

― Mesmo que você seja uma princesa, não espalhe nada sobre as coisas que fiz hoje por você. É melhor que os outros não saibam ― disse Rael e ela balançou a cabeça várias vezes concordando. Ela era inteligente e entendia bem quais problemas poderia ocasionar com aquilo.

 

                Agora que Alana seria reconhecida como amante de Rael, ela entraria na tal lista de pessoas protegidas ao qual todos deveriam ter cuidado extremo para não ofender.

 

― Alana, eu quero te pedir outra coisa ― disse Rael e lançou um olhar para sua preguiçosa esposa Anita: ― Quando você for cultivar, leve Anita junto, e se ela fizer corpo mole, me contate utilizando este anel.

 

                Rael já tinha notado que Anita era muito preguiçosa. Com o cultivo diversas vezes acelerado, ela avançou apenas poucos níveis, e isso o fez se sentir preocupado. De todas as mulheres a quem ele ajudou, Anita era a mais desleixada. No sexo, ela era até bem disposta, depois que foi pegando o jeito. Mas no cultivo, ela se arrastava demais.

 

― Qual é, amor?! Você vai me proteger, não tem necessidade que eu fique forte também! ― Anita reclamou diante das condições.

 

― Eu estou falando sério. Você é minha mulher agora e terá que se esforçar mais. Ainda por cima, terá um filho nosso. Você não pode continuar dessa maneira. Se Alana me passar que você não está se esforçando para o cultivo, eu vou demorar muito mais tempo a aparecer aqui. Minhas visitas também passarão a ser ainda mais curtas ― disse Rael. Anita deu um sorriso amargurado. Ela era de fato preguiçosa. Se colocassem-na junto de Emilia, as duas estariam quase no mesmo nível de indisposição. A única diferença entre elas é que Emilia gostava de ler, já Anita, de beber vinho. A princesa era apaixonada por vinho.

 

― Tudo bem, eu vou me esforçar ― disse Anita, um pouco desanimada.

 

― Alana, não faça corpo mole, nem vista grossa. Se você não me disser a verdade, eu saberei de acordo com o nível de vocês agora e a velocidade de cultivo. Se você ultrapassar Anita, é porque ela não está se esforçando. E eu ficarei muito decepcionado se você também protegê-la dessa forma ― disse Rael, olhando firmemente nos olhos de Alana.

 

                Anita só podia se encolher na cama enquanto ouvia aqueles pedidos. Ela ficou chateada quando pensava que teria que reduzir seus passeios, seus momentos de diversões e bebidas, sua irmã Alana passava metade do dia cultivando e ela teria que passar basicamente o mesmo tempo em cultivo. Isso a deixou bastante triste. Mas, mesmo assim, ela estava feliz por fazer parte da vida de Rael e ser sua esposa. A fama de Rael era basicamente a dela, e ela sabia que um dia teria que trabalhar para melhorar esse lado preguiçoso dela. O fato de estar gravida e pensar no melhor para o seu futuro filho também ajudaria.

 

― Rael, você não precisa se preocupar. Eu definitivamente não vou enganar você ― garantiu Alana com uma expressão firme, ao qual não havia brechas para dúvidas. Ela mesma era uma que vivia pegando no pé da irmã. Agora, com o apoio de Rael, seria duas vezes mais rígida. Na verdade, ela já estava pensando em vingar das pegadinhas que sofrera de sua irmã.

 

                Anita sentiu seus pelos arrepiarem com o olhar frio que Alana lançou sobre ela enquanto falava com Rael. Anita chegou até a engolir saliva, porque ela sabia que não importava o que ela dissesse, Alana não iria pegar leve.

 

― Eu te ajudei... sua traidora... ― Anita não podia está mais insatisfeita. Ela nunca teria pensado que ajudar a irmã traria tantas más consequências. E alguns dias atrás ela estava se vangloriando de ter ultrapassado o cultivo da irmã. Quando ela pensava sobre isso, se enchia de tristeza.

 

                Depois que Alana saiu do quarto, os dois ficaram sozinho e Rael se sentou na cama do lado de sua terceira esposa.

 

― Anita, se você me escolheu, tem que me ouvir. Você é uma princesa e tem muita defesa, pouca gente ousará mexer com você. Mas nem sempre eu poderei estar com você. Por isso eu quero que você fique forte, para que possa se proteger e proteger nosso filho ― disse Rael carinhosamente.

 

― Huuum... ― Anita suspirou sem poder lutar contra aquelas palavras, Rael estava completamente certo.

 

― Eu não ligo se você depender de sua irmã para tomar contar dos assuntos imperiais, mas eu quero você forte. Nenhuma das minhas esposas pode ser fraca, nenhuma ― disse Rael.

 

― Tudo bem, eu vou me esforçar, eu juro ― disse ela rapidamente, já decidida.

 

― Se é o caso, vamos aproveitar essa noite. Amanhã já vou ter que partir ― disse Rael, já tirando o sobretudo. Quando Anita o viu se despir, seu coração já começou a bater freneticamente, ela pensou em reclamar do pouco tempo que teria, mas decidiu deixar de lado pensando no que estava por vir.

 

_____________________________________________________________________________

                Na fronteira entre os continentes, um grande esquadrão continuava avançando a toda velocidade. Nero ocasionalmente olhava o aparelho em mãos e via o ponto verde piscando. Ele se tremia em cada instante pensando em sua bela filha.

 

― ‘Eu vou destruir essa merda de continente, independente de terem tocado nela ou não!’ ― Nero pensou imponente, travando os dentes de raiva. Seus olhos estavam vermelhos tamanho era o seu ódio.

 

 

                Em toda sua vida, Nero nunca deixou sua filha escapar de seus olhos uma só vez, e agora que ela havia sido sequestrada, ele ainda não podia acreditar completamente. Faltava pouco tempo para eles finalmente chegarem ao continente Sul. Seu exército contava agora com 897 cultivadores. Mais um homem havia morrido devido a um ataque de uma besta rank S+ venenosa. Era impossível evitar baixas na fronteira porque eles estavam com pressa, mesmo com esses altos níveis de poder.