O Herdeiro do Mundo

272 - Batalha no Clã Torres: Parte 2

O elder Juarez pareceu dar apenas um passo a frente, no entanto, no segundo seguinte, se tornou um borrão multicor e avançou em direção a Natalia. Natalia segurava seu arco, mas nem por um simples instante havia baixado a sua guarda. Ela levantou o arco e, com uma velocidade que não poderia ser maior, disparou uma única flecha em direção ao borrão do elder Juarez, que já estava a seu caminho.

 

Soooou!

 

A flecha cruzou o espaço de tempo tão rápido como um trovão e, em menos de um pensamento, já estava quase tocando o ombro direito de Juarez, que estava tomado em uma velocidade absurda, fazendo-o arregalar os olhos completamente impressionado. Mesmo ele sob intensa velocidade recebeu um ataque direto. Quase ninguém nem sequer viu a flecha sendo atirada, e muito menos sonhou que a mesma estava indo prestes a acertar o elder mais ágil do clã.

 

― ‘Essa menina é mesmo capaz de me acompanhar nessa velocidade?’ ― Juarez fez uma expressão fria enquanto era obrigado a virar o corpo no trajeto forçadamente, para a flecha de chamas não atingi-lo. A flecha passou raspando o seu braço enquanto ele tinha se virado, porém, sob aquela intensa velocidade, ele perdeu o controle por causa de sua esquiva e acabou sendo atirado na direção de uma casa.

 

Boooom!

 

O elder acertou a parede e desapareceu, quebrando a mesma sobre os destroços da casa.

 

― O que aconteceu? O elder Juarez foi atingido? ― alguém perguntou incrédulo.

 

― Eu a vi mover as mãos, mas não entendi o que aconteceu... ― disse outro guarda do décimo segundo reino.

 

― ‘Natalia... ela conseguiu mesmo...’ ― Romeo era o mais surpreso após ter acompanhado toda a cena. Ele era o único, além dos dois, a presenciar toda a cena. Sendo um reino final, sua velocidade e sua percepção era muito maior que os demais.

 

― Parece que eu subestimei você... ― disse Juarez, saindo de dentro da casa, abanando as vestimentas para retirar a poeira enquanto encarava Natalia ― Isso não vai se repetir novamente ― ele não parecia ferido, apenas surpreso.

 

Zuuuup!

 

Mais uma vez ele avançou sumindo em direção a Natalia, dessa vez ainda mais rápido. Natalia rapidamente sacou suas adagas e sumiu também.

 

Booom! Booom! Booom! Booom!

 

Os dois sumiam e reapareciam trocando golpes de adagas. Eles eram tão rápidos que pessoas abaixo do reino das leis mal podiam sonhar em ver. Apenas vultos dançavam enquanto trocavam poderosos golpes.

 

― Corte em forma de ondas! ― Juarez usava muitas vezes essa habilidade estranha. As adagas piscavam se enchendo de luzes e cortavam furiosamente o ar. Mesmo que Natalia esquivasse, as ondas que corriam pelo ar ainda acertavam a armadura dela, causando leves danos.

 

― Vamos ver quanto tempo essa sua armadura vai aguentar ― disse Juarez satisfeito, enquanto repetia a técnica sempre que surgia chance. Mas o coração dele já estava angustiado, quando Natalia foi capaz de acompanhar sua velocidade e lutar de igual para igual, o deixou ligeiramente tenso. Ambos já estavam com técnicas de velocidade ativadas no máximo. Natalia só estava conseguindo acompanhar o elder devido a armadura que aumentava sua velocidade e percepção, se não fosse por sua armadura, ela não seria tão rápida e para complicar, o elder estava focando em destruir a mesma.

 

― Feixe de Luz! ― Natalia também usava suas técnicas, e uma delas era um tipo de ataque com as adagas indo diretamente contra o alvo. As adagas brilhavam com ondas de fogo e repentinamente sumiam junto a Natalia, reaparecendo em outro ângulo. Era um tipo de ataque usado como esquiva também. Com essa técnica, Natalia podia se mover em um pensamento para aparecer em outro ponto, mas isso consumia muita energia. Ela usava mais para se esquivar e causar danos inferiores ao elder, que a cada momento se tornava mais furioso. Natalia não estava tentando matar e sim aleijá-lo. Se ela estivesse tentando matá-lo, era provável que já teria conseguido.

 

                Do outro lado, Ramon avançou com sua imensa espada pesada e, em um salto, apareceu caindo por cima de Mara.

 

― Golpe De Avalanche! ― gritou ele sacudindo a espada para frente, esmagando-a contra Mara. A enorme espada de lâmina prateada escurecida rugiu cortando o ar com velocidade. A força daquele ataque seria suficiente para matar instantaneamente qualquer cultivador abaixo do décimo segundo reino que não esquivasse a tempo. Qualquer um que ousasse tentar defender, certamente morreria. Os olhos de Ramon brilharam enquanto ele já se preparava para ver Mara esquivar. Assim que ela esquivasse, ele ativaria sua outra técnica e a pegaria desprevenida, acabando com aquela luta em apenas dois movimentos.

 

                A batalha de Mara e Ramon era mais fácil de ser assistida, e portanto recebeu maior atenção. Quando todos viram aquela imensa espada se dirigindo a Mara, ficaram horrorizados. A força de Ramon era conhecida no clã, ninguém ousaria enfrentar seu ataque de frente e muitos pereceram por tentar.

 

― ‘Para onde você vai, garotinha? Para onde você vai...?’ ― Ramon tinha um sorriso confiante enquanto afundava sua espada contra Mara, ele tinha que ter uma ideia da rota dela para em seguida pegá-la de surpresa, mas Mara não estava se mexendo. Em vez disso, ela estava ajeitando sua espada de porte médio. Será que ela queria defender aquela enorme espada pesada com uma simples espada de porte médio? Ela estava ficando louca? As pessoas não conseguiam deixar de pensar.

 

― ‘Não vai esquivar?!’ ― Ramon não poderia estar mais surpreso. Seu golpe era como uma montanha cortante descendo dos céus, e mesmo assim Mara não movia um passo sequer. Romeo, do outro lado, deu um sorriso já imaginando o fim dela.

 

Ziiiiiiiiiiiiiiiiim...

 

O que aconteceu a seguir chocou a todos. Mara não se moveu mesmo do lugar e levantou a própria espada, deixando-a curvada no ar. A lâmina da espada pesada atingiu a lateral da lâmina da espada de Mara e, conforme ela a deixou levemente de lado, a lâmina desceu raspando na lâmina dela. Mara fez com que o golpe desviasse um pouco para o lado, e em seguida saltou levemente, girando no ar.

 

Boooooom!

 

A espada pesada atingiu o chão causando imensas rachaduras, que se estenderam por vários ângulos como uma imensa teia de aranha. Terra e pedaços de pedras voaram para os lados, junto com a enorme força do vento.

 

― ‘Essa garota, ela...!’ ― Quando Ramon se virou, uma lâmina já estava cortando em arco direcionado ao seu pescoço. Mara só saltou levemente para o lado para evitar a colisão do choque de terra, mas no instante seguinte ela já estava efetuando um golpe final em seu alvo. A mudança brusca de quem estava correndo risco de vida quase fez o queixo de Romeo despencar. Mara não somente fez o ataque do seu alvo ser desviado como ainda o contra-atacou rapidamente, e isso tudo confiando que sua espada não quebraria.

 

Zuuuup!

 

Ramon conseguiu recuar pescoço a tempo, mas seu braço direito foi rasgado no processo em um corte fundo. Logo seu braço direito se encheu de sangue que derramava em demasia.

 

― HÁ HÁ HÁ HÁ HÁ! ― Ele ria alto enquanto cortava de lado em uma rápida reação. Mara, que não teve tempo de desviar, foi atingida, mas ela deixou a espada na frente defendendo o ataque.

 

Zuuuuup! Diiing! Boooom!

 

As espadas se chocaram. O choque foi tão forte que Mara foi arremessada para trás, voando trinta metros e batendo de costas em uma parede. Mas nem por um só momento ela baixou sua espada, que conteve todo o ataque e a empurrou para longe.

 

― Você...! ― antes que Ramon dissesse qualquer coisa, Mara já tinha saindo dos destroços da parede e reaparecido ao seu lado, tentando novamente decepar sua cabeça.

 

― RAAAAAAAAAA! ― Ramon soltou um forte rugido enquanto espalhava uma poderosa aura em volta. Isso fez Mara se atrapalhar por um curto segundo e, no instante seguinte, a lâmina pesada cortava rapidamente contra ela.

 

Diiiiing!

 

Novamente as espadas se chocaram e Mara voou de novo para trás uns vinte metros, mas dessa vez ela se recuperou a tempo e sumiu novamente com sua habilidade de movimento.

 

― Venha! Venha! Venhaaaa!!! ― Ramon sorria alucinado enquanto seu braço direito derramava sangue, ele não estava preocupado o quanto a isso.

 

Mara reapareceu ao lado dele e o atacou impiedosamente:

 

Zuuuup! Vaaap!

 

Ramon girou sua espada e acertou uma pós imagem do corpo de Mara. Só o corte lateral dele causava uma onda de vento que seria capaz até de derrubar árvores próximas. Mara reapareceu do outro lado, tentando cortar contra Ramon, mas novamente ele rodou a espada e Mara sumiu de novo, atingindo apenas uma pós imagem.

 

― Podemos fazer isso o dia todo, garota! Eu não me preocupo, HÁ HÁ HÁ HÁ! ― disse Ramon.

 

                Mara reapareceu alguns metros dele e ficou um momento parada, encarando seu alvo.

 

― Desistiu dos seus movimentos rápidos? Será que ficou com medo de que eu te matasse de repente? Há Há Há! ― ele ria abusivamente.

 

― Técnica de Enrijecimento Corporal! ― Mara ativou uma técnica, tanto sua espada como a armadura liberou um intenso brilho cinza. Era obviamente uma técnica própria do elemento Força.

 

― Trocando velocidade por defesa? Você está louca? Há Há Há! ― Ramon parecia rir empolgado com qualquer coisa que sua oponente fizesse. Ele realmente não acreditava que poderia perder para ela, mesmo que no início da luta ele tenha sofrido um golpe crítico.

 

― Eu já entendi os seus ataques. Já sei quantidade de força que você possui e sei que não será capaz de me vencer. A vitória já é minha. ― disse Mara calmamente.

 

― Vamos ver isso agora mesmo! ― Ramon correu até Mara, mas dessa vez ela não recuou. Ele rodou a lâmina pesada violentamente em lateral:

 

Diiiing! Diiiing! Diiiing! Diiiing! Diiiing!

 

Uma, duas, cinco vezes. Golpe após golpe, Mara agora estava defendendo sem recuar ou sem ser jogada para trás, e apenas com aquela espada.

 

― Isso pode ser possível? ― Um dos guardas tinha a boca aberta. Já era surpreendente o que Mara havia feito no início, mas agora defendendo os golpes maciços de Ramon e ainda sem ser lançada longe, muitos estavam ali de bocas abertas sem ousar acreditar naquilo.

 

                Ramon agora tinha formado uma expressão feia. Ele golpeava Mara de um lado a outro, mas ela estava defendendo facilmente com sua espada de porte médio e nem parecia estar fazendo muito esforço. Golpe a após golpe, Ramon estava suando, mas a moça parecia não sentir qualquer coisa. Mara era como imensa muralha indestrutível.

 

― Essa é toda sua força? Você sequer é mais forte que eu. Vergonhoso um elder ser tão fraco assim! ― disse Mara friamente de dentro da armadura.

 

― Como ousa...?! Golpe De Avalanche! Destruidor Rugido os Céus! Explosão dos Sete Selos! Erupção de Força! ― Técnica após técnica eram defendidas facilmente por Mara. O chão em volta dela se rachava e ameaçava se romper, mas mesmo assim ela conseguia defender todos os golpes. Isso deixava Ramon a cada instante mais aflito.

 

― Sua maldita...! ― Ramon agora não estava rindo, ele atacava Mara de um lado a outro cada vez mais furiosamente. Suor jorrava no rosto dele devido o intenso esforço que estava fazendo e ele nem mesmo conseguia fazer Mara recuar. Mesmo sua força e o peso da espada não pareciam ter qualquer efeito sobre ela. O que diabos estava acontecendo? Ele estava começando a se sentir em pânico. Como esse garota tinha de repente se tornado mais forte?

 

                Do outro lado, Natalia não estava muito satisfeita. Suas tentativas de aleijar Juarez estavam a cada instante mais difícil. O elder, percebendo que ela não visava golpes fatais, começou a entender que ela não queria matá-lo e isso deixou a luta muito mais fácil. Afinal, ele só precisaria se preocupar com seus braços e pernas.

 

― Se continuar assim vai acabar perdendo, garotinha ― disse Juarez sem se importar. Em um movimento ou outro ele causava danos a Natalia, e muito em breve a armadura dela sumiria. E quando sumisse, ele a derrotaria.

 

                O espírito de luta impetuoso de Ramon estava sendo suprimido, porque a cada golpe Mara não parecia recuar, ela defendia todos.

 

― Do que você é feita?! Por que você não cai?! ― ele começou a rugir batendo desesperadamente, vez após vez. Por dentro da armadura, Mara estava muito cansada e uma grande quantidade de suor corria molhando suas roupas e cobrindo seu belo corpo. Seus braços ameaçavam estremecer segurando a lâmina, mas ela fazia parecer que estava em melhor estado físico para baixar a coragem de Ramon.

 

                Mara já tinha percebido que seria difícil ganhar aquela luta em termos de velocidade e força, porque assim como o alvo poderia morrer, ela também poderia se fizesse qualquer movimento impensado, então a partir daquele ponto ela decidiu mudar a estratégia. Sua armadura tinha uma habilidade especial chamada Rugido Supremo, uma habilidade capaz de desnortear e incapacitar um alvo. Mara já tinha treinado ela várias vezes com seu mestre e foi descoberto que ela não era tão fácil de ser ativada. O alvo precisaria estar levemente desequilibrado para ter o correto efeito. Quando Mara usou na época em que tentaram matar Rael, esses alvos estavam assustados, com medo de serem mortos por Rika. Por isso o efeito foi tão bom mas, uma vez usado em alvos que não estão com medo, o efeito seria quase nulo, ela tinha descoberto isso graças a ajuda de seu mestre.

 

                Seu mestre tinha pedido para ver essa habilidade e foi testando nele. Na época, seu mestre recuou apenas um passo. Depois chamou um guarda e testou novamente, o mesmo não teve qualquer reação além de recuar um passo também. Então, fizeram mais um teste com um novo guarda. Para esse, disseram que a habilidade de Mara poderia matá-lo e que ele deveria ter muito cuidado. Usando pela terceira vez, esse guarda então caiu e ficou se tremendo no chão. A habilidade de Mara só funcionaria se o alvo tivesse com medo, ou seja, com seu espírito de luta reduzido. Descobrir isso foi vital, porque agora ela sabia perfeitamente como usar o poder do rugido de sua armadura.

 

                O que Mara estava fazendo com o oponente era para fazer-lo pensar que não poderia ter chance de vencê-la, mas isso também tinha um preço, defender aqueles ataques violentos drenavam muita força dela.

 

― Maldita...! ― com uma voz mais baixa, Ramon finalmente deu um passo para trás. Sua expressão formou uma careta de espanto e ele estava com uma enorme dificuldade em respirar.

 

― Isso é tudo o que você tem? ― perguntou Mara friamente de dentro da armadura. Ramon não podia vê-la se desfazendo em suor, por isso ele ficou muito assustado. Além disso a voz de Mara era solene e bem firme. Ela fez um grande esforço para parecer estar com força total.

 

― Você é uma simples garota no reino elemental, isso não pode ser verdade... Não pode... ― o olhar de pânico no rosto de Ramon agora era evidente. Mesmo em pânico alguém ainda se defenderia, porque seria natural resistir até o fim, mas com o plano de Mara, o homem entregaria sua própria cabeça de bandeja. Vendo que ele estava abalado o suficiente, Mara não mais esperou.

 

― Wooooooooooooooooooooooooh! ― ela rugiu em direção ao homem. O rugido bestial de tigre criado pelo poder da armadura penetrou nos ouvidos de Ramon e até de guardas próximos. Não somente Ramon, como vários guardas caíram sentados no chão. Ramon ficou tão apavorado que até derrubou sua imponente espada.

 

― Isso sim é um rugido de verdade, e não aquele seu de antes. ― Mara disse friamente e depois atacou o seu alvo, fazendo a cabeça dele voar. Ela o matou como se pisasse em um inseto e não deu mais do que uma olhada para a cabeça decepada, depois ela voltou-se para Natalia.

 

                Mara ceifava vidas tão facilmente como Rael. Uma vez que alguém entrasse em seu caminho, ela não pensaria duas vezes. Mesmo que ela estivesse melhorado um pouco devido a Rael, ela ainda era uma mulher de coração frio quando precisava ser.

 

                Natalia teve uma ideia de última hora, e por isso ela levantou voo.

 

― Você acha que no céu terá mais vantagem do que eu? Hunf! Você me menospreza, jovenzinha ― disse Juarez e voou atrás dela. Mas, quando o elder a perseguiu, algo mudou. Natalia pareceu se tornar um borrão em pleno ar e facilmente cortou contra Juarez. Ela o atingiu nos dois ombros e, em seguida, em uma das pernas.

 

Estando no ar, Natalia tinha a vantagem adicional de voo, que deixava ela ainda mais rápida devido a armadura. Juntando com sua velocidade natural e a velocidade da armadura, ela superou a velocidade do oponente  no ar em duas vezes. O que foi mais vital é que ela agiu de imediato, sem esperar o alvo entender sequer o que de fato acontecia.

 

 

― Aaaaaah! ― Juarez despencou do céu aleijado, sem conseguir mover seus braços nem um dos joelhos. Mara fez uma careta irritada por sua prima não matá-lo, mas ficou satisfeita com o resultado. Em seguida, Natalia pousou suavemente ao lado da prima. As duas poderosas beldades agora encaravam Romeo de dentro de seus elmos.




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.