O Herdeiro do Mundo

263 - Rael versus Reges (Parte 1)

Reges mantinha um olhar frio. Ele não parecia surpreso por Rael ser capaz de voar ou até mesmo por ter aberto um portal e saído dele.

 

― Está envolvido com essas pessoas? Você está traindo o clã Torres deliberadamente? ― Reges perguntou, mantendo seu tom sério. Os dois mantinham um ar frio um para com o outro.

 

― Traindo? Para início de conversa, eu nunca jurei nenhum tipo de lealdade a essa merda de clã ― apesar de dizer com um tom de rispidez, Rael manteve seu ar frio.

 

― Você não vai escapar disso, jovem mestre. Uma vez que se volta contra o clã, a sua morte é certa. Eu não sei como está conseguindo voar, mas você não sairá daqui vivo ― disse Reges e sacou mais duas adagas.

 

― Eu não estou traindo o clã, estou buscando vingança pelo que você fez a mim seis anos atrás ― disse Rael, se preparando para o combate.

 

                Reges não deu a mínima para o que Rael tentou dizer e avançou como um borrão com as duas adagas em mãos. A aura de Reges era cinza, mostrando que o homem tinha como liberação a Força.

 

― ‘Ele é rápido!’ ― Rael ficou surpreso com a velocidade do ataque de Reges. Defendendo com seu braço direito os primeiros golpes, ele logo precisou ativar o Espaço Ilusório para escapar de um ataque visando sua garganta.

 

                Reges flutuou para trás mantendo as duas adagas brilhantes nas mãos enquanto analisava Rael friamente.

 

― ‘Esse jovem pode voar, mesmo não estando no 10ª reino, e pode até mesmo criar portais e negar a sua existência física. Seu braço direito também é bem poderoso e resistente’ ― com apenas poucas trocas de golpes, Reges já tinha um certo conhecimento das capacidades de Rael. Sem contar com o que ele já havia observado durante o torneio.

 

                Rael encarou o homem branco de porte médio a frente, Reges era um cara magro de olhos escuros. Ele não era bonito nem feio, tinha aparência de alguém com seus trinta anos, então provavelmente a sua idade poderia ser maior que 100 anos.

 

― O reino final está com você? ― Reges perguntou cautelosamente sem tirar os olhos de Rael, assim como Rael não retirava os olhos dele.

 

― Estão, mas os dois não vão atrapalhar nosso combate ― disse Rael de volta.

 

― ‘Os dois? Então a maldita besta rank S está com ele também?!’ ― Reges pensou contendo sua inquietude. Ele não sabia como, mas sentia que Rael não estava mentindo.

 

Zuuuuup

 

Reges avançou de novo, trocando mais alguns golpes com Rael e no meio de seus avanços ele rapidamente ativou uma habilidade de movimento, a “Brisa Leve”. Assim como Rael, ele também podia usar essa habilidade. Os ataques de Reges ficaram ainda mais rápidos e ele cortou o ar, fazendo seus ataques atravessarem o corpo de Rael.

 

― Brisa Leve! Impulso do Trovão! ― Rael também ativou duas habilidades de movimento ao mesmo tempo e superou a velocidade de Reges.

 

― O quê?! ― Reges ficou chocado ao perceber isso e tomou um chute no peito.

 

Boooom!

 

O chute fez Reges voar para baixo, fazendo-o pousar no chão com dificuldades em respirar, segurando ambas as mãos no peito. Rael desceu flutuando, ficando a uns 10 metros acima de Reges e o fitou friamente.

 

― Você se lembra de um garoto chamado Rael? ― perguntou Rael. Mesmo que todos os seus instintos quisessem que ele acabasse com aquela batalha o mais rápido possível, ele não queria. Aquele era o homem que o apunhalou e o atirou do penhasco, uma ação que se tornou o pesadelo de Rael por vários anos de sua vida. Ele precisava se vingar.

 

― O que você quer dizer com isso? ― Reges não entendeu o que Rael quis dizer e então viu Rael mostrando um braço azul enquanto puxava a manga do sobretudo.

 

― Há pouco mais de 6 anos, você me apunhalou e me jogou de um penhasco. Agora isso faz algum sentido para você? ― Rael deixou que ele visse o seu braço azul e depois o cobriu novamente. Reges ainda estava tentando se recuperar do golpe e de repente seus olhos se arregalaram. Os olhos de Reges sobre Rael mudaram, se tornando um grande olhar de surpresa. Parecia que naquele momento era a primeira vez que via Rael, o falecido filho de seu patriarca.

 

― Espere, você está me dizendo que é aquele garoto que eu matei naquele dia? Você é Rael Torres? ― Reges perguntou com um ar de surpresa, mas sua voz ainda estava calma, contrastando com os seus olhos arregalados.

 

― Eu já me vinguei matando os outros que estavam com você naquele dia. Bores, Ruam, Reinaldo, Alex... Agora só me resta você, Reges ― disse Rael.

 

― Você não é nem um pouco parecido com aquele garoto. Você não se parece com aquele filho do nosso patriarca ― disse Reges se acalmando um pouco. Ele logo perdeu o olhar de surpresa e deixou seu olhar frio retornar sobre o jovem.

 

― Muitas coisas aconteceram depois daquilo. Se você não quer acreditar na minha história, não acredite, pois não sou obrigado a te provar. Só queria que você soubesse disso antes de eu acabar com sua raça! ― disse Rael, liberando um poderoso instinto assassino.

 

― Você acha mesmo que é páreo para mim? Se você é aquele verme que eu tirei a vida 6 anos atrás, só retornou para morrer novamente. Deveria ter ficado nas sombras, moleque, assim eu nunca saberia quem você de fato é ― disse Reges em seu tom frio. Ele parecia não temer Rael, mesmo com todas aquelas habilidades já conhecidas.

 

― Não sou páreo para você? É o que veremos. Espada de Terra! ― Uma lâmina de terra apareceu no braço esquerdo de Rael, ele fechou os punhos e desceu voando contra Reges.

 

Booom! Booom! Booom!

 

Os dois trocaram mais alguns golpes rápidos e Rael agora tinha a vantagem. Com apenas uma rápida troca, Rael conseguiu perfurar a espada de terra no ombro direito de Reges, que saiu atrapalhado com a mão esquerda no ombro, dando alguns passos para trás enquanto Rael dava um tempo para ele perceber a diferença de poder entre os dois.

 

                O ombro de Reges ficou ferido com um buraco profundo e o sangue jorrava, molhando suas vestes.

 

― Não foi por menos que você venceu o torneio naquela época. Sua força e habilidades estão muito acima do poder que você aparenta possuir ― disse ele enquanto apertava a grave ferida. O que era estranho é que ele não parecia desesperado, na verdade ele parecia até bastante confiante.

 

― Você veio buscar vingança? Foi o que disse no começo, pelo que me recordo. Eu devo dizer que não me arrependo nem um pouco pelo que fiz, eu estava seguindo ordens de seus pais naquele dia. Tanto Romeo quanto Elisa concordaram que seria muito melhor se você estivesse morto. Tudo tinha que parecer um sequestro, então fizemos como nos foi mandado.

 

― Isso já não me interessa mais. Eu sei o que aconteceu naquela noite e hoje vim buscar sua vida ― disse Rael friamente e avançou alguns passos, mas parou porque Reges recomeçou a falar.

 

― Sabe o que me lembro? A perturbadora felicidade de seus pais depois que eu voltei entregando o relatório da missão. Eu lhes contei todos os detalhes, a maneira que você foi arrastado feito um animal miserável, a forma que fora apunhalado e jogado penhasco abaixo, se arrebentando nas rochas. Você não imagina a expressão deles...

 

                Reges fez uma pausa, como se tivesse voltando no tempo e lembrado o que ocorreu naquele dia como se fosse hoje.

 

― Eles sorriram e brindaram sua morte com uma bebida. Em toda minha vida eu já vi pessoas frias, mas iguais ao patriarca e sua esposa, eu nunca tinha visto igual. Ainda me lembro dele perguntando se você estava mesmo morto, o seu próprio pai querendo confirmar se o filho aleijado tinha morrido. Eu tive que falar várias vezes para ele e quanto mais eu falava, mais satisfeito ele ficava. Deve ser duro para você saber que os seus próprios pais encomendaram a sua morte ― disse Reges analisando todo o estado de Rael, como se procurasse uma falha em qualquer ângulo em sua personalidade sombria.

 

                Mesmo tentando controlar o ódio, Rael deixou escapar um ranger de dentes. Ele foi forçado a lembrar daquele dia cruel como se tivesse acabado de acontecer, ao ouvir Reges dizendo que foi os seus pais que o mandaram fazer o serviço.

 

Zuuuup! Boooom!

 

Quando Rael piscou, uma estranha e longa lâmina vermelha entortada tinha voado em sua garganta. Foi tão rápido que Rael sequer pensou em reagir. Seu braço direito entrou na frente e o protegeu, se movendo involuntariamente, como algumas vezes acontecia. Se não fosse por aquele movimento, Rael teria sido morto. A lâmina longa foi recuada, voltando para perto de Reges.

 

                Reges era um assassino experiente e buscava as falhas das pessoas para exterminar seus alvos. Aquele mínimo momento que Rael perdeu o controle de sua raiva contida, foi perfeitamente aproveitado para atacar, esperando que a reação de Rael fosse mais lenta. Porém, ele ficou surpreso com o que ocorreu.

 

                Rael voltou o estado de luta com toda a sua atenção ao homem a frente. O corpo de Reges parecia ter aumentado de tamanho e suas roupas estavam um pouco rasgadas. Reges fez uma expressão desgostosa depois de ver que seu plano havia falhado.

 

― Eu não faço ideia de como você ressuscitou dos mortos, mas vou garantir que dessa vez você não volte mais à vida! ―disse Reges, liberando um poderoso instinto assassino. Rael sentiu como se a aura de Reges estivesse muito mais forte que antes. Durante aquela conversa sobre os pais de Rael ele ativou alguma técnica que Rael não havia notado.

 

                Reges avançou com aquela lâmina vermelha toda torta que parecia ter vida própria e se dobrava sozinha no ar, buscando todos os pontos vitais de Rael.

 

― ‘Que tipo de técnica é essa que ele está usando?! O que é isso? ― Rael pensou confuso enquanto desviava e defendia usando seu braço direito ou a espada de terra. A velocidade de Reges também tinha aumentado e agora Rael estava tendo um pouco de dificuldade em equilibrar a situação. Além disso, Reges estava movimentando os dois braços como se não tivesse nenhum ferimento, o que deixou Rael ligeiramente perturbado pois segundos antes ele havia ferido gravemente um dos braços do mesmo.

 

                Rael foi obrigado a usar o Espaço Ilusório duas vezes seguidas, então se enfureceu por estar sendo pressionado pelo adversário e ativou sua armadura de dragão. Com a armadura ativada, Rael conseguiu acompanhar a velocidade e até empurrá-lo para trás, forçando-o a recuar.

 

                Reges fez uma pausa descansando. Ele suava e parecia estar usando uma grande quantidade de energia. Seu ombro não parecia mais machucado e a lâmina parecia sair de dentro de suas vestimentas. Rael observou que a lâmina crescia e diminuía.

 

― Eu ia usar esse poder para lutar contra Verom se fosse preciso. Mas aqui estou eu, sendo obrigado a usar contra você ― Reges não parecia satisfeito com esse resultado.

 

― Que tipo de técnica é essa? De onde vem essa lâmina? É o seu sangue? ― Rael tinha desconfiado devido a cor da lâmina e a extensa energia que a circundava. Era como se a lâmina estivesse viva.

 

― Uma técnica secreta passada por família, isso não importa pra você. ― disse Reges e concentrou ainda mais poder, sem se importar que Rael estava bem equipado com uma poderosa armadura de dragão.

 

Booom! Booom Booom!

 

                Os dois cruzaram golpes e mais golpes. A velocidade de Reges tinha aumentado de novo e agora Rael também tinha ativado seu movimento de terra. Agora ele estava usando três técnicas de velocidade simultaneamente. Os dois lutavam como fleches pela ilha, saltando de um lado a outro. Ninguém mais estava pensando em aliados, ambos estavam apenas focados um no outro.

 

                Rael não pensou que Reges o faria usar tanta força, mas pensando direito, Reges era um poderoso cultivador do décimo segundo reino nos níveis finais, ele já estava no nível 8, isso não seria tão surpreendente assim. Rael estava no inicio do décimo reino e portanto ainda teria dificuldades ao enfrentá-lo.

 

Booom! Booom! Booom! Brash!

 

Irritado depois de tantas trocas de golpes, bater e rebater, esquivar e defender, Rael cortou com um poderoso soco com o punho direito contra a lâmina vermelha. Esse soco despedaçou a lâmina, que se quebrou no ar liberando uma cortina de sangue.

 

― Lâminas de Sangue! ― Reges parecia ter sofrido um pouco com esse golpe, mas ainda pulou para trás para se recuperar e apontou a mão direita para o vapor no ar em volta de Rael. Quando Rael percebeu, várias pequenas lâminas de sangue tinham aparecido em sua volta sendo formadas pelo sangue da lâmina outrora quebrada. Ele estava completamente cercado.

 

Zuuup! Zuuup! Zuuup! Zuuup!

 

As lâminas cruzaram o corpo transparente de Rael, que ativou o Espaço Ilusório. Rael partiu para cima dele de novo.

 

― ‘Se não fosse por essas malditas habilidades e essa armadura...!’ ― Reges pensou com desgosto enquanto recuava. Pela primeira vez ele estava sendo pressionado contra um mero júnior. Isso deixou Reges extremamente nervoso. Mesmo usando habilidades que requer a sua força vital, ele ainda estava perdendo.

 

― Você não vai escapar. Vou te fazer sofrer tanto quanto eu sofri naquele dia ― disse Rael friamente de dentro da armadura.

 

                Reges não estava disposto a desistir, ele não se intimidava com Rael, independente do que o mesmo fizesse.

 

― Ligação de Sangue! Lâminas Mortais! ― Com um rugido, Reges soltou um total de 10 adagas no ar. Todas ficaram flutuando e se tremendo enquanto eram cobertas com uma camada de sangue. Rael não tinha aparado de avançar e continuava atacando, fazendo Reges recuar enquanto sofria alguns ataques da lâmina de terra. Como Rael agora tinha vantagem na velocidade, ele estava conseguindo acertar Reges algumas vezes, mas não parecia obter muito resultado.

 

                As adagas deixadas no ar de repente ganharam vida e se dirigiram contra Rael. A velocidade das adagas era extremamente rápida.

 

― Agora você vai morrer! ― Reges gritou, recuando para o lado no momento que as lâminas vinham pelas costas de Rael.

 

                Rael ativou o Espaço Ilusório, escapando de algumas das lâminas. Outras, ele acabou recebendo danos em sua armadura. Não tinha maneira de escapar de todas. De vez em quando, Reges ainda atacava com uma lâmina de longa distância que voaria objetivando a sua garganta ou cabeça.

 

― ‘Esse desgraçado!’ ― Rael ficou frustrado. Reges parecia tão forte quanto Arthur.

 

                As adagas voadoras que pareciam ter vida própria não paravam por nenhum momento. Mesmo quando acertavam Rael danificando um pouco a armadura, elas recuavam e atacavam novamente. Rael conseguiu agarrar uma delas com a mão direita e a quebrou no ar, transformando-a em pó.

 

― Hahaha! Ainda falta nove delas. Será que você vai fazer isso com todas? ― apesar de Reges rir, ele suou frio. Rael ser capaz de destruir uma adaga feita de minério de Sendrer não era brincadeira. Todas as dez adagas de Reges eram feitas do melhor material possível para se fazer uma arma. Apenas uma simples adaga daquelas poderia custar mais de 10 mil moedas de ouro. Ver Rael destruir uma tão facilmente foi como um golpe amargo em seu interior.

 

                Rael destruiu uma segunda lâmina, mas nesse tempo a sua armadura não aguentou e se desmanchou.

 

― ‘Impossível...!’ ― Rael estava chocado com o quanto estava sendo pressionado. Seu Espaço Ilusório já tinha sido usado algumas vezes a mais. Se ele quisesse pedir a ajuda de Neide, bastava chamar no anel e ela viria, mas ele não estava disposto a isso. Aquela era sua vingança pessoal e ele mesmo teria que cumpri-la.

 

 

― ‘O melhor a fazer é mudar a minha maneira de lutar antes que eu morra’ ― pensou Rael, se preparando para partir contra Reges mais uma vez.

_______________________________________________________________________________
Patrocinado por: Gabriel Bonifacio da silva




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.