O Herdeiro do Mundo

246 - Matriarca Verônica – Parte 2

Quando a matriarca fez aquela pergunta, Rael ficou pálido. O rapaz não fazia ideia de como ela havia descoberto seu maior segredo. Se nem seus próprios falsos pais até o momento desconfiaram, como que ela pôde descobrir?

― Eu sei que está surpreso, mas não imagina o quanto eu fiquei na época. Não sei se você sabe, mas eu sigo o Caminho do Iluminado. Uma das habilidades que aperfeiçoei ao longo dos anos foi a Visão Passageira. Usando esse poder, eu pesquisei sobre você e descobri muita coisa. Foi dessa forma que eu encontrei um pouco da verdade. Mas ainda há coisas sobre você que eu não consigo compreender completamente.

― Para quem você contou isso?! Diga-me agora! ― Rael se levantou da cadeira rapidamente e lançou seu instinto assassino contra Verônica. A mulher não pareceu se preocupar e lentamente deu outro gole em seu vinho. Ela não deu qualquer sinal de reação enquanto o líquido doce entrava em seus atraentes lábios vermelhos.

― Samuel, volte ao seu lugar. Eu acabei de falar de mim e ainda disse que sou uma mulher solitária. Eu não espalhei isso a ninguém e nem pretendo espalhar, independente da sua decisão final. Mesmo que você rejeite a minha proposta e saia desse recinto, eu ainda guardarei para mim tudo que descobri sobre você. Eu não ousaria ofendê-lo― disse ela, mantendo a sua serenidade.

― Como você descobriu? Como?! ― perguntou Rael voltando para a cadeira, mas ainda estava ligeiramente alarmado.

― Primeiro, eu busquei informações sobre você: Sua idade, de onde você veio, entre outras coisas. Notei que algumas pessoas que pareciam te conhecer estavam tomadas por um tipo de hipnose, então eu presumi que aquele seu passado informado era uma mentira. Como você demonstrou interesse no clã Torres, foi ali que comecei uma segunda e silenciosa investigação. Eu percebi que você não se dava bem com o patriarca ou com a esposa dele, mas ainda assim casou-se com a filha deles. Isso me fez querer investigar o passado dessa família. ― ela fez uma pausa e novamente encheu os copos. Rael continuou em silêncio, aguardando ela continuar.

― Eu me lembrei do jovem sem braço a quem todos rejeitavam, menos a irmã Natalia, o que fez todo sentido depois. Os pais a casariam com um péssimo homem e você fez isso para salvá-la, mas algo aconteceu e parece que seu relacionamento com ela se tornou sério. Enfim, eu continuei pesquisando nos dias próximos em que aquela criança rejeitada sumira. Usando a visão Passageira, eu voltei no tempo várias vezes e consegui descobrir o que fizeram com você: Te carregaram, esfaquearam e te atiraram do penhasco. Então, um deus desceu e salvou a sua vida. ― disse ela, como se tivesse terminado todas as explicações.

A Visão Passageira tinha como poder fazer um cultivador ver o passado de locais, pessoas e eventos em geral, que apenas cultivadores do elemento Luz tinham essa habilidade. Alguém que combinasse com outro elemento jamais poderia usar a Visão Passageira, por isso, Verônica focou sua vida inteira apenas nesse elemento, para ter a capacidade de conhecer o passado das coisas que queria.

Para Verônica ver o passado, ela deveria escolher o lugar e data para ativar sua habilidade, então como se fosse hologramas, as imagens do ocorrido seriam vistas por ela naquele local especifico, não somente vistas como também as escutava com perfeição. Por ela ser um reino final, ela tinha a capacidade de ver até 50 anos atrás no tempo. Essa habilidade era muito útil para conseguir informações.

Rael conhecia essa habilidade, mas por ele utilizar vários elementos, ele não seria capaz de usá-la.

― Quando eu soube da verdade sobre você, chorei muito. Nunca fui uma mãe, mas imagino o quanto você deve ter sofrido ao perceber que seus próprios fizeram essa atrocidade com você ― disse ela inesperadamente. Rael sentiu que havia sinceridade nas palavras dela e se acalmou um pouco mais.

― Isso foi antes ou depois do torneio?

― Antes. Por isso eu quis testar o seu poder com o ataque dos cetros. Não estava enganada, você foi salvo por um deus e, portanto, certamente se tornaria um jovem fabuloso.

― A partir de então você decidiu me apoiar, destruindo e tomando o clã Sangnos.

― Você não está feliz com isso?

― Não sei dizer, gosto de fazer as coisas do meu jeito.

― Esse foi um presente meu a você. Se você quiser, ainda posso me mover contra o seu clã. Basta você me dizer e eu faço.

― Ainda não temos nem mesmo uma aliança, por que faria isso por mim? Mesmo em suas favoráveis condições, enfrentar o clã Torres não seria muito inteligente nesse momento ― disse Rael. Rael não sabia o quanto de informações Verônica poderia ter dele, ou se a matriarca também tinha conhecimento sobre as violadoras ou as celestiais. Se Rael fosse com seu poder atual, Rika, Neide, Rayger e todo o suporte de Verônica seria fácil. Talvez ela mesma tivesse medido isso antes de oferecer seu apoio.

― Eu sei que você tem o apoio dos pais de Mara, eles são dois reinos finais poderosos, apenas eles dois já poderiam assegurar parte da vitória. E você tem ainda mais segredos. Eu não ousei me aproximar da rocha secreta na qual você sumiu com o ser divino, para mim aquilo foi o limite do que eu precisava saber e também para não parecer tão intrometida.

― O que você quer em troca? Me diga, quais são os seus planos com isso?

― Primeiro me diga os seus. Eu acho que falei o suficiente de mim por enquanto ― disse ela.

― Vou apenas me vingar dos meus pais e tentar abolir a escravidão. O que você acha sobre a escravidão?

― Eu apoio sua opinião ― disse ela rapidamente, surpreendendo novamente Rael.

― Você apoia mesmo? Mas tem muitos escravos aqui no seu clã, e você até mesmo acabou de pegar alguns homens de certo valor do clã Sangnos, não? ― Rael perguntou espantado.

― Eu não ligo de libertar todos os escravos. Já tive um bom lucro com as riquezas do agora inexistente clã Sangnos. Alguns fugiram, mas não levaram tudo.

― Você me apoia porque esse é meu desejo, ou porque você tem um sentimento parecido?

― Sentimento? Não, nem mesmo um pouco. Eu te apoio porque esse é o seu desejo, e para mim, é como um pequeno sacrifício considerando tudo o que ganharemos juntos futuramente.

― Riquezas? Poder? É isso que você espera ganhar se aliando a mim?

― Não. Eu não me importo muito com isso ― disse ela e tomou mais um gole do vinho enquanto olhava a parede de lado. ― Eu acho que você é a única pessoa que pode me ajudar a atingir o renascimento. Eu sou um reino final, mas estou longe de chegar ao ápice.

― Por que você acha isso?

― Há um ano, Neide era um nível três, hoje ela já é um nível seis. Como ela conseguiu tanto poder em um curto espaço de tempo? Até mesmo Rayger conseguiu um novo nível depois de tantos anos estagnado, e isso tudo depois de seu retorno.

Rael ficou surpreso que ela ligou os pontos tão facilmente. Verônica era mesmo uma mulher esperta, além disso, mesmo ela sabendo os segredos de Rael, ela não o ameaçou em nenhum momento. Muito pelo contrario, continuou sempre oferecendo apoio e suporte.

― Digamos que eu aceite te ajudar a cultivar mais rápido, é apenas isso que você quer?

― Eu quero que você me dê um herdeiro, Samuel. Eu desejo ter um filho.

― Um filho? ― perguntou Rael, sem entender por que a maioria das mulheres fazia o mesmo estranho pedido a ele.

― Eu tenho dois desejos nessa vida: Um é ter um herdeiro e o outro é renascer. Se você me ajudar com os dois, eu não precisarei de mais nada de sua parte.

― Se você quer renascer, eu posso ajudar a acelerar na sua evolução, mas sobre a parte do filho... eu não sei se posso fazer isso agora.

― Por que você não pode me dar um filho? Por causa da minha idade? Isso incomoda você?

― Não é isso... é que é complicado...

― Samuel, eu não vou exigir que se case comigo. Não vou exigir sua atenção em qualquer momento. Eu não espero que você se torne pai assumindo essa criança. Eu cuidarei disso, você só precisa se deitar comigo para gerar essa criança.

― Se é apenas isso, eu tenho certeza que existe uma fila enorme de homens que não recusariam esse pedido ― disse Rael.

― Se eu quisesse com qualquer um, por que estaria pedindo a você? Para você, isso é um preço muito alto a se pagar? Eu estou te oferecendo tudo. Minhas riquezas, meu poder, meu apoio.

― Sabe o que é... eu não gosto de pensar que faremos isso e depois fingiremos que nem existimos um para o outro.

― Eu nunca pedi que você me assumisse, e nem mesmo é minha intenção. Mas se você quiser, podemos ter um casamento formal e eu me torno a sua esposa. Sua quarta esposa, sabendo que você já está indo para a terceira, e ainda tem um noivado marcado antes de todos esses casamentos ― disse ela.

― Você disse que não queria se prender a um homem, não gosta mais de sua liberdade?

― E não quero, mas sei que, com você tendo tantas esposas, não irá ficar grudado a mim o tempo todo.

― Então essa é a razão? Você me quer porque acredita que eu não vou incomodar você?

― Não estou dizendo que você não pode. Mas acho que tendo opções melhores, você não vai me procurar muito ― disse Verônica, que tinha ciência que ela jamais poderia vencer uma beleza como Natalia ou Mara.

Rael cogitou sobre aquele pedido. Ele já tinha abandonado as pílulas e elas perderiam o efeito a qualquer momento, então era possível gravidez começarem a ocorrer. Pensando no que Alexia disse uma vez e também sobre o caso de Rika, Rael estava começando a aceitar essa possibilidade de filhos.

― Você ainda é virgem? ― Rael ficou curioso. Afinal, ela tinha mais de cem anos.

― Sou. Pode ser difícil acreditar, mais nunca tive interesse por homens antes. Você foi o primeiro por quem senti algo ― disse ela.

Rael ficou em silêncio pensando sobre o que fazer. Ele não sabia se deveria acrescentar a matriarca do clã Luante à sua lista. Verônica era uma mulher forte, já prestes a alcançar o ápice e renasceria em breve. Com a ajuda de Rael e mais alguns poucos anos, decerto de que estaria no ápice do reino final. Verônica renasceria como uma jovem novamente se seria dona de um poder muito maior. Em contrapartida, ter um filho com ela agora não era muito interessante para Rael. Rael era um homem casado com duas esposas, a caminho da terceira. Como ele teria um filho com uma quase estranha e não com suas esposas? Ele também pensou em Mara, Rika e Rose, que tanto pedem isso a ele.

― Eu posso aceitar suas condições, contanto que você aceite dois pedidos meus ― disse Rael, depois de pensar por um tempo.

― E quais seriam esses pedidos?

― O primeiro, eu darei um filho a você, mas apenas depois do seu renascimento.

― Posso perguntar o porquê?

― Porque nem as minhas atuais esposas têm filhos. Como eu poderia deixar você passar na frente?

― Acho que você está certo. Mas isso não seria um problema de saúde seu? Se for um problema, você não pode me prometer tal coisa.

― Não é um problema de saúde, eu apenas não quis ainda.

― Se é assim tudo bem ― concordou ela depois, sem grandes surpresas. Ela não sabia muito de Rael, mas entendia que ele tinha um grande conhecimento.

― Meu segundo pedido é bem simples também. Você fará um Pacto de Sangue comigo, garantindo que sempre será leal a mim. Eu também não vou querer você envolvida com nenhum outro homem. Se você quer um filho meu isso não será um problema, certo?

Rael deu suas condições sem medo e sem nenhuma vergonha. Ele não iria ajudar uma mulher que poderia se virar contra ele a qualquer instante depois da ajuda. Se Verônica nunca teve interesse por homens, então ela aceitaria a parte de ser leal a ele, e além disso, se Rael daria um filho a ela, então como ele não a assumiria?

― Entendo, me parece um pedido justo.

― Está disposta a fazer o Pacto de Sangue?

― Estou, desde que você garanta as minhas partes. Você vai prometer que sempre me tratará bem e que me dará essa criança?

― Eu nunca trato mal minhas mulheres. Posso garantir isso sem problemas ― disse Rael de volta. Se ela seria leal a ele, não havia motivos para não aceitar o pedido dela. Além disso, para Rael dar esse filho a ela ainda demoraria alguns anos.

― Então façamos o Pacto de Sangue como você quer ― disse ela, se levantando e concentrando seu poder para formar o pacto a partir do poder das leis.

Por Rael já ter visto isso uma vez, durante o Pacto de Neide e aléxica, ele pôde dizer que o pacto era verdadeiro e que Verônica não estava tentando enganá-lo. Cada um fez suas promessas e em seguida ela lançou o Pacto para o espaço, em um local onde nem mesmo ela teria acesso novamente.

― Está feito. E agora? ― perguntou ela se virando para Rael. A partir daquele momento, os dois estavam presos a promessas um para outro. Mas eram promessas fáceis de serem cumpridas.

Rael fechou as janelas e se certificou de que não havia mais ninguém próximo, depois voltou-se para ela.

― Agora eu vou revelar parte dos meus verdadeiros poderes e, sendo leal a mim, você guardará meus segredos ― disse Rael, já liberando os símbolos que começaram a circular em volta. Verônica deu um passo para trás um pouco surpresa.

― O que é isso?

― Não importa. O que importa é como vou deixar o seu corpo agora. Apenas não tenha medo e confie em mim ― disse Rael e iniciou todo o processo nela.

 

Com a matriarca leal a Rael, a força dela aumentou mais um pouco. Rael estava apenas a poucos passos de realizar todos os seus desejos naquele mundo pequeno. É claro houve muitas outras razões para Rael aceitar tão facilmente, uma delas era principalmente por Natalia.

________________________________________________________________________________
Capítulo patrocinado por: Marcos Vinicius Mota Kliemann