O Herdeiro do Mundo

221 - Keylla e Rael o Encontro

Astrid passeou com Rael por algumas ruas. Rael se mantinha uns dois metros atrás dela e ficou se perguntando quem queria vê-lo. Além de Andréa, tinha Isabela, Keylla e talvez até outras pessoas, mas Rael não fazia nenhuma ideia de quem seria.

― Eu estive na arena e acompanhei a sua luta. Por acaso você controla o poder das leis? ― perguntou Astrid, olhando de lado. O vento soprava os cabelos da mulher dando um ar ainda mais sensual, a mulher sabia aproveitar cada fator ao seu redor para fazer Rael ter cada vez mais interesse por ela.

― Não pense que falarei sobre isso para uma desconhecida. ― disse Rael.

― E como eu ganharia a sua confiança? ― perguntou ela com um leve sorriso, enquanto continuava mantendo o passo.

― Isso não seria tão fácil. ― disse Rael de volta.

― Eu sei que muitas pessoas querem a sua cabeça, mas você deve saber que muitas outras também podem querer também a sua amizade.

― E por que você iria querer a minha amizade, e o que teria a me oferecer? ― perguntou Rael, sem demonstrar muito interesse.

― Esta com certeza é a pergunta mais idiota que você já deve ter feito a alguém. Sua amizade seria de extrema importância uma vez que você tem o poder que pode ultrapassar os céus. E sobre o que posso oferecer, que tal isso... Eu poderia ser a sua espiã. Sou muito boa nisso. ― disse a mesma.

― Espiã, hein? Nunca pensei nesse tipo de coisa, mas acho que não preciso.

― Você não iria querer saber quais famílias estariam contra você? Se pretende tomar o império, seria bom você ter um apoio oculto que te mantivesse informado. Assim você sempre estaria preparado. ― disse a mesma.

Os dois conversaram mais um pouco, mas sem chegar em qualquer lugar, até chegarem de frente a uma pousada. Isso fez Rael se lembrar de Isabela.

― Ela está te esperando no quarto de número 3 do segundo andar. Antes de ir, limpe o batom de sua boca. Não quero que fique óbvio que eu te beijei. ― disse Astrid com um sorriso por baixo do véu reposto assim que terminou seu beijo com o jovem. Rael passou as costas das mãos na boca e olhou a mancha vermelha em sua mão. Não era muito, mas estava bem perceptível.

Rael não perguntou quem seria, ele preferiu seguir o seu caminho e ter a surpresa por si mesmo. Além disso, Rael percebeu que Astrid não falaria quem seria. Entrando na pousada, Rael sequer deu qualquer palavra ao atendente, esse pretendia barrar o caminho do rapaz, mas ouviu alguém o tratar como “jovem mestre Samuel” e verificou quero cabelo, as vestimentas e a boa aparência combinavam com o dito cujo. Isso fez o atendente se encolher antes de tomar qualquer atitude.

Rael subiu as escadas e parou diante da porta mencionada por Astrid. Mas uma vez ele pensou em sua Isabela, que a tempos não via, enquanto girava a maçaneta. Quando sua visão finalmente pôde alcançar o quarto, quem ele viu foi tão surpreendente quanto Isabela, pois era logicamente Keylla, sua outra guardiã.

Keylla estava em pé próximo a cama. A moça usava um vestido azul bem atraente, com muita pele amostra. Ela estava um pouco nervosa porque já deveria estar esperando por Rael a um bom tempo, a ansiedade nos olhos da dama era evidente. Essa Keylla o aguardando era a personalidade forte, a única que poderia decidir toda aquela situação.

― Você é a Dama. ― disse Rael entrando.

― Surpreso? Não fique. Essa Dama deve dizer que foi você que propôs esse encontro. Essa Dama quer respostas, e você me dará hoje! ― disse ela, parecendo bem dura. Ela lançava um olhar duro para Rael enquanto por dentro estremecia de ansiedade. Se não fosse pelo seu medo e suas dúvidas, ela pularia e rasgaria as roupas de Rael. Diferente de Isabela que sempre tinha aquela coisa de medo e vergonha, Keylla era ansiosa e ousada, ela só se mantinha com o pé atrás porque queria respostas.

― Vamos começar pela maneira que nos tratamos. Eu não posso ficar chamando você de Dama, seria muito estranho, como da mesma forma é inusitado ver você se auto proclamando assim. Então, que tal você me dizer o seu nome verdadeiro? ― disse Rael, fechando a porta atrás. Apesar de surpreso,o jovem rapaz não estava com pressa. Rael aprendeu a esperar, a maior parte dos acontecimentos em sua vida funcionavam dessa maneira.

― Você acha que essa dama vai lhe dizer o próprio nome? Melhor pensar novamente. ― disse a mesma se fazendo de irritada enquanto cruzava os braços. Ela não aparentava raiva, nem fez qualquer esforço para conter os avanços dos passos de Rael que parou em frente a ela. Rael não se importou dela agir assim com ele, afinal, ela não sabia de nada. Ele também poderia dar ordens a ela e assim fazer toda situação ser o mais simples possível. Agora que ele sabia que podia comandá-la seria simples, mas a assustaria e Rael não queria que isso acontecesse. Ele sabia que essa mulher que se denominava Dama trabalhava para assassinos e geralmente essas pessoas gostam de sua liberdade.

― Estou muito feliz que você tenha vindo me ver! ― disse Rael sorrindo e sem dizer mais nada, estendeu o braços e abraçou a belíssima mulher à frente. Keylla pensou que poderia ter lutado para escapar disso, mas o desejo que queimava dentro dela por aquele jovem a frente era tão forte que a impedia de lutar, ela se sentiu indefesa dentro dos braços daquele jovem. Se Rael quisesse, ele não precisava dizer nenhuma palavra para tomar completamente aquela mulher. Ela antes queria matá-lo, mas ao que parecia tudo havia se tornado o contrário.

― Eu vou contar tudo que você quer saber hoje. Pelo menos, tudo o que eu sei sobre isso. ― garantiu Rael no ouvido dela e depois a soltou. Keylla, apesar de querer devolver o abraço não o fez, conseguiu se segurar em seu último fio de resistência.

― Então pare de me abraçar e fale, essa Dama não gosta de enrolação! ― disse ela novamente. Rael não se importou, em vez disso ele deu uma leve risada. A maneira dela era um pouco engraçada quando ela se denominava Dama sozinha.

― Ok. Pelo que sei, nós somos de outro mundo. Eu, você e uma outra cultivadora chamada Isabela, que não a vejo a um pouco de tempo. Eu sou o Herdeiro do Mundo, um poderoso ser que deveria está além dos deuses, mas que nesse momento ainda está fraco se comparado ao meu poder total. Eu ainda estou me recuperando. Você e Isabela são minhas protetoras e também minhas esposas. Bom, pelo menos vocês eram antes de renascermos aqui. ― explicou Rael.

― Essa dama seria sua protetora? Isso é alguma piada? ― perguntou a mesma chocada. É claro que ela não acreditava, mas o interessante disso é que ela não reclamou da parte de esposas, parecia que ela já havia determinado que aquilo poderia ser verdade devido os sentimentos que ela vinha tendo por Rael.

― Sim, aparentemente minhas guardiãs tem um rápido aumento de poder, tanto você quanto Isabela parecem ter a mesma idade e um grande aumento de poder. Deixe-me adivinhar, você teria entre 22 e 23 anos? ― perguntou Rael. O chute foi certeiro! Há pouco tempo,Keylla havia completado 23 anos. Não somente isso, ele também falou sobre o aumento de poder que ela nunca teve explicações.

Adivinhar idades entre cultivadores era extremamente difícil, porque cultivadores demoravam a envelhecer e aparentavam serem muitos mais novos do que geralmente eram. Para se ter mais precisão no acerto da idade, deveria ser analisado primeiro o cultivo da pessoa e somente depois a idade aparente. Além disso, sabendo que Keylla era um décimo primeiro reino, Rael deveria ter chutado uma idade bem mais elevada, porém ele não o fez porque sabia que Isabela e Keylla tinham morrido no mesmo dia e hora, então elas teriam renascido juntas. Aparentemente elas nasceram sete anos antes de Rael, talvez isso dava-se ao fato de que elas deveriam surgir primeiro para poder protegê-lo.

― Você está me dizendo que meu aumento de poder tem relação com você? Isso não pode ser verdade. Se você é um ser mais forte que um deus, então me mostre alguma habilidade. ― disse a mesma.

Rael confiava plenamente em Keylla, ela era sua guardiã e, além disso, era uma mulher querida em seu coração. Ele se sentiu muito aliviado vendo a mesma bem e falando em sua frente, um contraste com as memórias sobre ela morrendo ensanguentada na sua frente.

― Posso provar, eu tenho várias maneiras. Vou começar pela mais simples, onde eu te apresento todos os elementos que posso controlar. ― disse Rael erguendo a mão. Ele mostrou para ela cada um dos elementos, água, fogo, terra, força... ― Como o Herdeiro, eu posso controlar todos os elementos com 100% de perfeição, eu posso curar diversas doenças como também restaurar membros perdidos. Eu ainda não conheço todas as minhas capacidades, mas creio que com essas demonstrações sejam o suficiente para você acreditar em mim. ― disse Rael fechando a mão enquanto cancelava seu elemento de ampliação.

― Impossível...! ― a surpresa ainda estava estampada no rosto de Keylla, enquanto ela acabava de ver a demonstração do poder de Rael.

― Se não acredita eu tenho outras formas de provar... ― disse Rael esperando.

― Se você é o ser por trás que está relacionado ao meu aumento de poder, então me explique sobre isso. ― disse Keylla abrindo a palma da mão direita, apresentando o símbolo em forma de oito para Rael. Seu poder começou a aumentar drasticamente depois de receber aquele símbolo.

― Isso é fácil. ― disse Rael sorrindo em resposta, enquanto estendia a mão direita e manipulava o símbolo que fluiu como um holograma brilhante girando em sua mão direita. Keylla ficou espantada com o que via. Rael conseguia provar tudo. Ela até lançou seu sentidos para saber se era uma farsa, mas não era. O poder era real e estava na mão de Rael, além disso, a mesma essência de poder que fluía do símbolo de Rael fluía nela, ela estava definitivamente ligada a esse jovem e naquele momento ela teve completa certeza.Isso a fez se encher de dúvidas, se era tudo conforme ele dizia, então isso queria dizer que ela era mesmo esposa dele e uma guardiã. Keylla não estava acostumada a proteger, apenas a matar.

― Esse símbolo é usado por mim para criar barreiras, eu não pensei que ele ficaria marcado em você. Acredito que Isabela também tenha... Pensando agora, isso seria natural. Como você é minha guardiã, obviamente seria a pessoa da minha maior confiança e é natural que tenha a liberação para entrar em minhas barreiras. ― explicou Rael. Essa explicação fez Keylla se lembrar do dia que entrou no templo abandonado onde Rael havia criado a barreira, além disso, o jovem que ela levou naquele dia não conseguiu entrar, ela tinha mesmo feito o teste.

― Isso tudo é muito confuso... ― disse Keylla. Apesar dela ter acreditado, sua cabeça parecia ter dado um nó com tantas novas informações. Isso a fez se sentar na cama para digerir o descoberto. Rael ficou de pé silenciosamente em frente a ela sem dizer nada. Ele sabia que ela precisava de um pouco de tempo para processar todas aquelas informações adquiridas.

― Eu, essa tal Isabela e você somos pessoas renascidas? ― perguntou ela para confirmar.

― Sim, somos. ― disse Rael sem pensar muito.

― E quem nos matou? Quem é o nosso inimigo? Qual é a força dele? Se somos renascidos, nós éramos bem mais poderosos anteriormente? ― Assim que Keylla fez os cálculos, ela lançou rapidamente todas as suas perguntas engasgadas.

― Eu não sei a força do nosso inimigo, mas sei que agora não podemos com ele.E sim, nós éramos muito mais poderosos. ― explicou Rael.

― Então, estamos todos ferrados! Hahahahahaha...― disse Keylla e começou a rir sozinha. Rael ficou em silêncio parado ainda na frente da bela dama. Ele entendia o sentimento dela, por isso não disse nada.

― Temos aliados agora, pessoas fortes ao nosso lado. ― disse Rael e Keylla fez uma pausa voltando a olhá-lo: ― Temos duas violadoras, mulheres bastante poderosas, e Alexia, um dragão legítimo. Sem contar outros seres. ― disse Rael, sem entrar em detalhes enquanto pensava nas bestas celestiais.

― Você disse um dragão? ― a surpresa no rosto de Keylla era explicita, ela conhecia sobre a historia dos dragões.

― Eu disse, mas não é como você pensa. Apenas deixe esse assunto para outro dia.

― Certo. ― disse Keylla acalmando seus pensamentos: ― Sobre a mulher na caverna eu me lembro, ela parecia ser bem forte. Será que ela era mais forte do que o nosso poder antes do renascimento?

― Não sei... ― disse Rael.

― Ok, eu acredito em você. Mesmo que eu não conheça nosso inimigo, a ligação entre nós é inegável. Supondo que agora eu deva seguir meu caminho, como você mesmo disse, sendo sua guardiã, o que deveria ser feito?

― Você deve ficar comigo. Você é minha guardiã e também minha esposa de outra vida. Seja lá com quem você estiver envolvida, saia e junte-se a mim. A partir de agora deveremos ficar juntos. Eu queria você ao meu lado, como sempre foi e deveria continuar sendo. ― disse Rael naturalmente. Ele tomou cuidado para não soar como uma ordem, porque se ele a ordenasse, ela iria obedecer sem escolhas.

― Então é desse jeito. ― disse ela se virando de lado. Ela acreditava em Rael, seu coração já estava entregue. Ela amava tanto o jovem à sua frente que parecia praticamente hipnotizada por ele.

― Sim, é.Eu só queria que Isabela estivesse aqui também.Talvez, quando nós três estivermos juntos, algo pode acontecer. ― disse Rael pensativo.

― E suas esposas desse mundo? Todas as mulheres que você parece ter, como ficaria tudo isso? ― perguntou ela, sem se virar para Rael.

― Eu explicarei para elas sobre você. Elas não poderão te recusar, você fez parte de uma outra vida. É natural que te aceitem. ― disse Rael calmamente.

― Se eu sou sua esposa de outra vida... Não seria eu que deveria aceitá-las? ― Keylla ficou um pouco emburrada com a ousadia de Rael, ele fazia parecer que poderia ficar com todas as mulheres do mundo e ainda continuar com ela e a tal Isabela.

― Precisamos conversar e acertar tudo, mas espero que você compreenda a minha situação. Quando eu renasci, assim como você, não lembrava de nada. Na verdade, eu tenho poucas lembranças da outra vida, e tudo o que vejo é você e Isabela morrendo na minha frente. ― disse Rael, se sentando do lado da dama. Keylla ficou em silêncio escutando-o atentamente.

― Eu cresci nesse mundo e fui me envolvendo com algumas mulheres, e com outras fui envolvido. Eu não fazia ideia de que você e Isabela existiam, assim como de todo o resto. Você tem que entender esse meu lado. ― disse Rael.

― Entender tudo bem, mas não pense que qualquer uma dessas mulheres estará acima de mim. Como você mesmo citou, eu só vou tolerar essa Isabela como uma igual, se você em qualquer momento tentar me tratar abaixo de Mara, que é sua primeira esposa, eu a partirei em duas! Não pense que, por eu não poder te matar, não mataria outra mulher. ― avisou Keylla. Isso fez Rael ficar com um ar preocupado.