O Herdeiro do Mundo

134 - O Plano de Neide

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Nego

Rael não sabia se estava tomando a decisão certa em demonstrar seu poder ao imperador. Aquela tinha sido a ideia de Neide e Rayger para causar uma onda de choque e admiração no mesmo, e pela cara dele naquele momento, Rael definitivamente conseguiu. Nunca em toda a história desse mundo pequeno houve nenhum sétimo reino capaz de enfrentar e vencer um décimo primeiro.

                Elidas disfarçava a tremedeira que tinha se formado, enquanto tentava conter seu coração disparado no peito. Ele sabia que o clã Torres era poderoso, mas não sabia que poderia existir um jovem mestre tão poderoso como aquele, sem mencionar o poder daquela transformação, que apesar de ser algo monstruoso, Rael ainda controlava normalmente, exterminando cada inimigo.

― ‘Preciso desse jovem na minha família!’ ― o imperador, que não era burro, rapidamente fez os cálculos do poder que Rael teria futuramente. Isso sem esquecer o fato que não tinha se passado muito tempo do torneio, onde Rael deveria estar no quarto reino e agora estava beirando o sexto, mas durante a luta contra os elders esteve no sétimo. Isso era um tanto quanto estranho, mas o imperador julgou que Rael estava escondendo seu poder no momento e o verdadeiro poder de Rael, era de um sétimo reino, quase oitavo.

                Rael não só tinha um poder monstruoso acima do limite, ele superava reinos acima e tinha um crescimento super acelerado. O imperador sempre manteve um olho em Rael mas, se agora ele tivesse dez olhos, todos estariam sobre ele.

― Fascinante! Nunca vi tão fantástica batalha. Foi tão incrível que estou até nervoso! ― admitiu o imperador após ver as imagens.

― Imperador, te mostramos isso porque sabemos que o senhor é discreto, esperamos que o senhor não espalhe essa notícia. Nem mesmo o patriarca do nosso clã sabe sobre esse poder do meu genro, e não queremos que mais ninguém saiba. ― disse Neide calmamente. Tudo era um jogo e Neide estava preparando as cartas para Rael. Dizer que o patriarca não sabia sobre isso tornava o imperador ainda mais inquieto.

                O imperador tinha ciência que Rael era casado com Natalia, a filha do patriarca, mas ele também sabia que o casamento foi levemente forçado, e pelas informações que ele tinha, o patriarca realmente não dava muita atenção a Rael. Agora sabendo que o patriarca não sabia tudo era ainda mais fácil, afinal, estavam todos em um jogo de poder.

                Rael não sabia das intenções a mais de Rayger e Neide, mas eles já tinham concordado em surpreender o imperador, não só pelo fato dele passar a respeitar mais Rael, e sim também por uma chance de Rael entrar para a família do imperador e aumentar seus status e seu poder. O imperador tinha duas filhas que eram como pérolas em seu império, uma mais bela que a outra. As duas lutavam pelo futuro poder do império contra seus outros três irmãos. Mesmo que no torneio apenas um príncipe tenha aparecido com as duas, o imperador ainda tinha mais dois filhos. Se Rael se casasse com uma dessas filhas e tomasse o poder, aí seria muito fácil abolir a escravidão, partindo do principio que ele estaria no centro do poder.

― Haha, tem razão Neide, as pessoas não estão prontas para receber tal noticia. Isso iria abalar o mundo e trazer problemas para seu genro. ― disse o imperador com um sorriso. Ele adorou essa observação de Neide sobre guardar segredo, assim ele poderia agir sem levantar suspeitas aos outros de que seria por interesse nas capacidades de Rael.

― Voltando ao ponto, Samuel, você só precisa assinar esses documentos e estará tudo certo. Eu deixarei você como governador oficial da cidade. Eu precisaria dar algumas explicações sobre as taxas mas não darei, deixarei você livre delas por enquanto. Depois de ver essa grande batalha, já valeu mais do que o pagamento que eu precisava.

― Isso é maravilhoso, senhor imperador! Eu fico grato por isso, e gostaria de passar esse controle para Neide, minha sogra. Eu prefiro que ela leve o nome como nova governante. ― explicou Rael. O imperador cogitou por alguns instantes e sorriu confirmando.

― Muito bem. É inteligente fazer isso, observando que você ainda é muito jovem para ter seu nome como um governante. Eu estava ignorando as regras de idade porque teria que ter no mínimo vinte anos. Fico feliz por essa sua escolha. ― concordou o imperador sem levantar nenhum problema.

― Então façamos dessa forma. ― disse Rael. O imperador concordou e passou os papéis a Neide, que começou a assiná-los.

― Em alguns dias terá um evento entre os governantes e prefeitos em meu castelo, gostaria de convidar vocês a participarem. ― convidou o imperador, já fazendo seu movimento: ― Será importante vocês entrarem nesse meio, já que vão tomar conta de uma cidade.

                Apesar do imperador comandar cada cidade do império, ele dividia esse trabalho entre governantes ou prefeitos. Um governante era um nível mais acima, eles podiam tomar conta da cidade sem o reforço imperial e sem ajuda de recursos, como por exemplo a família Sangnos. Então, as taxas e cobranças eram mínimas para os governantes. O governante não era escolhido pelo povo, ele apenas deveria ter status e força, para manter a ordem e a cidade segura.

                Em relação aos prefeitos, esses tinham mais baixo poder e eram escolhidos pelo seu povo em uma votação geral. Ele recebia do império todo o apoio: guardiões, uso de recursos como barcas voadoras, equipamentos e todo o mais. Para os prefeitos as taxas eram muito mais caras, porque esses dependiam diretamente do império.

― Isso é tudo? ― perguntou Neide entregando os papéis de volta.

― Sim, isso é tudo que preciso por agora. ― disse o imperador sorrindo, enquanto guardava os documentos relacionados a cidade: ― Vocês vão querer alterar nome da cidade ou do clã local? ― perguntou ele, retirando outro documento do bracelete.

― Não precisa. ― disse Rael.

― Bom, então está tudo certo. ― o imperador apenas voltou os papéis para dentro do bracelete.

                Apesar de ter uma aparência de um homem velho, ele ainda se movia como um homem adulto de uns quarenta anos. Diziam alguns boatos que ele ainda era um homem muito cheio de energia, e que as vezes ainda treinava com seus filhos.

                As conversas que vieram em seguida foram mais desfocadas. O imperador quis saber da vida pessoal de Rael, como estava o casamento dele com as esposas e como andava o relacionamento do mesmo com o patriarca.

                Neide explicou que Romeo e Elisa não tinham interesse em Rael, era sempre ela e Rayger a correr pelos problemas dele, como agora. Essa confirmação era para deixar o imperador ciente de que Rael não estava amarrado ao clã com cordas de ouro, o único laço com Romeo seria o seu casamento com a filha do mesmo (Natalia).

― Minhas duas filhas, Anita e Alana, me dão muito trabalho. Eu estou na busca por um bom partido para elas, hahaha… ― Elidas comentou e riu de leve.

― Eu fico muito feliz da minha filha ser casada com esse homem. Meu genro sempre vive me orgulhando e nunca para de me surpreender. ― disse Neide e beijou o rosto de Rael de lado, eles estavam sentado lado a lado, em frente ao imperador.

― Com alguém assim, eu com certeza casaria as minhas filhas também! Hahaha! ― disse o imperador, aproveitando bem a brecha solta.

                Só naquele momento Rael pegou o plano de Neide e não gostou, mas ele já estava envolvido na situação. Ele ficou sem graça olhando de Neide para o imperador.

                Qual homem no mundo não tinha o sonho de se casar com alguém de sangue real? Sem esquecer que as filhas do imperador eram lindíssimas, chegavam quase ao nível de Mara. Não havia como comparar as belezas entre as mulheres com cem por cento de clareza, cada mulher tinha sua beleza no fim das contas.

― Me deixa feliz ver que o senhor gostou do meu genro, diferente de outras que não sabem valorizar o que tem. ― disse Neide se referindo aos pais de Rael. O imperador e ela estavam se entendendo ainda melhor do que Rael imaginara.

― Ora, é uma honra para mim estar na presença de vocês dois. Samuel, o futuro grande gênio da história, e Neide, a mulher mais poderosa do clã Torres. Eu ouvi no passado que você era mais forte até que seu próprio marido Rayger. Acho que eu não estaria mentindo em dizer que você é a mulher mais forte dentro do nosso continente. ― elogiou o imperador.

                Existiam poucas pessoas no décimo terceiro reino, e essas podiam ser facilmente contadas em todo o continente. Rayger, Neide e Romeo eram três dentre outras poucas pessoas.

― Eu não tenho direito a esse título, mas me sinto lisonjeada pelo elogio. ― disse Neide se lembrando de Violeta e Emilia. Ela antes acreditava sim ser a mulher mais forte, porém depois de ver a mestra de Rael, ela caiu do cavalo.

― Não seja modesta hahaha… De todo modo, foi bom ter conversado com vocês e acertado tudo. Eu tenho coisas importantes para fazer, mas em breve estarei enviando os convites para o evento. ― disse o imperador se levantando.

― Obrigada por vir no visitar. ― disse Neide, sempre sorridente. Rael sorria as vezes, mas agora que a ficha tinha caído, ele estava um pouco desanimado.

_____________________________________________________________________________
O imperador foi embora após devolver o anel e Rael puxou Neide pelo braço de volta para dentro:

― Neide, o que você acha que está tentando fazer? Agora você quer me casar com as filhas dele?

― Genro, você não quer acabar com a escravidão? Para isso você precisa estar no centro do poder. ― disse Neide.

― No centro do poder? E onde é que o imperador tá no centro? Pelo que eu saiba, o poder está em torno dos cinco clãs mais poderosos. ― disse Rael.

― Sim, mas ainda quem decide as leis é o império. Nós, os clãs, só estamos aqui acompanhando as passagens porque é o que podemos fazer. Se um clã se levantar e tentar tomar o império, os outros intervirão. O imperador também evita casamento de seus filhos com os filhos de patriarcas importantes já pra não ter confusão.

― Eu não entendo…

― Você é casado com Natalia, que é associada a Romeo, mas você não é filho direto dele. Você também é provavelmente o futuro cultivador mais incrível que já existiu nesse mundo, e o imperador pôde ver isso hoje. Nosso plano é que você continue crescendo e se case com uma filha do imperador, mas com a certeza de que vocês como casal tomarão o poder do império. Dessa forma, você estará no centro e terá domínio sobre as leis. Então, quando você estiver preparado, basta dar a ordem e acabar com a escravidão. ― explicou Neide e tudo pareceu bem simples. Rael ficou pensando e viu que ela tinha mesmo razão.

― Os outros clãs não vão reclamar? Isso não vai gerar confusão? ― perguntou Rael.

― É improvável, pode até acontecer algumas coisas, mas não vai ser nada grande. Você não é o filho do patriarca para todos os efeitos. De qualquer modo, você é apenas um homem casado com a filha do próprio.

― Sim, mas eu posso herdar o poder do clã e isso iria fundir o clã Torres com o império, motivo que poderia acarretar em problemas. ― explicou Rael.

― São apenas possibilidades. De todo modo, essa é sua chance. ― disse Neide.

― Neide, será que você não conhece sua própria filha? Sabe bem o que ela acharia de toda essa história. ― perguntou Rael.

― Eu vou falar com minha filha, você não tem que se preocupar, isso é pelos seus objetivos. Minha filha, meu marido e eu vamos te ajudar o máximo que pudermos pra você conseguir realizar tudo. Nós queremos o melhor pra você. ― disse Neide sorrindo.

― Por quê? Por que fazem tudo isso? ― perguntou Rael um pouco desnorteado.

― Eu sinto culpa por ter visto o que fizeram com você no passado e não ter feito nada, depois você ainda perdoou a minha filha e salvou a vida dela, que nós mesmos estávamos destruindo sem saber. Genro, você foi a luz dessa família e eu sempre farei qualquer coisa para ajudar você. Não só eu, quanto meu marido e minha filha também. Você só precisa falar com Natalia, o resto nós resolveremos.

― Esse casamento, eu terei que honra?

― Como assim?

― Tipo me deitar com essa mulher, viver com ela, essas coisas.

― Se tudo sair como o esperado, o imperador te dará um aposento no castelo. Mas você será livre para ficar o tempo que quiser, tanto lá quanto aqui. Sobre as outras coisas, você terá sim que se deitar com ela, ela será sua esposa também. ― explicou Neide.

― Isso é maravilhoso… ― disse Rael só que bem desanimado.

― Genro, casamentos assim por poder ocorrem direto em varias partes do mundo, você não deveria ficar chocado com isso. ― observou Neide.

― É que eu já tenho uma lista gigante de mulheres, e ela não para de aumentar. Penso eu que há alguma existência maior conspirando contra mim. ― disse Rael.

― Isso foi uma ideia minha e de meu marido, você pode recusar se quiser.

― Não! Eu não vou recusar. A ideia foi até boa, então vou me casar com as filhas dele. ― disse Rael tomando aquela decisão mesmo contra a vontade.

― Você não precisa se casar com as duas, basta se casar com uma e essa herdará o poder futuramente.

― Como tem tanta certeza sobre isso?

― O imperador viu o que você pode fazer, ele não será bobo de escolher outro caminho. Você, como novo imperador no futuro, trará glórias a esse império nunca visto antes.

Tum Tum Tum!

Alguém bateu na porta, interrompendo a conversa. Neide e Rael estavam conversando ao lado da porta.

― Samuel, você está aí? Sou eu, Rayger. ― disse o homem lá fora.

                Neide abriu a porta encontrando o marido acompanhado de um outro homem, que ao ver Rael ficou aliviado.

― Encontrei esse homem procurando por você, Samuel. Ele disse que tinha algo importante a tratar. ― disse Rayger e Rael olhou o homem por um tempo. Rael não o reconheceu de imediato mas depois a ficha caiu. Ele se lembrou que esse homem era o pai de Janete, mas o nome ele não lembrava.

― Senhor…

―Malcon Alencar. ― disse ele.

― Sim, é claro. Por favor, ponha isso e entre. ― convidou Rael, estendendo a mão com um anel. Malcon ficou um tempo sem jeito, depois ele aceitou o anel mesmo sem saber o motivo, colocou no dedo e entrou sem problemas.

                Rayger fez um sinal para Neide e a mesma entendeu saindo em seguida.

― Samuel deixaremos esse homem com você. Temos algo a tratar, depois nos falamos. ― disse Rayger e foi se afastando com a esposa.

― Obrigado por trazê-lo. ― disse Rael sem muita surpresa e fechou a porta em seguida.

― Samuel, eu realmente não teria vindo atrás de você se não fosse muito importante. Eu já peço seu perdão de antemão. ― disse o homem se ajoelhando diante de Rael.

― Senhor Alencar, levante-se. Não precisa me tratar assim. ― disse Rael se apressando e ajudando o homem a se recompor.

― É que você disse para não procurá-lo porque poderíamos trazer problemas a você e a nossa família. ― disse ele se lembrando que a filha havia dito.

― Está tudo bem, as coisas já estão mais ajeitadas por aqui. Bom, onde está o resto de seus filhos? Onde está Janete? ― perguntou Rael curioso. Malcon já estava de pé novamente e ele respirou fundo antes de começar a contar. Rael percebeu que ele estava bem abatido e ficou um pouco preocupado.

_____________________________________________________________________________
Capitulo liberado por doação. Agradeçam a: Vinicius Ferreira Xavier
PS: faltam 10,00 para liberar um novo capitulo.