O Herdeiro do Mundo

106 - Uma Pequena Reunião

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Nego

Os dois só foram parar uma hora e meia depois de várias rodadas. Natalia agora estava com o corpo coberto e Rael estava deitado nu ao lado dela sem se importar.

― Você gostou? ― perguntou ela olhando Rael de lado.

― Foi o máximo ― admitiu ele. ― E pra você, foi bom?

― Muito. ― disse ela sorrindo. Ela não estava inventando aquilo.

― Temos três dias ainda para praticar isso melhor. Vou comer alguma coisa, me deu uma fome. ― disse Rael se levantando e Natalia ficou olhando aquele lindo físico dele e aquela coisa agora sem a mesma potencia de antes. Ela já não tinha mais medo como teve antes.

                Rael vestiu a cueca e a calça com a garota olhando. Depois ele saiu do quarto. Natalia pulou nua da cama vestiu a calcinha, um sutiã, uma calça folgada e uma camiseta. Só então ela desceu atrás de Rael.

                Na cozinha os dois não encontraram nada. E ambos estavam famintos. Mara tinha mandado até a empregada da casa ficar na casa da mãe naquele dia.

                Os dois se olharam preocupados. Natalia só sabia fazer macarrão, embora ela soubesse fazer outras coisas ela não tinha muita experiência, principalmente com mistura.

― Eu faço a comida, mas em relação a mistura não sei fazer nada além de ovos. ― disse ela sem jeito.

― Então eu faço a mistura, pelo menos sou bom em assar carnes. ― propôs Rael.

                Depois dos dois lavarem as mãos eles iniciaram as preparações do jantar. Enquanto cozinhavam eles riam e conversavam sobre várias coisas. Agora eles tinham muito mais intimidade, parecia que depois do sexo eles tinham se aproximado muito mais.

                Rael contava a ela sobre a mestra e sobre as loucuras que ocorreu em sua vida, ele contou também sobre a verdade de Rose e Rika. Natalia ficou espantada. Ela nunca pensou que bestas pudessem virar humanas. E teve que admitir que as duas eram realmente lindas.

― As duas são tão lindas que parecem mulheres de outro mundo. Os cabelos delas me lembram um pedaço do mar. ― disse Natalia.

― É, são sim.

― Elas são normais como mulheres comuns? Não tem nada de diferente? ― perguntou Natalia curiosa.

― Acho que não. Eu tive problemas com Rose e não pude conferir, mas no começo elas não falavam com a boca, apenas com o pensamento.

― Que legal! Deve ser incrível. ― disse Natalia.

― É, tem seu lado bom e bonito mas também tem seu lado complicado.

― O que é complicado?

― A mãe dela só quer filhos, já ameaçou até me sequestrar ― disse Rael se lembrando do que mais deixava ele com medo.

― E por que você não as ajuda?

― Você acha que vou fazer como os meus pais? Botar filho no mundo e abandonar?

― Mas se elas querem tanto é porque com certeza vão cuidar bem. ― disse Natalia com seu jeito inocente. Rael preferiu não debater aquele assunto com ela.

                Ele mudou o tópico continuou contando sua aventura. Falou da ilha, de Isabela e de todas as coisas que tinham rolado entre eles até mesmo sobre a verdade. Rael começou a contar tudo enquanto eles preparavam a janta. Natalia ouvia tudo admirada, as histórias de Rael deixavam ela empolgada.

― É por esse motivo que eu não posso garantir que não me casarei de novo. Isabela está entrelaçada na minha vida, assim como essa outra mulher que pode surgir, e sem mencionar minha mestra e Emilia. ― explicou Rael.

                Natalia não ficou com ciúmes, ela se sentiu foi satisfeita de Rael confiar totalmente nela. E Rael não parou por ai: mesmo a deixando um pouco assustada, ele explicou sobre o outro mundo e as experiências que teve, falou até da Thais e da merda que fez antes.

― Eu não acho certo o que você fez, mas não foi culpa sua, não tinha como você adivinhar que ela estava tentando salvar a irmã. ― explicou Natalia. Ela não concordava que Rael matasse pessoas assim, mas ela entendia o porquê de ele ter tanta raiva.

                Naquelas poucas horas de conversa ela soube de coisas que jamais pensou que existiria. Renascimento, outros mundos, devoradores, Violadoras, guardiãs, Humanas Celestiais, o Herdeiro do Mundo. A cabeça da garota ficou quase rodando de tantas novidades. Agora estava explicado porque Rael era tão incrível. Tal pessoa não tinha mesmo como ser alguém normal. Ele estava destinado a ser muito maior.

                Até passou pela cabeça dela os pais descobrirem e implorarem perdão a ele de joelhos pelo que fizeram. Mas ela esperava que quando fosse a hora, houvesse uma outra forma de Rael se resolver com eles. Ela não quis entrar no assunto porque sentiu que isso iria trair o bom clima que estava rolando entre os dois.

                Os dois se serviram, a comida não estava perfeita porque Natalia não era tão boa cozinheira como Mara, a única coisa que ela fazia bem era o macarrão. Mesmo assim deu pra engolir tudo para quem estava com fome. Sem mencionar a carne assada de Rael que tinha ficado ótima e salvou as partes mal temperadas da comida de Natalia.

                De volta no quarto os dois nem falaram nada um com outro, já foram entrando e tirando as roupas. Com a fome resolvida, os dois tinham voltado com energia restaurada.

                Os dois fizeram por mais duas horas inteiras e consecutivas. Fizeram até ficarem completamente satisfeitos. Quando terminaram a cama estava tão melada de líquidos e de suor que tiveram que trocar o lençol antes de dormirem abraçados e ainda nus. Natalia perdeu completamente a vergonha e o medo total naquela noite.

                Até os sonhos dela sobre os braços de Rael foram tranquilos.

_____________________________________________________________________________

                Na biblioteca, Rael acordou na cama e quando se virou deu de cara com Emilia. Ela estava deitada lendo uma lista de livros. Mesmo que Rael tivesse dormido nu, quando ele acordava na biblioteca sempre estava usando os trajes de costume.

― Então agora você já faz parte desse lugar? ― perguntou Rael olhando ela de lado.

― É claro que faço. Você também não vai aproveitar o que aprendeu de mim? Faça um bom uso. A propósito eu fiquei sabendo da sua vingança. Você quer que eu destrua esse clã pra você? Posso destruir o seu clã e o tal Sarbaros se você quiser. ― disse ela olhando séria para Rael.

― Violeta não disse nada a você sobre essa vingança ser minha? ― perguntou Rael.

― Ela também não te disse que se você morrer, ela e eu voltaremos pra estaca zero? ― perguntou ela de volta.

― Não precisa se preocupar, eu não vou me deixar morrer. ― disse Rael se levantando.

― Eu sou a favor de Rika, tive uma conversa com ela hoje.

― Sobre o que você está falando? ― perguntou Rael já começando a ficar preocupado.

― Ora, você não sabe? Por acaso eu sou a maior criadora de barreiras que esse mundo tem e Rika explicou o lado dela. Eu fiquei comovida com a história que ela me contou, ela parece estar sofrendo horrores e você não quer ajudar. ― disse Emilia.

― Emilia, você não ousaria. ― disse Rael com medo, porque ele não conhecia Emilia. Embora pudesse confiar a vida nela, aquela ameaça não era para tirar a vida dele.

― Então o que eu ganharei em troca para não trabalhar com ela? ― perguntou Emilia lançando um olhar atraente para Rael.

― Ganhar em troca por não me trair? Isso só pode ser uma piada. Nem parece que eu libertei você! ― reclamou Rael um pouco irritado.

― Você é muito sem graça. ― reclamou ela e voltou a olhar o livro. ― Vá! Me deixe em paz, minha leitura é muito mais interessante do que conversar com alguém que não sabe negociar. De qualquer modo, você não pode me dar o que eu quero agora. ― disse ela friamente.

                Rael ignorou Emilia e saiu. Ele encontrou Violeta na parte das mesas de novo.

― Chegou bem tarde hoje. Estava se divertindo com a irmã? ― provocou Violeta.

― No fim deu certo, ficamos juntos. ― disse Rael com um sorriso.

― E como foi a noite com ela? ― Violeta ficou curiosa com os detalhes. Afinal eles tinham sido criados juntos. Eles tinham o amor de criação e agora uma paixão ardente.

― Melhor do que eu pude pensar. Ela não sofreu nem um pouco. ― disse Rael mesmo ainda tendo um pouco de vergonha de falar assim com Violeta.

― O que ela tinha de sofrer sobre perder a virgindade ela já sofreu antes. Eu já esperava que não ia haver sofrimento com ela, mas pensei que ela daria mais trabalho a você.

― Quando a lua de mel acabar eu pretendo fazer uma visita a irmã de Thais no território Sangnos, eu queria que você fosse comigo ― disse Rael.

― Por que eu? ― perguntou Violeta.

― Eu só tenho um motivo pra ir até lá e não quero estender essa coisa. Eu sinto que se eu for sozinho vou atrair problemas. ― explicou Rael.

― Peça para Emilia, eu não tenho interesse em ir, não vejo necessidade. ― disse Violeta.

― Você não sabe? A Emilia e Rika estão tramando contra mim. Elas ameaçaram me seqüestrar, Violeta, e você é a única que pode impedir isso. ― explicou Rael.

― Oh sério? Elas por acaso disseram quando iam fazer isso? ― perguntou Violeta largando o livro e dando toda a atenção a Rael. Rael se lembrou que Violeta tinha aquele jeito de rir da desgraça dos outros.

― Violeta, você não ousaria deixar isso acontecer, não é? ― perguntou Rael todo sério.

― É claro que não, Rael! Como você pode pensar isso de mim? Eu jamais deixaria aquelas mulheres taradas sequestrarem e abusarem de você dessa maneira. ― disse Violeta, se fazendo de vítima. Rael sentiu que ela estava disfarçando.

― Violeta, é sério, eu não quero filhos. Se elas tentarem me sequestrar e você não fazer nada eu nunca irei te perdoar. ― disse Rael seriamente.

― Não se preocupe, se eu ver qualquer coisa acontecendo entro em cena na mesma hora. ― garantiu Violeta. Mas aquilo pareceu tão superficial que Rael rapidamente captou.

― É, fique achando que tudo é uma piada e deixe acontecer. Eu realmente não irei perdoá-la! ― Rael bufou irritado e saiu se virando. Com mulheres como aquelas, ele nem precisaria de inimigos.

_____________________________________________________________________________

                No outro dia de manhã cedo. Rael acordou nos braços da deliciosa Natalia. Eles tinham dormido nus.

                Rael ficou olhando a linda garota em sua frente, agora dormia com uma expressão bastante confortável. Ela parecia mesmo um anjo dormindo. Rael não aguentou ficar olhando e mesmo sabendo que acordaria ela, ele avançou e beijou o pescoço dela e cheirou aquela deliciosa pele e os cabelos da garota.

― Rael? ― perguntou ela e já foi beijada nos lábios.

― Bom dia. ― disse ele com um sorriso após beijá-la.

― Bom dia. ― respondia ela de volta sorrindo também. Rael deu outro beijo mas demorado nela e em seguida se levantou.

― Vou tomar um banho, temos ainda esse dia inteiro e amanhã, mas pretendo adiantar algumas coisas, por isso vou receber duas visitas hoje se tudo sair como eu espero. ― explicou ele se vestindo.

                Natalia foi a segunda a se levantar. Eles desceram. Rael foi para o banheiro e Natalia foi para a cozinha preparar o chá.

_____________________________________________________________________________

                Depois do café Rael chamou Neide, Mara e Rayger pelo anel. Os três mais que depressa se dispuseram em vim. Para Natalia e Rael ainda estaria de manhã, mas na verdade já eram mais de duas horas da tarde.

                Rael pediu que a irmã fosse cultivar por um tempo até ele terminar o assunto com os três e ela obedeceu sem reclamar, subindo para o segundo andar. Mas antes de cultivar é claro que ela tomou um bom banho.

                Cinco minutos depois, os três estavam esperando na porta até Rael atender. Rayger não pôde entrar porque não tinha a marca e Rael marcou ele no ombro como foi pedido.

                Rael podia notar os olhos vermelhos de Rayger e Neide, os dois não tinham tido uma noite muito boa. O conteúdo da carta chocou a ambos porque mencionava a querida filha deles e como ela estava ficando adoecida. Rayger tinha passado a noite inteira andando de um lado a outro junto com Neide, implorando pela hora que Rael os chamassem.

― Por favor, sentem-se os três. ― Rael foi cordial apresentando os sofás. Ninguém estava com pique para se sentar, mas o tom de Rael mostrava que ele queria conversar antes.

                Rael esperou todos se sentarem. Mara tinha dormido bem naquela noite porque com ela nada foi conversado, mas ela notou os olhares aflitos dos pais. Ela era a filha de ouro deles.

― Pela cara de vocês eu já imagino que nem preciso provar nada da desgraça que vocês andaram fazendo não? ― perguntou Rael olhando Rayger.

― Samuel sobre isso, se você pode mesmo curar nossa filha pedimos que faça isso imediatamente, na carta está escrito que a cada processo ela vai ficando pior. Eu não posso permitir que ela se torne uma aleijada. ― disse Rayger. Só agora Mara estava olhando para o pai de orelha em pé.

― Eu quero a palavra de vocês dois agora que no futuro irão me apoiar não importa o que eu venha pedir. Se me prometerem isso, eu curo minha esposa imediatamente e já ajudo ela a subir de nível muito mais rápido do que o que vocês estavam fazendo. Até minha segunda esposa já está no sexto reino. ― disse Rael chocando os dois: ― E eu não estou fazendo nada que comprometa o corpo dela futuramente. Estou usando um método de cultivação que transcendem qualquer outro, o mesmo método eu usarei em Mara. Nenhuma esposa minha no futuro será fraca. E ninguém que ficar ao meu lado cairá no futuro. Então escolham agora e tomem a decisão de vocês. No futuro que virá eu vou cobrar esse favor. ― exigiu Rael.

― Genro você nem precisa pedir isso. Eu não sei porque você faz tanto segredo conosco, mas desde que não seja nada sobre trair nosso próprio clã nós o apoiaremos. ― disse Neide. Aquilo já desapontou Rael e ele acabou deixando transparecer um pouco.

― Existem coisas nesse mundo que eu jamais perdoarei em minha vida. Você têm que fazer uma promessa melhor que essa, Neide. ― indagou Rael. Ele era o único que não havia se sentado. Quando ele disse aquelas palavras todos entenderam que era algo sobre o clã. Mas o que exatamente? O que Rael pretendia?

― Se você não nos disser nada de antemão fica difícil concordar com seus termos, mesmo que seja pelo bem da minha filha. ― disse Rayger.

― Marido, o que está acontecendo? ― perguntou Mara preocupada.

― Vou adiantar, só direi uma parte. Eu quero tirar a vida de sete pessoas dentro desse clã e duas delas são a do patriarca e a da esposa dele. Vocês vão me ajudar no futuro? ― perguntou Rael.

                Todos abriram as bocas simultaneamente.

 


Não esqueça de curtir Herdeiro do Mundo!