O Herdeiro do Mundo

095 - Noite Perigosa

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Nego

Eram dezenas de Devoradores se levantando e outros já correndo atrás de Rael. Alguns no quinto reino, outros no sexto, no sétimo, no oitavo e outra boa parte Rael nem conseguia sentir.

― Brisa Leve! ― Disse Rael, ativando sua habilidade de velocidade de movimento. A velocidade em que ele corria se tornou um borrão cruzando o corredor. Atrás, vários outros borrões de olhos vermelhos o seguiram já arreganhando seus dentes.

Rael virou a direita dele, entrando na rocha falsa e sentiu que seria pego porque os Devoradores estavam bem na sua cola.

― Espaço Ilusório! ― ativou Rael, enquanto estava atravessando a rocha correndo. Vários vultos vermelhos se lançaram sobre ele o atravessando e foram parar o lado de fora porque já estava perto da saída.

― Aaaaaaaaah!

― Aaaaaaaaah!

― Aaaaaaaaah!

― Aaaaaaaaah!

Rael saiu de dentro da rocha falsa e viu os quatro que tinham saltado caídos no chão se debatendo com as mãos na cabeça, embora não tivesse acontecendo nada, eles simplesmente pareciam não suportar a luz do sol. Atrás de Rael na rocha falsa ficaram amontoados um monte deles sem poder passar devido a luz do sol.

Rael percebeu que essa realidade se misturava com a outra de forma igual quando ativava o Espaço Ilusório, ele podia ver tanto essa realidade como a outra, por isso os corpos dos quatro pareciam meio transparentes, assim como o amontoado de corpos lá próximo.

Quando Rael já ia desativar a habilidade por está já a um tempo com ela, ele viu Violeta descendo dos céus, ela estava sobre aquele estado meio transparente e usava as mesmas roupas que viu ela da ultima vez. Rael estava vendo ela por causa de sua habilidade, mas ela estava no mundo normal.

Violeta pousou ao lado de Rael sem notar nada de estranho e caminhou entrando na rocha falsa. Por um instante Rael quase a tocou, ele chegou a estender a mão mas não teve tempo ela atravessou antes. Rael chegou a avançar para frente tentando seguir Violeta e as mãos atravessaram de novo tentando agarrá-la. Rael recuou dando um passo para trás e sentiu o coração começar a tremer no peito. Então ele desativou a habilidade antes que algo pior ocorresse.

― Ele é meu! Eu o vi primeiro!

― Venha aqui seu maldito! Você ousa invadir nossa caverna.

― Não empurra, droga! ― os Devoradores não paravam de falar entre si, embora Rael não tivesse dando atenção. Quando Rael foi perceber Ralf já estava engolindo a cabeça de um dos devoradores que estavam agora desmaiados no chão, depois já começou a morder os ombros. Rael ficou tão espantado com a cena que ia reclamar mas na hora não saiu uma palavra.

Se eles tinham o tal vírus no corpo, não iriam passar pra Ralf?

― Ralf não coma isso! Saia de perto deles! ― Rael gritou avançando e tentando empurrá-lo. Ralf saiu de perto do corpo com uma certa tristeza, afinal estava tão gostoso…

― Ponha pra fora! Cuspa isso! ― disse Rael levando as mãos ao pescoço de Ralf e batendo levemente nele. Ralf ficou irritado com a falta de educação de Rael, fechou os olhos e se virou com o rosto para o outro lado, afinal comida boa não deveria ser desperdiçada, ainda mais uma comida já engolida.

― Isso tem um vírus que pode afetar você! Isso é para o seu bem! ― insistiu Rael dando a volta e Ralf virou o rosto para o lado oposto, irritando Rael ainda mais. Rael parou ao sentir a energia de Ralf crescer um pouco e já ficou preocupado que talvez o amigo tivesse sendo transformado, mas isso não estava acontecendo. O corpo e os olhos de Ralf continuavam normal. O aumento de energia de Ralf ocorreu em cerca de dois por cento, mas já era muito para uma besta que não evoluía tão rápido.

― O que aconteceu agora? ― perguntou Rael se aproximando de Ralf e tocando no peito dele. Rael analisou se Ralf estaria tendo problemas por ter devorado aquela cabeça, mas aparentemente não estava, sua energia por dentro parecia era está explodindo.

― Interessante… Parece que quando você come essas coisas elas não te afetam e ainda por cima sua energia aumenta. Bom, então coma! ― disse Rael se afastando de lado. Ralf até levantou as orelhas e voltou a olhar Rael porque por um momento ele não acreditou que Rael estava mesmo liberando aqueles ali para serem comidos, isso porque a pouco tempo ele estava mandando cuspir.

― Eu disse que você pode comer. ― repetiu Rael e olhou para a rocha falsa. Os Devoradores estavam todos lá chamando Rael, ou falando entre si.

Ralf foi comendo animado os corpos e cuspindo as roupas. Rael ficou observando a energia de Ralf aumentando aos trancos e barrancos enquanto ele ia mandando goela a dentro.

Cinco minutos depois não restava mais nada dos quatro, Ralf estava muito satisfeito e lambia até a própria boca. Aquela foi uma refeição magnífica.

― Seu poder aumentou bastante, se continuar comendo essas coisas você logo poderá atingir o rank B+. ― observou Rael. Ralf agora estava de excelente humor e balançava o rabo mais animado.

― Bom, já acabamos aqui então vamos embora. ― disse Rael sem poder fazer mais nada. Ralf se virou satisfeito e Rael já pulou em cima dele, Ralf começou a correr se afastando alguns metros da montanha e antes de saltar ele parou de repente. Os músculos de Ralf começaram a se contrair, pelo corpo dele começou a correr uma onda de energia muito forte.

― Ralf? ― perguntou Rael descendo e tocando ele no pescoço. A energia de Ralf estava explodindo por dentro, ele estava passando de nível.

― Você está avançando?! Isso não é uma boa hora. ― disse Rael. Ralf teve que se deitar porque ficou tonto. Quando uma besta aumentava de nível era semelhante a uma pessoa, só que o processo era muito mais demorado. Geralmente quando estão perto de evoluir as bestas costumam correr e se esconderem em locais seguros.

― Ralf rápido! Volta para mim! ― Rael ordenou mas antes disso Ralf desmaiou no sono.

― Essa não! Esse não é um bom lugar pra dormir. ― disse Rael olhando a falsa rocha a cem metros, os devoradores estavam todos esperando a noite cair para poderem sair.

Rael teve que esperar. Ralf continuava dormindo mesmo que Rael tentasse forçá-lo a acordar. A tarde foi passando, alguns devoradores ainda estavam na entrada. Rael não podia esperar até o anoitecer e estava cada vez mais ansioso.

― Ralf, acorda! ― Rael insistia vez ou outra balando a cabeça de Ralf. Uma besta podia passar um dia inteiro para subir de nível, aquilo era normal, mas Rael não tinha como ficar esperando seu amigo terminar a evolução, era impossível.

O sol começou a se por na beirada das montanhas quando Ralf abriu um pouco os olhos ainda tonto. Rael na mesma hora pulou sobre ele.

― Ralf, rápido! Só volte para mim! Você pode continuar dormindo depois! ― disse Rael com pressa, antes que Ralf apagasse outra vez. Ralf mesmo com sono conseguiu obedecer a ordem de Rael e retornou.

Rael não esperou mais nenhum segundo, ele se concentrou se cobrindo com energia transparente enquanto manipulava o vento e partiu voando para o céu. Ele não sabia quantas daquelas coisas poderiam voar e não estava disposto a descobrir.

Rael saiu voando o mais rápido que podia se afastando da região. Ele tinha planos de voltar para a cidade, ficar com Rita naquela noite e pensar melhor o que fazer no dia seguinte.

O sol finalmente caiu e os Devoradores estariam agora abandonando seus esconderijos. Rael desceu porque sentiu as energias disparando em varias direções, e para ocultar completamente sua aura ele não poderia estar voando.

Conforme pousou, Rael se concentrou ocultando toda a sua presença e correu para as sombras de alguns arbustos ao lado de uma árvore. Ali ele se agachou e ficou escondido.

Enquanto estava escondido, Rael viu os vultos vermelhos cruzando os céus em várias direções, deixando uma fumaça escura no ar. Havia vários entre eles que podiam voar. Rael continuou imóvel entre as folhagens enquanto alguns vultos também avançavam a pé, passando correndo pelo local.

Até que um homem branco alto, parou ali perto de Rael do lado dos arbustos e ficou cheirando o ar enquanto girava os olhos vermelhos em volta. Rael continuou se ocultando e mal ousava respirar. O sujeito a sua frente estava no sétimo reino.

O homem não desistiu tão facilmente, ele ainda andou em volta da árvore e um pouco para os lados, Rael não estava soltando nenhuma gota de sua essência, mas ainda assim o sujeito parecia ter sentido algo. Até que ele pareceu desistir e sumiu avançando como um vulto para a direção da cidade.

Rael não ousou sair tão rápido mesmo quando tudo pareceu ter ficado calmo. Ele ainda esperou uns cinco minutos e quando ia sair notou uma estranha iluminação no céu. Havia muitas luzes brancas.

― É uma Barca Voadora! ― pensou Rael no mesmo instante e saiu lentamente do arbusto em que estava escondido.

― Então você estava ai! ― rugiu uma voz ao lado de Rael, quando ele se virou um homem moreno de pele escura já estava saltando contra ele e abrindo a boca, o bote dele seria direto na garganta de Rael. Rael levantou o braço direito no ar e deixou o pulso na frente, ele não poderia ativar o Espaço Ilusório ainda devido o longo uso da tarde.

Creeeek!

O homem travou os dentes no pulso de Rael e segurou o braço direito com as duas mãos. Rael girou o corpo para não cair devido o peso e gritou aplicando um tapa na testa dele.

― Impacto Invisível! ― o devorador continuou na fúria tentando morder o braço de Rael sem conseguir machucar a pele. Quanto ele pensou em mudar para o outro ponto, sua testa explodiu e miolos voaram para todos os lados. No mesmo instante, ele soltou Rael e caiu de lado no chão, sua testa ainda continuou soltando sangue e pedaços estranhos que escorreram formando uma poça na frente da testa destruída.

― Que nojo. ― disse Rael consigo mesmo dando um espaço de lado e já arregalou os olhos quando o homem se levantou enquanto sua testa estava sendo fechada sozinha. A regeneração dele era tão rápida que se tornava assustadora. Rael acabou dando um passo para trás.

O homem se levantou mais não estava ainda lúcido. Ele olhava o nada e seus olhos estavam desfocados. Aquilo durou poucos segundos. Ele logo voltou a ver e olhou para Rael abrindo um sorriso. Sua testa recuperada tinha acabado de se formar uma linha de veias de cristais fechando o ferimento.

― Você não é muito forte mas tem algumas habilidades interessantes ― disse ele e sacou do bracelete uma espada de prata de porte médio comum.

Rael ficou pensando na sua péssima situação do momento. Ele poderia tentar voar mas ainda não sabia o que tinha na Barca Voadora acima. O Devorador era um sexto reino nível oito e não era um problema. A única coisa chata era a sua regeneração acelerada. E outra era o fato que Rael não poderia se deixar ser mordido nem uma única vez.

― Você é apenas um aperitivo para mim! Mas me alegre se for possível! ― gritou o devorador e partiu contra Rael.

Boooom!

Boooom!

Boooom!

Rael defendeu os primeiros ataques da espada em seu braço direito e ativou seu elemento terra criando uma proteção extra no braço esquerdo para o caso de precisar usar ele também.

― Espada de Terra! ― disse Rael e além das proteções Rael criou a espada de Terra.

Boooom!

Boooom!

Boooom!

Eles continuaram trocando golpes e Rael não estava tendo nenhuma dificuldade por poder agir com os dois braços. Quando o Devorador deu uma deslizada para frente tentando cortar Rael de lado, Rael girou se agachando e deslizou sua lâmina do braço esquerdo correndo pela garganta dele. O homem teve a cabeça cortada na hora.

Plofet!

A cabeça caiu no chão como se fosse um tomate podre espalhando sangue. O corpo continuou de pé parado e a cabeça foi puxada por uma linha invisível voltando ao lugar. Aquela regeneração acelerada começou a ocorrer de novo.

Rael não ficou parado olhando. Ele concentrou as energias do vento no corpo e começou a flutuar. Ainda no ar ele notou uma devoradora do sétimo reino se aproximando. Ela já veio correndo e saltando tentando morder e agarrar Rael no ar, como ele ainda estava começando a flutuar sua altura não estava alta, o que facilitou o salto dela.

Rael teve que criar um clone que surgiu em frente a ele. Mas isso o desconcentrou e ele acabou caindo no chão. O clone foi agarrado no ar pela mulher e teve seu ombro esquerdo destroçado em uma violenta mordida no qual voou sangue para todos os lados. Agora o clone de Rael sangrava normalmente.

A mulher nem pensou que estaria com um clone e continuou o mordendo o segurando contra o chão. O clone não estava mais em capacidade de receber comandos, por isso ficou servindo de vítima. Rael estava se preparando para voar de novo quando o outro devorador chegou o surpreendendo pelas costas e o golpeou. Rael recebeu um corte nas costas em vertical de baixo para cima e gritou.

― Aaaaaah!

― Agora fique quietinho e me deixe comer você. ― disse o devorador e já avançou com os dentes por trás do pescoço de Rael, que tinha se agachado devido o ultimo ataque.

― Peso da Lança! ― rugiu uma voz feminina atrás do devorador.

Boooom!

O devorador recebeu um forte ataque de uma lança dourada brilhante. Suas costelas foram pegas de lado e conforme o giro da lança, ele foi arremessado a vários metros de distância, acertando uma árvore e a derrubando enquanto caia do outro lado.

― Você está bem? Foi mordido? ― perguntou a voz de uma mulher que Rael já ouviu antes em algum lugar. Ela apontava uma lança para Rael enquanto esperava ele responder.

Ela estava trajando uma armadura pesada escurecida com listas brancas por todo o corpo. Era uma armadura mágica de algum tipo de besta que Rael não reconhecia. Daquele mesmo tipo de armadura que ele ganhou no evento e deu pra Rose. Na cabeça, um elmo escuro fechado com bico de águia.

― Não, ele me cortou com uma lâmina nas costas. ― disse Rael e se levantou com dificuldade porque o corte foi um pouco profundo.

― Consegue subir? ― perguntou ela e olhou de lado, seguindo a visão dela Rael encontrou uma escada de cordas.

― Consigo subir sim, só me dê alguns segundos. ― disse Rael e se concentrou na energia vida que cobriu todo o seu corpo com uma aura verde deixando a mulher surpresa. O ferimento nas costas sarou em segundos.

― Cadê minha comida! Cadê? ― perguntou a devoradora depois do clone de Rael sumir de repente nas mãos enquanto ela comia.

A mulher que estava com Rael era um oitavo reino, então ele sabia que ela aguentaria um tempo.

― Suba rápido! ― disse ela com a lança preparada.

A devoradora saltou contra ela com braços abertos e boca arreganhada. Em um rápido giro ela esquivou e lançou um ataque contra o peito da devoradora

― Peso da Lança! ― a mulher gritou novamente. Sua lança se cobriu em um intenso brilho e cortou o ar atingindo a devoradora.

Boooom!

Ela foi arremessada a vários metros de altura e caiu lá na frente batendo o corpo contra uma rocha, provavelmente quebrando vários ossos.

― Eu não vou precisar da escada não se preocupe. Só preciso de tempo para me concentrar ― disse Rael e já começou a flutuar no ar enquanto concentrava seu elemento vento. A mulher da armadura ficou ainda mais surpresa por dentro do elmo.

― Use a escada você mesma, eu vou ganhar tempo pra você fugir ― disse Rael.

― Vocês não vão fugir tão facilmente! ― gritou o devorador do sexto reino voltando correndo. Quando a mulher já ia pega a escada um vulto desceu do corpo de Rael e o braço direito já estava tomado por raios.

Booooom!

O devorador que já ia mergulhar na mulher, recebeu um ataque no peito antes de sair do chão e foi levado pelo braço direito do clone de Rael. O clone correu levando o homem e o partiu contra uma árvore. No processo, a árvore foi destruída pelas intensas ondas de raios e o corpo do devorador foi feito em dois. A mulher ficou olhando de Rael para o clone confusa.

Rael já estava subindo flutuando a mais de dez metros.

― Suba rápido! Aquilo é um clone e não vai durar pra sempre! ― gritou Rael, acordando a mulher que antes de subir, deu duas puxadas na escada de corda. Assim que ela se segurou a escada já começou a ser puxada lá de cima.

― Esperem! ― gritou a outra devoradora que já estava voltando correndo olhando a mulher.

― Rápido proteja ela! ― ordenou Rael para o clone. O clone de Rael ainda com o braço tomado por raios correu na direção da devoradora e saltou no ar ao mesmo tempo que ela também tentando pega a mulher de armadura.

Boooom! Zumzumzumzum!

A devoradora do sétimo reino teve seu rosto destroçado pelo ataque do clone de Rael e caiu mais distante de costas pro chão. Sua cabeça inteira tinha sumido restando apenas do pescoço para baixo. O clone de Rael caiu em pé do lado do corpo da devoradora ainda com o braço em raios e ficou olhando Rael de baixo. Rael se concentrou e fez ele voltar antes que sumisse de novo e desse outro grande desgaste em Rael. Cada vez que o clone sumia sozinho ou era morto Rael tinha uma imensa perda de poder.

A cabeça da devoradora já estava se regenerando em um processo acelerado outra vez recriando cada parte da carne e do celebro. Era uma coisa muito nojenta.

A mulher ficou olhando toda a cena impressionada enquanto a escada continuava puxando ela. Agora só era possível eles serem atacados por Devoradores voadores.

Rael voou e chegou mais rápido que ela. Havia dois homens grandes e fortes girando um cabrestante de aço onde estava amarrado a escada de cordas. Eles olharam Rael surpresos, mas não se assustaram. Rael pousou na beira da barca em segurança próximo a escada que estava sendo subida. Segundos depois a mulher da armadura subiu. Ele chegou antes deles terminarem de puxar a escada.

― Resgate realizado com sucesso mais uma vez! ― disse ela de dentro do elmo enquanto se erguia, Rael a ajudou estendendo a mão e ela aceitou se levantando com ajuda dele.

― Bem vindo a nossa Barca da Esperança! ― disse ela, tirando o elmo escuro e balançando seus lindos cabelos cacheados e loiros. Ela tinha cabelos curtos na altura do ombro, era mulher de pele branca, estatura e peso médio.

Rael a reconheceu. Essa mulher era a mulher que Rael tinha matado na ilha do evento. Ela era a líder do grupo Sangnos que lutou com Rael com uma lança e foi morta no final para não haver testemunhas.

O destino era mesmo uma coisa irônica. Uma vida que Rael havia tirado em um mundo, era a mesma vida que estava o salvando em outro. Rael ficou sem palavras naquele momento, enquanto formava um olhar de choque.


Não esqueça de curtir Herdeiro do Mundo!