O Herdeiro do Mundo

074 - O Pedido de Rael

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Sneed

Capítulo 74 – O Pedido de Rael

Rael atirou o que sobrou do coração de lado sem retirar os olhos escuros dos pais. Sua aura só começou a se acalmar depois dele ter certeza que o maldito estava mesmo morto. E seus olhos foram voltando ao estado natural.

O publico ainda estava abatido com aquela vista. Aquela aura escura, aquele poder apresentado por Rael, era tudo muito diferente. Rael não parava de surpreender, sempre mostrando algo a mais.

― Meu filho! Meu filho! ― o patriarca Helks gritou, e do lado sua esposa também se levantou do banco em um salto desesperada. Os dois tremiam de olhos arregalados. Imediatamente todos os Elders e familiares do clã se puseram de pé junto com ele.

Agora calmo Rael se virou para sua irmã com um olhar mais caloroso. Natalia estava pálida, mas muito aliviada também. Parecia que um enorme peso tinha sido retirado dos ombros da menina. Se ela pudesse, desmoronaria em algum lugar e relaxava o seu delicado corpo até não querer mais. Só em pensar que não iria mais se casar com aquele monstro, fazia parecer brincadeira de criança o que Rael tinha acabado de fazer na arena. O olhar de Rael agora para ela, a fez perceber que ele havia feito aquilo por ela. Rael estava a salvando de seu futuro miserável.

O juiz se tremia enquanto liberava lentamente a barreira. O clã Sarbaros voou todo para cima esperando a barreira abrir sobre o comando do patriarca Helks e sua esposa. A atmosfera tinha ficado pesada, ninguém podia prever o que ia acontecer em seguida.

Rika, Rayger e Neide voaram para frente do clã Sarbaros os impedindo de avançar. Em seguida eles foram cercados por dezenas de guardas do clã Torres. Os guardas não estavam dando preferência, eles estavam cercando todos eles.

O ar estava tão pesado em toda arena que ninguém se quer ousava se sentar. Todos continuavam de pé, porque no primeiro sinal fugiriam o mais depressa possível. Aquela era uma briga de peixe grande e ninguém iria querer ficar no meio daquilo.

― Saiam da minha frente ou eu varrerei todos vocês do mapa! ― Gritou Helks com sua aura amarela liberada encarando os três a frente. Rayger, Neide e Rika estavam todos com suas auras explodindo em resposta.

― Então você quer tentar matar meu genro? Acho que você perdeu a vontade de viver! ― Disse Neide friamente.

― Você acha que eu permitirei que você mate o futuro macho da minha filhinha? Você só pode está delirando ― disse Rika de braços cruzados friamente enquanto sorria. Ela agora falava normalmente como uma pessoa comum.

― Se vocês tiverem coragem venham tentar machucar o marido da minha filha, essa será a ultima coisa que vocês farão em vida ― disse Rayger seriamente. Todos os três estavam bem decididos sobre proteger Rael.

Helks apertou os dentes encarando as três figuras a frente. O poder daqueles três estava muito longe do que ele e seu grupo poderiam enfrentar.

― Irmão Romeo! Mande os guardas matarem esses três traidores! ― Rugiu Helks olhando de lado para o patriarca, essa era a única alternativa que restava pra ele. A barreira já tinha sido liberada, mas devido ao cerco, ninguém conseguia se aproximar de Rael. Rael estava no mesmo lugar tranquilamente enquanto conferia a roupa sem se importar com o perigo que corria. Para ele estava sendo só mais um dia normal…

― Silencio patriarca Helks. Agora voltem todos para os seus lugares e se acalmem ― ordenou o patriarca Romeo. Tanto ele como a esposa ainda estavam de pé a frente de suas poltronas.

― Mas ele matou meu filho! Ele matou meu filho! Seu futuro genro! ― gritou Helks de volta furioso.

― Eu sei o que ele fez, eu vi muito bem, agora volte para o seu lugar antes que eu mande os guardas fazerem isso por você ― ordenou Romeo de volta.

Helks não teve o que fazer a não ser obedecer a ordem. Ele estava explodindo de raiva por dentro, mas ele não poderia se vingar com aqueles três em seu caminho. Ele relaxou, acreditava que Romeo teria um plano ou uma saída para aquela situação.

Neide, Rika e Rayger não voltaram para o seu lugar, em vez disso, eles pousaram suavemente ao lado de Rael.

Os guardas também não voltaram, ficaram todos voando ao redor esperando ordens, o clima ainda estava tenso.

Muitas pessoas ficaram aliviadas quando as coisas pareciam ter se acalmado um pouco. Mas agora ficava a questão. O que iria acontecer com Rael que venceu o torneio?

― Sente-se todos ― disse o patriarca olhando em volta com uma voz mais alta. O publico foi se sentando a pedido do patriarca e ele esperou todos se sentarem. Até mesmo sua esposa Elisa se sentou. Rika e os pais de Mara continuavam ao lado de Rael em pé. Eles não iam sair, porque o clã Sarbaros podia querer atacar a qualquer momento. O patriarca Romeo também pareceu não se incomodar com isso.

― Samuel você venceu o torneio representando o ramo familiar do meu irmão Rayger, mas você quebrou uma regra, e não podemos deixar isso passar sem dar a você uma punição justa― disse Romeo fazendo uma pausa.

― Você tem duas opções para escolher. Primeiro você continua com a vitória deixando a família do meu irmão vencer e paga vinte anos de prisão aqui no clã. Não terá direito a visitas, não terá direito a julgamento que possa reduzir a pena, não terá direito a redução e nem qualquer futura alteração que possa quebrar ou cancelar a pena ― disse Romeo e fez outra pausa para deixar Rael absorver bem aquela opção.

― Segunda opção. Você nos entrega a vitória e sai livre sem qualquer pena. Poderá continuar vivendo aqui no território do clã sem problemas ― disse Romeo em um ar sério.

― O que? ― Helks foi o primeiro a reclamar e chegou a se levantar. Mas o olhar pesado de Romeo de lado o fez se sentar de volta no seu lugar.

Claramente o mais importante ali naquele momento eram eles garantir que Rael entregasse a vitoria. Romeo estava pouco ligando para a morte de Heitor uma vez que já não havia nada que pudesse ser feito e nem se houvesse. Heitor conseguiu perder para Rael e aquilo era completamente inaceitável. Romeo estava era aliviado que ele tinha morrido.

― Querido entregue a vitoria, você já fez muito nós, mais do que eu poderia esperar. Você até cumpriu aquilo que eu te pedi. Acho até que passou um pouco do limite, mas não estou reclamando ― disse Neide sem se quer pensar muito.

― Não permitirei que você deixe minha filha sozinha ― disse Rayger concordando com a esposa. Nem ele podia fazer nada contra as opções estabelecidas por Romeo. Rael tinha matado um homem que já tinha desistido da luta por impulso.

Dentro das regras Rael teria mesmo que ser preso e pagar os vinte anos, Romeo só estava dando aquela opção para poder assegurar a própria vitória. Para Rayger era mais importante manter Rael bem. Sua filha o amava e Rael era seu bem feitor, como um homem de honra, ele jamais trocaria a liberdade de Rael por uma vitória e um poder a mais no clã. Ele era um homem justo no fim das contas, tinha seus segredos, sua aceitação da escravização, mas no geral era um homem descente.

― Interessante, você vai mesmo matar todos eles no futuro? Sabe eles não me parecem ser más pessoas, pelo menos não esse casal ― comentou Rika silenciosamente. Rael apenas ignorou o comentário dela.

― Responda Samuel, qual é a sua decisão? ― perguntou Romeo.

O publico tinha caído em silencio. A decisão ali era obvia. Rael deveria entregar a vitória. Quem iria querer ficar preso por vinte anos sem ter se quer direito a visitas? Ninguém culparia Rael por entregar a vitória, seria a coisa mais lógica a ser feita.

― Você acha que eu vou entregar a vitoria assim tão facilmente pra você? ― perguntou Rael. Romeo ficou sério tentando conter a impaciência que surgiu em seu rosto.

― Eu prefiro ir preso do que perder minha vitória ― disse Rael chocando a todos. Algumas pessoas até chegaram a esfregar as orelhas porque não era possível que eles tinham ouvido aquilo.

― Samuel retire o que disse. Eu não quero ser patriarca e ter uma filha com marido na prisão. Mesmo que eu vire o patriarca, não poderei remover a sua pena, porque não posso ir contra o veredito que ocorrer aqui hoje ― disse Rayger olhando de lado.

― O que você ta dizendo Samuel? Você não vai deixar minha filhinha sozinha, mas não vai mesmo! ― reclamou Neide e só não puxou a orelha de Rael porque estava com um publico bem grande no momento.

― Huhuhuhu! Você e seus planos. Espero que queira só salvar a menina, porque se você tiver com segundas intenções não será legal. Lembre-se que seu numero atual de mulheres já está ficando muito grande. Você ainda nem nos deu filhos! Não pense que vou aceitar isso tão facilmente viu? ― perguntou Rika do lado mesmo que Rael estivesse a ignorando.

― Então você está disposto a ir preso? Tem certeza disso? Você ouviu muito bem certo? Serão vinte anos sem direito a visitas e sem qualquer alteração na pena ― disse Romeo novamente.

― Sim eu ouvi muito bem, e ainda estou escolhendo essa opção ― Rael repetiu descaradamente. Romeo pareceu ficar normal em seu lugar, mas apertou os punhos se tremendo. Não adiantou nada ter imposto as opções a Rael se ele não estava cedendo. Elisa também estava inconformada, tantos sacrifícios foram feitos pela permanência no poder e ainda sim tudo estava indo água abaixo.

Elisa estava furiosa, era sempre Rael no caminho deles. Desde que Rael surgiu os planos deles começaram a dar errado, sem mencionar o fato vergonhoso envolvendo sua filha que nunca saia da mente dela. Ela continuava culpando Rael.

― É claro que se o patriarca quiser concordar com um pedido meu, então eu poderei escolher a segunda opção e entregarei a vitória, mas acho que no final o patriarca não irá fazer isso porque já deixou as opções bem claras ― disse Rael quando Romeo já estava quase dando o veredito que iria definir tudo.

Ouvindo aquelas palavras, o coração de Romeo bateu suavemente. Aquilo deu a ele um grande alivio. Ele controlou a alegria e cuidadosamente perguntou.

― E qual seria esse pedido?

― Eu quero a sua filha em casamento ― disse Rael chocando todo o publico. Elisa travou os dentes e se levantou da cadeira na mesma hora pronta para gritar. Ela foi impedida por Romeo que deixou a mão em sua frente.

― O que? Isso é um absurdo! Natalia irá se casar com algum dos irmãos de Heitor! Um dos meus filhos, a mesma já está prometida a minha família! ― rugiu Helks se levantando do outro lado. O publico começou os cochichos no mesmo instante.

― Silencio! ― rugiu o patriarca e aos poucos as pessoas foram se acalmando e o silencio foi voltando.

― Absurdo! Eu jamais aceitaria tal coisa. Natalia já está prometida a nossa família, isso não pode mudar! ― Helks continuou insistindo.

― Sente-se no seu lugar Helks! Você não foi chamado na conversa ― disse Romeo duramente de volta. Helks voltou para o seu lugar no mesmo instante em que a furiosa Elisa voltava para o dela. Os dois estavam tendo um dia bem ruim…

Natalia não estava acreditando no que tinha acabado de ouvir. Rael queria mesmo se casar com ela? Rael a salvou duas vezes, uma naquela noite e outra agora quando decidiu eliminar Heitor.

― Por que você quer se casar com aquela menina? Você já tem minha filha ― perguntou Neide insatisfeita olhando Rael de lado.

― É apenas o meu desejo. Eu quero aquela garota para mim ― disse Rael sem dar nenhuma explicação. Rayger do lado não sabia o que dizer, então achou melhor ficar quieto. Ele conhecia o irmão melhor que ninguém. Romeo cederia a filha para Rael com toda a certeza para permanecer no trono. Isso também era um outro problema, porque Romeo e Elisa não conseguiam mais gerar filhos. Nos próximos cinquenta anos, se eles quisessem continuar no poder, então eles iriam depender de sua filha. Mas Rael estava tentando arrancar isso deles…

Romeo estava muito nervoso, ele não imaginou que Rael seria tão ousado em fazer aquele pedido, ele poderia recusar e deixar Rael preso, mas ai ele perderia o cargo e nada adiantaria. Talvez ele jamais poderia recuperar. Sua filha por outro lado era descartável, mas ainda tinha valor, se ela pelo menos gerasse netos, eles ainda poderiam garantir quem sabe os próximos anos depois desses que viriam?

― Desde que eu der a mão da minha filha a você, você desistirá da vitória? ― perguntou Romeo tentando confirmar. Rael já conhecia o pai e sabia bem o que ele vinha tentando fazer com sua irmã, era obvio que aquele seria o resultado no fim.

― Claro, foi o que eu disse ― confirmou Rael de volta.

Helks e Elisa estavam se tremiam em seus lugares. Nenhum dos dois estavam podendo fazer nada sobre aquilo. A mulher de Helks não se importava com esses detalhes, ela ainda estava pensando na morte do filho.

Natalia estava ali parada em pé, ainda tentando digeri os atuais acontecimentos, ela nem tinha idade suficiente para se casar, mas opções não paravam de aparecer e uma mais inusitada que a outra.

― Eu aceitarei o seu pedido, darei a mão da minha filha a você ― disse Romeo em seguida. Chocando o publico. No final Rael tinha perdido a vitoria, mas em troca ganhou a mão da filha do patriarca.

― Isso é maravilhoso. Imagino que eu já poderei levá-la imediatamente comigo. Uma vez que ela é minha futura noiva certo? Sem esses termos eu não aceitarei. Eu já quero me responsabilizar por ela imediatamente.

― Sim você pode levá-la, desde que acerte a data do casamento ― disse Romeo que não se importava com aquilo, ele só queria pelo manter a mínima aparência diante do publico.

― Ótimo! Então deixe-me perguntar isso diretamente para a sua filha ― disse Rael e avançou até a beirada da arena ficando a cerca de dez metros de Natalia que estava bem na ponta. ― Natalia, você aceitaria se casar comigo? Essa escolha será sua, se você não quiser eu não vou forçar, ainda deixarei seu pai com a vitória e desistirei da ideia de me casar com você e te levar embora agora ― disse Rael.

Aquelas palavras chocaram o publico mais ainda. Quando Romeo consentiu foi uma coisa, mas ver Rael dizendo aquilo em seguida para a garota era outra. Ele não precisava dizer aquilo, bastava ele exigir que ela fosse dele.

Casamentos arranjados entre grandes clãs, era comum serem decididos como forma política sem deixar a mulher com qualquer escolha, as vezes até com homens era assim, o que dirá com mulheres.

Natalia não aguentou tais palavras, elas eram como musicas no ouvido dela. Ela ficou tão emocionada que seus pequenos olhos começaram a lacrimeja. As lagrimas desciam de seus belos olhos verdes. Ninguém entendia porque ela tinha começado a chorar de repente.

Rael ficou em silencio olhando a frágil irmã emocionada. Seu olhar sobre ela era tão sereno e lindo que qualquer um poderia dizer que ele estava mesmo apaixonado pela garota.

Os pais de Natalia a forçaram em um casamento com um homem que ela não gostava, a forçariam de novo assim que se resolvessem com o clã depois da morte de Heitor. Ela sempre seria forçada e nunca teria escolha. Além de Rael a salvar duas vezes, ainda estava dando escolha a ela, mostrando a todos presentes, que as palavras dela valeriam alguma coisa. Ela estava pelo menos tendo a oportunidade na primeira vez na vida de dizer um sim ou um não, porque seria do desejo dela.

Ela ficou tão emocionada que as palavras não saíram de cara. Os pais dela do lado ficaram aliviados, porque agora tudo que ela precisava fazer era dizer não e aquela conversa estaria acabada.

― Eu aceito me casar com você! ― anunciou Natalia em voz alta depois de usar toda sua coragem. O público fez um “Oooh” em admiração. Rael sorriu para a menina e Natalia limpou as lagrimas dos olhos sem jeito em enquanto sorria de felicidade.


 

Não se esqueçam da página de Herdeiro do Mundo!