O Herdeiro do Mundo

068 - O Inicio do Torneio

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Sneed

A movimentação estava alta dentro do território Torres. O numero de guardas praticamente tinha dobrado. Famílias e mais famílias não paravam de chegar, até mesmo um príncipe e duas princesas do império estavam presentes com seus pais e um cerco de guardas (família Grifem).

A arena da família Torres era quase como um estádio de futebol (bem mais pequeno é claro) mas ainda sim era grande. Famílias pequenas iam se ajeitando em qualquer espaço entre os bancos nos assentos mais acima. As grandes potencias e a família imperial, tinham seus locais separados dos demais,em pequenas alas com divisórias. Seus assentos eram privilegiados próximos ao assento central na parte mais baixa da arena. Na ala central, estava a família principal do patriarca Torres e família do clã Sarbaros. Romeo e Elisa tinham poltronas aconchegantes sentados lado a lado, enquanto os demais tinham bancos forrados com almofadas. Já o publico comum, tinham bancos duro mesmo.

Do lado de Romeo e Elisa estava Natalia parada em pé. Ela estava vestida comum de calça azul e blusa branca, ao lado dela estava Heitor, usando uma leve armadura de metal que protegia somente o peito. Próximo ao patriarca Romeo estava o patriarca Helks e sua esposa do clã Sarbaros, tinha também sobre a presença deles vários Elders importantes.

Do lado oposto da arena, estavam as alas da família Torres e seus participantes envolvidos no torneio. Cada familiar participante tinha seu próprio local separado. Rael estava no local da família de Rayger. Lá estavam, Rayger, Neide, Mara, Alves, Robert e as esposas dos dois. Como eles já tinham mais de trinta cinco anos então não poderiam participar do torneio. A idade máxima aceitável era trinta e cinco anos.

Rael estava parado em pé ao lado de Mara. Hoje Rael estava vestido com os trajes azuis fornecidos por Neide, era basicamente as mesmas peças porém azuis. Mara estava de vermelho com seus mesmos trajes de treinos, ela continuava ocultando a força dos demais usando o anel, mas isso não escondia a força dela de Rael.

O Juiz seria um dos conselheiros que não tinha filhos participando do torneio. Um homem moreno alto que aparentava ter uns quarenta anos, embora fosse bem mais velho. Ele estava parado próximo a frente da ala do patriarca.

Cercando toda a arena, havia uma formação de pedestais de ferro. Esses pedestais tinham cerca de um metro de altura e cercavam todo o espaço mais baixo da arena, cada um deles, tinha um cristal azul preso em um encaixe fechado nas pontas.

Rael sabia que aquilo era uma Formação de Cristal Protetora, muito usada em combates. Quando aquilo fosse ativado, criaria uma barreira onde era impossível entrar ou sair, também não era possível vazar poder ou ataques de dentro para fora nem ao contrario. Embora ainda fosse possível permanecer os sentidos de nível dos usuários presentes.

― Sejam todos bem vindos. Nosso clã recebe todos vocês convidados com honra! Estamos aqui hoje para o grande torneio famíliar que começará em poucos segundos. Agora sem mais, passo a palavra para o nosso juiz Rodolfo que comandará esse torneio ― disse o patriarca que tinha se levantado para falar e em seguida voltou para o lugar. Houve uma salva de palmas de um publico bem animado.

Rodolfo retirou uma pequena caixa escura fechada do bracele, havia apenas um pequeno espaço na parte de cima onde caberia uma mão.

― Bom dia a todos. Aqui dentro temos os nomes de todos os participantes. Para a primeira rodada eu irei tirar dois papeis, os escolhidos deverão ter um combate entre si para decidir quem continuará no combate. Caso os escolhidos sejam um casal aliado, então os nomes voltarão para caixa e um novo sorteio deverá ocorrer ― explicou o juiz e fez uma pausa.

― Não há regras para uso de armas, técnicas, força ou poder, apenas não pode matar propositalmente seu inimigo. Caso venha a ter mortes, eu decidirei se foi propositalmente ou não. O participante que se render, desmaiar ou ficar impossibilitado de seguir com a batalha perde a luta ― explicou o juiz.

O juiz puxou os primeiros nomes. Era um jovem e uma moça do próprio clã. Depois que eles desceram para a arena, o juiz saiu e ativou a barreira. Os cristais brilharam dentro dos pedestais e uma energia azul se espalhou pelo ar formando a barreira. Tudo foi envolvido como uma caixa gigante prendendo os dois cultivadores na arena. Apesar de ser uma barreira forte, ela era transparente e dessa forma, qualquer um podia assistir a luta.

A luta começou em seguida depois do juiz ativar a barreira. Rael assistia a luta e as vezes lançava olhares na direção de Natalia, isso porque a expressão da moça era quase de terror. No dia seguinte ela se casaria com um monstro, como ela poderia estar feliz?

Romeo e Elisa tinham expressões serenas, porque eles sabiam que ninguém venceria Heitor. Heitor era o mais forte entre todos os participantes, estando no sétimo reino nível dois. Não era só eles que estavam seguros da vitoria, do lado, todo o clã Sarbaros sorria enquanto conversavam entre si, qualquer um podia ver que eles já estavam comemorando a vitoria.

Heitor ficava encarando Rael abertamente e quando notava o olhar de Rael, ele propositalmente lançava os braços no ombro de Natalia. Natalia apesar de estar com medo, nojo e todos os pensamento horríveis que ela poderia ter de Heitor, não se movia nem tentava se afastar dele, seus pais tinham dado ordens para ela se controlar. Ela também percebia mesmo com medo a preocupação de Rael com ela. Ela nunca esqueceu que naquele dia foi Rael que a tirou do pesadelo, mas, por mais que ela pensasse sobre isso, ela nunca teve coragem de agradecer. A situação daquele dia era constrangedora demais até para pensar sobre isso. Ela já sabia que Heitor queria se vingar e acabar com Rael.

Natalia não podia impedir o torneio de acontecer, mas ela chegou a conversar com Mara sobre isso e pediu para Mara não deixar Rael lutar contra Heitor. Se Heitor não pretendia matá-lo, iria pelo menos aleijá-lo pelo resto da vida. Mara riu na época e disse para ela não se preocupar, ela disse que venceria Heitor. Mara confiava demais em seu próprio poder.

― Rael, se por acaso você cair contra Heitor, eu quero que desista, você pode até vencer oponentes acima de você, mas ele eu acredito que você não será capaz, ele está três reinos acima de seu poder ― disse Mara se lembrando do pedido da prima. Mara também tinha olhado na direção dela algumas vezes.

― Se eu cair com ele, é melhor que ele desista, porque eu não terei piedade ― disse Rael e virou-se para olhar qualquer outra direção.

― Você não precisa se preocupar, eu vou vencer por nós dois ― disse Mara e beijou o rosto de Rael. Ele apenas ficou concentrado assistindo a primeira batalha.

O espaço de luta embaixo era cerca de 70 metros quadrados, o chão da arena era branco, feito inteiramente de cimento e pedras quadradas duras.

A batalha prosseguia intensa entre dois usuários do quinto reino enquanto as famílias gritavam torcendo. Ninguém poderia prever os resultados daquela batalha, ambos já estavam com suas melhores técnicas ativadas e armas em mãos.

Rael sentiu duas presenças conhecidas se aproximando em velocidade. Rika e Rose. Elas estavam vindo voando.

― Rael você já pode me ouvir? ― perguntou a voz de Rose.

 O que vocês estão fazendo aqui? ― perguntou Rael olhando para o alto. Rika chegou acompanhada de dois guardas, todos estavam voando e Rose estava envolvida nos poderes da mãe.

― Viemos assistir o torneio, eu pedi para minha mãe até ela permitir ― explicou Rose. Rika ainda estava de mal humor, por isso ela não estava falando com Rael.

As duas cruzaram por cima da barreira e vieram para o lado de Rael. Com os guardas do clã seguindo não houve problemas.

― Vocês não tiveram nenhum problema? ― perguntou Rael. Tanto Rika como Rose podiam ouvir Rael, mas apenas Rose respondia.

― Minha mãe está falando bem fluente a língua normal, eles também me reconheceram porque eu sempre andava com você, então nos deixaram entrar sem problemas ― explicou Rose.

Elas pousaram no espaço vazio próximo a Rael. Neide e Rayger rapidamente receberam as novas convidadas. Alves e Robert ficaram travados como dois idiotas olhando Rika, para eles a mãe era obviamente muito mais bonita que a filha.

Rose mal cumprimentou eles e já correu abraçando Rael. Seu lindo rosto sumiu nas vestimentas de Rael enquanto cheirava ele. Ela afinal, estava morrendo de saudades. Rael apertou aquelas costas frágeis contra seu peito, abaixou o rosto e cheirou o cabelo de Rose, sentindo o cheiro maravilhoso de rosas que vinha dela.

― Não se anime garoto, ela só vai ficar com você enquanto o torneio durar. Só vou deixar você tocar nela quando aquelas pílulas nojentas saírem do seu organismo ― disse Rika mentalmente para Rael. Ela continuava furiosa com ele. Ela conseguia conversar com Rael e ainda ouvir e conversar normalmente com Neide e Rayger. Ambos estavam muito felizes por finalmente conhecer a mãe de Rose.

Depois dos cumprimentos iniciais Rika finalmente se aproximou de Rael. Hoje ela estava com um vestido escuro com fenda, que dava a ela um charme especial. Uma das belas pernas de Rika ficava sendo exibida. Era uma clara provocação a Rael. A filha por outro lado estava com as mesmas roupas de costume e nem por isso ficava menos linda. As duas eram como deusas e mesmo diante da luta na arena, ainda atraíram olhares curiosos e cobiçadores de varias pessoas do publico.

― Violeta não veio? ― perguntou Rael um pouco desapontado, ele já imaginava que ela não iria aparecer.

― Não, ela acredita que você não vai sair da linha ― disse Rose de volta.

― Ela não deveria ter tanta certeza ― disse Rael de volta, mas cessou o pensamento.

Quando Heitor viu Rose seus olhos quase saltaram para fora. Ele nunca tinha visto uma garota aparentemente tão nova e ainda sim com uma beleza tão divina. Ele esqueceu até que Natalia existia e largou o ombro dela dando um passo a frente, chegando mais perto da barreira transparente. Ele só tirava os olhos de Rose para olhar Rika, ele não sabia qual das duas mulheres de cabelos azuis era mais linda. As duas eram simplesmente fantásticas. Natalia poderia ser considerada a beldade numero um do clã Torres, mas perto delas, não era nada a vista de Heitor.

Rose soltou Rael, e só não o beijou ali mesmo porque teve medo de se descontrolar na frente dos outros. Rika podia sentir o desejo da filha por Rael e vice versa. Uma vez que Rael tinha a resistência para tolerar os raios, ele queria sentir Rose, mas de forma nenhuma queria ter qualquer filho no meio dessa história.

― Se você continuar tomando aquelas pílulas,eu nunca permitirei que você tenha qualquer relação sexual com minha filha ― disse Rika só para lembrar Rael do inevitável. Rael olhou para a bela mulher a frente um pouco irritado. Ele podia ser um pouco egoísta sem ceder ao desejo delas, mas ele não achava justo por uma criança no mundo apenas porque a espécie delas estaria por um fio.

― Eu não vou parar de tomar apenas porque você está com raiva de mim, mesmo se você tentar me separar de sua filha eu ainda não pararei. A escolha de ter um filho também é minha! E eu não quero ter! ― reclamou Rael de volta.

― Sério que você não quer ter? Você por acaso falou isso para sua esposa? ― perguntou Rika que já tinha espiado a mente de Rael.

― Pare de entrar na minha mente! Você não pode ficar fazendo isso! ― reclamou Rael de volta.

― Hunf!Então me impeça se você tiver força suficiente ― reclamou Rika de volta.

Todos observavam Rika de braços cruzados encarando Rael e ele encarando de volta com Rose segurada no braço dele. Ninguém podia adivinhar que entre eles estava rolando uma briga mental.

― Você pode parecer durona, mas no fim eu sei por que está aqui ― disse Rael depois de se recuperar um pouco e sorriu.

― Você se acha demais garotinho. Eu posso até ter vindo por sua proteção, mas isso é apenas porque você é o único que pode nos dar filhos. Se você continuar sendo tão relutante em me dar o que quero, eu te pegarei e o amarrarei em um lugar escondido. Tirarei tudo de você e esperarei o efeito da pílula acabar, quando acabar, nós faremos sexo quantas vezes forem necessárias para você nos dar essas crianças, eu revezarei com minha filha e não iremos parar mesmo que você implore cem vezes ― disse Rika friamente.

 Você não ousaria, se Violeta descobrir ela não iria ficar muito feliz ― disse Rael de volta. Mas ele sentia que Rika realmente estava falando sério, por isso ele rapidamente recorreu ao pensamento de Violeta.

― Acha mesmo que ela ligaria? Melhor você não me provocar se não quiser descobrir, eu não sou boazinha como a minha filha ― disse Rika de volta mantendo o mesmo tom frio em pensamentos.

― Rose você pretende passar um tempo conosco? Samuel já contou que eu e ele ganhamos uma casa? ― perguntou Mara animada.

― Ela só ficará até o final do torneio ― disse Rael para Mara não se empolga muito.

― Sério? Isso é uma pena ― disse Mara de volta.

― Vai mesmo ter um filho com ela e não quer ter um comigo Rael? ― perguntou Rose com um pensamento meio triste agarrada ao braço de Rael.

 Não escute sua mãe, isso não aconteceu de propósito ― disse Rael de volta.

― Sério que não? Você quer fazer eu e minha filha de bobas, mas não vai! ― Rika disse de volta furiosa.


As batalhas seguiram normalmente, e na quinta luta o nome Samuel foi chamado.

― Samuel versus Gilbert! ― anunciou o juiz e Rael e pulou na arena. Agora, a barreira protetora havia sido desativada para os participantes entrarem.