Evil Emperor’s Wild Consort

252 - A chegada da Família Xia (Parte 12)

O coração da concubina Lin estava regozijante, seu sorriso foi ficando cada vez mais largo e enchendo os corredores do Palácio da Fênix em Ascensão.

Como diremos isso? Muito prazer pode facilmente trazer muita tristeza, e foi exatamente isso o que ocorreu com a concubina imperial Lin.

Pouco antes de seu riso terminar, um rugido se ouviu no horizonte distante, tamanho era o assombro que até mesmo sua alma tremeu de medo. Antes de ela sequer conseguir reagir, uma figura branca como a neve escalou as paredes do Palácio da Fênix em Ascensão e garras de lobo saltaram em cima dela esbofeteando seu rosto antes mesmo de poder terminar de sorrir.

Pa!

O corpo da concubina Lin bateu contra uma parede, ela certamente não teria tanta força como Baobao para atravessar a parede, mas graças a imensa força exercida pela bofetada que ele deu, ela acabou fazendo uma cavidade na parede com seu delicado corpo.

"Concubina imperial!"

Os guardas estavam pálidos de choque, prontos para avançar e ajudar a mulher. Naquele momento, um olhar sinistro caiu sobre eles.

"Grr!"

Baobao rosnou baixinho em direção à frente deixando todos absurdamente assustados. Foi assim que ninguém mais se preocupou com a concubina imperial Lin e imediatamente correram mais do que depressa por suas vidas.

O rosto da imperatriz estava completamente branco, ainda em transe diante de tudo que tinha acontecido.

No entanto, ao invés de persegui-los, Baobao preferiu evitar a fatiga. Afinal, a carne deles não devia nem ser gostosa, além disso estava suja e fedorenta.

Então, ele se adiantou e orgulhosamente foi caminhando em direção à concubina imperial Lin antes de morder a coxa dela e arrastá-la junto com ele. Depois de um pouco de consideração, Baobao virou a cabeça para a Imperatriz e rosnou suavemente, como que insinuando que ela deveria segui-lo...

Apesar da cabeça da Imperatriz ainda estar zonza do choque, ela acabou seguindo. Ela não sabia o por quê, mas sentia que a besta espiritual jamais a prejudicaria.

Pang Ran pôde ver imediatamente o rosto de seu pai deitado na cama. Ele se jogou rapidamente em sua direção. Coincidentemente, Pang Zihuang foi lentamente acordando de seu sono. Ao abrir os olhos, ele pôde vagamente distinguir uma figura borrada que ia em sua direção e rapidamente mudou a expressão em seu olhar.

Ele não havia esquecido que acabara de se encontrar com a concubina e que a mulher tentou envenená-lo até a morte.

Será que o veneno falhou e não morremos?

Em seguida, Pang Zihuang levantou rapidamente sua perna para tentar chutar a figura que vinha voando na direção dele e rapidamente gritou: "Guardas! Prendam esse assassino!"

Pang Ran, que não tinha ideia do que estava acontecendo, acabou caindo em cima de um cacto. Ele gritou de dor como um porco sendo abatido, seus olhos cheios de ressentimento.

O que foi que eu fiz dessa vez? De repente recebi um chute tão forte, o que eu poderia ter feito na minha vida passada que foi tão desastroso para receber um castigo tão severo? Que tragédia!

"Onde está o assassino?"

O General, que chegou um pouquinho mais tarde que Pang Ran, ficou inicialmente muito feliz por ouvir a voz de Pang Zihuang do lado de fora das câmaras imperiais, mas, quando conseguiu ouvir com mais clareza, ficou muito enraivecido. E se apressou imediatamente junto com os soldados: "Vossa Majestade Imperial, vosso humilde servo veio em vosso auxílio tarde demais! Onde está esse assassino?"

Embora Lin Yu tenha sido repreendido, ele certamente não esperava que tivesse mais cúmplices para ajudá-lo bem ali diante dele.

Quanta ousadia!

No entanto, uma vez que ele entrou nos salões palacianos, ficou muito chocado.

O que ele viu?

Pang Zihuang olhando enraivecido e pronto para matar e a pessoa que ele encarava era o seu mais precioso filho e príncipe, sentado no chão, cobrindo seu traseiro de um jeito infeliz e uma jovem muito bonita que aparentava ser sincera, delicada e pura em pé num lado da sala, com os cantos de seus lábios se inclinando num sorrisinho, com ambas as mãos sobre seu peito. Não foi difícil de ver que na verdade estava se divertindo com a situação.