Evil Emperor’s Wild Consort

237 - Incriminando (Parte 4)

Na propriedade do Sexto Príncipe…

Pang Ran repousava em na cama como um porco morto, deixando com que suas criadas aplicassem remédios em seu traseiro vermelho. A dor severa fez com que ele gemesse como um porco sendo abatido e, em seu coração, ele amaldiçoou Pang Zihuang.

Filho da… aquele babaca não podia ter sido um pouquinho gentil? Pensou ele irritado. Era como se ele quisesse me surrar até a minha morte! Não sou eu o seu filho biológico?!

Em meio ao seu lamento, a porta do quarto abriu-se. Ele pulou de medo, precipitadamente puxando para cima suas calças e berrando pras pessoas à porta:

— Seus filhos da p*ta! Não tão vendo que este príncipe está sem calças?! Saiam já do meu quarto!

*assobio*

A velocidade com a qual ele saltou feriu suas nádegas. Ele fez uma careta de dor, seu humor estava pior do que antes.

A propósito, a pessoa que estava à porta era o Vidente Imperial Lin Yue, e atrás dele um de corpulentos guardas imperiais. Melancolicamente, ele olhou para as nádegas de Pang Ran. Toda vez em que ele pensava na forma como a bunda daquele moleque tolo sentou em seu rosto, ele tinha que se controlar pra não cortar aquele bundão em fatias.

— Merda!

Vendo o olhar de Lin Yue, Pang Ran contraiu suas nádegas em choque, e rapidamente as cobriu com suas mãos.{{Se você esconde um lado, outro lado aparece, mas, acho que é melhor não entrar no mérito.}} Ele recuou dizendo:

— Lin Yue, sinto ter que te desapontar, mas eu não torço nesse time aí não. Então nem vem tentando nada comigo porque eu não to interessado, especialmente porque você é muito feio!

— Pang Ran! Tá querendo morrer?!!

Lin Yue rangeu os dentes depois de ouvir as palavras sem noção daquele moleque, com um sorriso gélido, continuou — Você conspirou para assassinar Vossa Majestade Imperial e ainda ousa sujar o bom nome do Vidente Imperial?! Sua propriedade inteira está cercada de guardas imperiais, você não poderá escapar!

Ele sempre odiou esse moleque. Se não fosse pela droga da mãe imperial dele, ele se irritou. Minha irmãzinha teria recebido o lugar de direito dela como Mãe da Nação. Mas Sua Majestade Imperial sempre foi tendencioso. Não importando quão excepcional o Terceiro Príncipe se tornasse, Sua Majestade sempre favoreceria esse inútil! Tendo um lixo como esse moleque vivo no mundo era um desperdício de recursos e comida. A morte dele deveria ser um feriado nacional! Além disso, Sua Alteza nunca apreciou minha boa vontade, desprezando meu trabalho duro pelo Reino da Tartaruga Negra!

— Espere um minuto.

Não tendo entendido muito bem, Pang Ran ergueu a cabeça, encarando desconfiadamente para Lin Yue. Seu tom se tornou sério: — O que você quer dizer? Conspirado para assassinar meu Pai e Imperador? O que aconteceu com o meu Pai?! 

Lin Yue sorriu gelidamente: — Sua Alteza Imperial ainda finge? Você é realmente um bom ator. É uma pena que você nunca tenha entrado para o teatro, Sua Alteza! Bem, como você ainda se finge ignorante, então a seu pedido eu direi! Um pouquinho depois da sua visita com aquela charlatã usurpadora, Sua Alteza Imperial morreu de envenenamento! Você ousa dizer que não foi você quem envenenou Vossa Alteza?! Pang Ran, você conspirou com uma estrangeira para matar o Imperador! Como nós devemos puni-lo?

Minha irmã tinha dado ao Imperador um veneno altamente tóxico que poderia matar uma pessoa em meia hora, Lin Yue pensou maliciosamente. Como agora já está pra completar essa meia hora, ele já deve estar morto! O Reino da Tartaruga Negra será nosso de agora em diante!

Hong!

A mente de Pang Ran ficou em branco após ouvir as palavras de Lin Yue.

— Envenenado para morrer — eram as únicas palavras em sua mente.

Não, ele entrou em pânico, pensando rapidamente. Impossível! A deusa disse que levariam três dias pro veneno fazer efeito! Só alguns momentos se passaram, então como é que pode meu pai ter morrido envenenado?! Isso só pode ser coisa deles. É isso! Meu Pai deve ter sabido dos meus irmãos e então foi envenenado! Eles são os responsáveis por assassinarem meu Pai!!!