Evil Emperor’s Wild Consort

227 - Uma pessoa familiar (Parte 2)

Na propriedade do Sexto Príncipe.

À distância, Gu Ruoyun podia ver uma figura correndo em sua direção. Seus lábios formaram um sorriso carinhoso.

— Já retornou? Como foi tudo? Seu pai ficou satisfeito com a sua mudança?

Ouvindo aquelas palavras, Pang Ran estava cheio de seriedade quando disse tristemente: — Eu não quero falar sobre isso, falar sobre isso só me deixa irritado! Eu realmente duvido que eu seja carne da sua carne e sangue do seu sangue, ele nem sequer conseguiu reconhecer seu próprio filho! Antes de eu conseguir sequer falar com ele, aquele homem correu pra mim e me bateu! Filho da p*ta, aquilo doeu tanto, eu realmente não entendo porque o temperamento dele anda tão ruim recentemente.

Gu Ruoyun ergueu as sobrancelhas e um sorriso iluminou seu rosto.

Esse menino que antes pesava 250 quilos e agora estava com peso normal, toda a gordura tinha ido embora de seu corpo. Seria mesmo estranho se Pang Zihuang conseguisse reconhecê-lo de imediato.

— Certo. — Pang Ran de repente pensou em algo e disse — Eu já a recomendei ao meu pai e ele deseja conhecê-la. No entanto, quando ele a conhecer, tenha cuidado. Aquele velhinho anda sempre um rabugento deplorável, ele não é uma pessoa legal.

Claro que havia um monte de reclamações tormentosas no coração de Pang Ran contra seu pai. Sempre que ele pensava sobre seu pai, ele sentia uma dor aguda no fundo do seu coração e uma necessidade de se esconder o mais longe que pudesse.

Se Pang Zihuang pudesse ouvir as palavras de Pang Ran agora, era muito provável que ele sentiria uma vontade de matar esse moleque.

Velhinho? Rabugento deplorável? Como ele podia se dirigir ao seu próprio pai e imperador desse modo? Qualquer que fosse o caso, ele ainda era o Imperador da nação. Isso era uma baita falta de respeito com ele.

— Devemos ir ao palácio em breve. Há outra coisa, Pang Ran, eu acho gostaria de te perguntar algo. Você quer ser Imperador?

Quando ela olhou Pang Ran, um brilhinho estranho atravessou seus olhos, mas foi tão rápido que ninguém notou.

E sem nem sequer pensar sobre isso, Pang Ran sacudiu a cabeça: — Imperador? Isso não faz sentido, eu não queria nem mesmo ser o Sexto Príncipe, quem dirá imperador!

— Mas… — Ela parou por um segundo antes de falar com um olhar cheio de sorrisos — Um Imperador pode comer toda a carne que quiser.

— Huh?

Os olhos de Pang Ran imediatamente se alargaram e sua expressão ficou cheia de fúria: — Quem é que disse que iria me impedir de ser imperador? Eu vou lutar com quem quer que seja que queira me impedir de ser imperador! O trono imperial é meu e ninguém está autorizado a botar as patas nele!

Em todo o Reino da Tartaruga Negra, só um menino naturalmente bobo como Pang Ran ousaria dizer uma frase como essa. Afinal, se alguém ouvisse isso, ele não seria apenas preso, mas também acusado de tentar usurpar o trono.

— Pang Ran, se você deseja ser o imperador, eu posso te ajudar a conseguir a atenção da Família Xia. No entanto, você ainda precisa de uma pessoa para ficar do seu lado.

De repente, Gu Ruoyun se lembrou daquele rosto maligno que ela viu no restaurante e um brilho obscuro cruzou seu olhar.

— Uma pessoa? Mas quem? — Pang Ran olhava estupidamente o rosto belo da jovem e perguntou duvidoso.

— O Quinto Príncipe.

Quando ela disse aquelas três palavras, ela pode ver claramente que Pang Ran estava assustado.

Isso não era só uma reação estranha de sua parte, o Quinto Príncipe sempre teve certa birra contra ele e sempre o perseguiu e bateu por muitos anos. Ele nunca perdia a chance de fazer esse carinha sofrer.

— Deusa, cê tá me zoando? Como é que ele vai me ajudar? O talento do meu irmão é naturalmente bom, mas é claro que ele tá muito longe de ser como você, minha deusa. — Ele, que também nunca perdia a chance de bajular sua deusa, prosseguiu — No entanto, o caráter do meu irmão não é impressionante. Eu gosto de comer e beber enquanto ele gosta de jogar. O bordel é como sua segunda casa e ele é muito arrogante e hedonista. Como alguém como ele poderia me ajudar?

Ela olhou pra ele: — Você pensa que todos são como você? No momento em que eu coloquei os olhos nele, eu vi através da sua personalidade. Eu aposto que ele é o mais dissimulado dentre todos vocês!