Bringing The Farm To Live In Another World

184 - Existem Apenas Dois Mestres

Tradução: Blue Sparky | Revisão: Luiz Oliveira | QC: Amnésia
Os olhos do criado estacionado no portão brilharam com frieza. Movendo as mãos ligeiramente, um bastão apareceu para atacar o homem que queria sair.

O homem interceptou o ataque dos servos, sua estatura girava enquanto ele simultaneamente atirava dardos de suas mãos no criado.

O bastão era escuro como breu e não emitia nenhum brilho. Contudo, depois de ser brandido, o bastão emitiu uma aura muito pesada, mostrando que esse bastão de metal foi forjado através de um método especial.

Aquele homem obviamente não era fácil de lidar. Com um leve movimento de seu corpo, uma Espada Perfurante apareceu em suas mãos. Como Kun sugeriu, esse homem era um assassino de Carlo. Essa Espada Perfurante era sua arma.

O homem estava prestes a cortar com a espada quando foi subitamente bloqueado pelo bastão do criado. De repente, duas flechas vieram do nada e foram atiradas diretamente nas pernas do homem. O tempo e o ângulo das flechas foram muito bons. Ele foi acertado enquanto o criado tinha bloqueado a espada do homem com seu bastão, então não havia como o homem se afastar depois que as flechas emplumadas aparecessem. Assim, eles selaram sua retirada.

O homem viu o ataque, mas não se escondeu. Em vez disso, uma foice voou para fora da porta. Uma após a outra, as duas flechas emplumadas foram cortadas no ar. Naquele momento crucial, outro criado pediu que parassem. O bastão na mão do criado parou e os dois olharam na direção da porta.

Duas pessoas saíram devagar da porta. Uma era Alodia, enquanto o outro era uma das três pessoas convocadas por ele na noite anterior. A corrente da foice estava em suas mãos.

Alodia observava o porteiro e os criados com uma expressão carrancuda. Com uma voz fria, ele disse: “Como todos vocês ousam? Quem te deu coragem para colocar as mãos no meu povo!”

O criado na verdade não teve medo dele. Ele resmungou friamente enquanto observava Alodia: “A Jovem Senhorita nos ordenou que hoje ninguém poderá sair da residência. Se alguém ousar desobedecer a essa ordem, então devemos quebrar suas pernas.”

Alodia olhou para o criado e, com um olhar mais frio, refutou: “Não se esqueça, esta é a mansão do clã Markey e todos vocês são servos do clã Markey. Ofender o Quinto Jovem Mestre não beneficiaria nenhum de vocês.”

O criado zombou: “Eu não sei sobre o clã Markey, mas o que eu sei é que no Ducado de Purcell, há apenas a Mansão da Fé. Na Mansão da Fé, existem apenas dois mestres. O primeiro é Karen, enquanto o outro é Laura. Outros não têm qualquer direito de se chamarem de nossos mestres.”

Os olhos de Alodia brilharam com uma luz. Com uma voz fria, ele disse: “Bom, você se atreve a falar contra nós. O clã Markey possui esta residência e você ousa se rebelar?”

“Quem disse que essa residência é do clã Markey?” Uma voz rouca falou essas palavras, e todos sabiam do prestígio do homem por trás disso, Kun.

Alodia, desta vez, não saudou, mas em vez disso respondeu: “Agora o proprietário dessa residência não possui o sobrenome Markey? este lugar não é do comércio Makey?”

Kun bufou: “Um lacaio que não sabe nada. Como eu disse, a Mansão da Fé não é do clã Markey. Não há membros do clã Markey aqui exceto duas pessoas. Um é o Segundo Jovem Mestre, e a outra é a Jovem Senhorita Laura. As palavras da Jovem Senhorita Laura são a lei, quem ousar não cumprir será executado. Marque minhas palavras. Vá em frente e tente sair dos portões desta residência.” {Luiz: wwwwoooooooowwwwwwwwwwwww XD

Depois que Kun declarou essas coisas, sua expressão permaneceu calma. Enquanto Alodia o observava, ele ficou bastante surpreso. Adicionando o comportamento calmo de Kun, era como se Alodia já fosse um homem morto. Ele entendeu. Hoje, se eles ousarem deixar a residência, certamente morrerão.

A maioria desses homens, embora fossem mestres, quando enfrentassem Kun, obviamente sofreriam uma derrota. Kun era um especialista do Oitavo Nível, e os homens que vieram desta vez não tinham nenhum especialista no Oitavo Nível.

Alodia olhou friamente para Kun e disse: “Tudo bem. Com as palavras do Mordomo Kun, não tenho mais nada a dizer. Entretanto, este assunto será conhecido pelo Quinto Jovem Mestre.”

Kun riu um pouco e disse: “Ninguém lhe disse para não fazer isso, mas é melhor você não sair da residência. Caso contrário, não me culpe por ser indelicado. Se algum de vocês se atrever a quebrar esta regra hoje, então ambas as pernas serão quebradas. Ninguém deve ousar pensar em ser indisciplinado aqui na Mansão da Fé.”

Mansão da Fé era o nome da mansão onde Laura residia. No Continente Ark, o nome de uma mansão aristocrática tinha seu próprio sobrenome, como a Mansão Chen, a Mansão Zhao e assim por diante.

Contudo, geralmente, isso normalmente não seria feito. Os aristocratas tendiam a nomear suas mansões com o título. Por exemplo, o clã Purcell tinha a Mansão do Grão-Duque, e o Marquês teria a Mansão do Marquês, e assim por diante. Mesmo se alguém não fosse um comerciante ou um aristocrata, eles poderiam nomear suas próprias residências com um nome elegante, como a Residência Brisa Gentil, a Corte Floresta da Montanha e assim por diante. Muitos poucos pendurariam uma placa apenas com o sobrenome gravado nela.

Contudo, as roupas dos criados em cada mansão sempre teriam o sobrenome dos mestres ou o ornamento do clã dos anfitriões. Isso também funcionava como uma prova de identidade.

A razão pela qual Laura chamou a residência de Mansão da Fé no Ducado de Purcell foi porque ela queria que os servos e as pessoas da Mansão da Fé se lembrassem de que ser um empresário dependia de alguém que tivesse boa fé.

Alodia ouviu o que Kun disse e ele não pôde deixar de ficar furioso com o homem. Seus olhos se encheram de fúria quando ele disse: “Eu acho que este ousa...”

Logo depois de dizer essas palavras, ele ouviu dois sons de rachaduras retumbantes. Um grito lamentável soou de seu subordinado atrás dele.

Alodia olhou para trás e viu seu subordinado cair. Os ossos estavam saindo de suas pernas, obviamente quebrados.

Depois de ver essa situação, Alodia não pôde deixar de virar a cabeça para Kun: “Você tem coragem!”

Kun bufou: “Não esqueça. Aqui no Ducado de Purcell, você não é o mestre nem o Quinto Jovem Mestre. É melhor que você seja honesto. Se você continuar a ter esse tipo de atitude como hoje, não culpe minha mão por ser sem coração.” Ele então se virou e nem olhou para Alodia.

Alodia estava com raiva. Seus dentes cerrados rangiam ruidosamente, mas ele não tinha escolha, pois, ele e seus homens viviam sob o teto da mansão. Assim, eles tiveram que abaixar suas cabeças. Alodia respirou fundo algumas vezes, se acalmou, depois se virou e ordenou ao homem: “Traga-o e vamos embora.” Ele jogou as mangas, e caminhou em direção à mansão. Ele não se atreveu a deixar a mansão, porque se o fizesse, Kun não o deixaria sair.

..............................................................................................

O que aconteceu na Mansão da Fé não era algo que Laura conhecesse. Ela tinha acabado de chegar à Mansão do Grão-Duque naquele momento. Desde que seu status era bem alto na Mansão do Grão-Duque, as pessoas do clã Purcell a conheciam. Durante esse tempo de crise para o clã Purcell, Laura corajosamente deu um passo à frente para ajudar o clã Purcell em seu tempo de necessidade. Além disso, o Lorde do Clã também tinha um ótimo relacionamento com ela. Pode-se dizer que o Lorde do Clã conseguiu sua posição com a ajuda de Laura.

Os anciãos não esconderam aquelas palavras aqui dentro da Mansão do Grão-Duque, então não era um segredo. Portanto, os servos também sabiam disso. Uma vez que viram a carruagem de Laura, alguém imediatamente foi avisar a outra criada para levar educadamente Laura pelo segundo portão.

Laura foi rapidamente recebida na sala de estudos da Mansão do Grão-Duque. A sala de estudos do Grão-Duque não era simples, pois esta sala de estudo também era seu local de trabalho. Quando o ex-primeiro ancião estava no poder, ninguém foi a sala de estudos do Grão-Duque Evan. Porém, agora, era diferente. Todos os dias, haviam muitas pessoas diferentes entrando e saindo de lá agora.

Sua sala de estudo era muito grande, quase cem metros quadrados. Havia um pilar de pedra azul no centro da sala, e o chão era de mármore branco e estava muito limpo. A sala de estudo tinha várias prateleiras cheias de livros, enquanto o outro lado tinha uma lareira. Havia um total de oito portas e seis janelas na sala de estudo, deixando a sala bem iluminada.

No canto interno da sala de estudo, havia uma mesa grande. A mesa era de cor vermelha e bastante luminosa, aparentemente feita de alguns materiais antigos. Três filas de cadeiras estavam dispostas de um lado, enquanto atrás da mesa havia outra cadeira.

A parede atrás da mesa tinha um retrato de uma pessoa pendurada ali. Essa pessoa usava uma armadura, a mão apoiada em uma espada e ele usava um capacete com chifres. O retrato era grande, maior que um tamanho natural. Embora fosse apenas um retrato, as pessoas realmente se sentiriam intimidadas pela maneira imponente do retrato. A pessoa mostrada foi o primeiro Grão-Duque do clã Purcell, Naren Purcell.

Toda vez que Laura estava na sala de estudo, sempre dava uma olhada no retrato primeiro. A imagem do retrato era muito boa. A pessoa retratada era completamente imponente.

Ao entrar pela porta da sala de estudo, havia uma combinação de sofá e mesa de centro. O sofá podia acomodar uma dúzia de pessoas e era usado como uma área de espera para os subordinados do Grão-Duque, ou como um lugar onde os hóspedes esperavam pelo Grão-Duque.

Evan estava perto do sofá, esperando por Laura. Ao vê-la, ele acenou com a mão, sorrindo enquanto dizia: “Pequena Laura, venha e sente-se.” A idade do Grão-Duque Evan era quase a mesma que a de Karen. Além disso, ele tinha um temperamento direto. Desde que ele estava familiarizado com Laura, ele a chamou de Pequena Laura, mostrando sua intimidade.

Laura respondeu com um sorriso: “Grão-Duque, me desculpe por incomodar você novamente hoje.”

Evan fez uma careta comprida e perguntou: “Quantas vezes eu terei que lembrar você de me chamar Evan? Da próxima vez que me chamar errado, eu não vou deixar você passar pelos portões.”

Laura não insistiu e respondeu com um sorriso: “Tio Evan, isso é um pouco descortês. Ainda assim, eu vou te chamar assim.” Ela então se sentou no sofá e um criado chegou com uma xícara de chá.

Depois que os dois se sentaram, Evan ordenou ao criado que recuasse. Ele olhou para Laura e perguntou: “Qual é o problema desta vez? É devido a essa pessoa de algum tempo atrás? Fique tranquila, eu já o havia avisado.”

Laura sorriu amargamente: “Seu aviso, mesmo se for útil, não foi mantido em seus corações.”

Evan parou por um momento e os dois se encararam: “O que há de errado? Eles realmente ousaram se mover contra nós? Eles estão cansados de viver?”

Laura sorriu ironicamente: “Eles não ousaram se mover contra mim, mas eles pretendem atacar o Sr. Zhao Hai. Se eles tiverem sucesso, eu perderia os produtos Taoyuan. Se eles não forem bem sucedidos, então eles definitivamente continuarão a assediar o Sr. Zhao Hai. Se o Sr. Zhao Hai entrar em conflito com eles, isso será igual a um conflito com o clã Markey. É com isso que estou preocupada.”

 

Embora o temperamento de Evan fosse direto, ele não era estúpido. Ele lutou por um longo tempo contra Kaiser e, finalmente, depois de colaborar com Laura, ele tirou seu poder de uma só vez. Como essa pessoa poderia ser um tolo? Portanto, enquanto ouvia Laura, ele rapidamente entendeu o que ela queria dizer.




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.