Ascensão de um Deus

769 - Mais um Dia

Autor: Calebe Piccoli Camargo

A conversa entre as jovens durou horas, mas, eventualmente chegou a hora delas partirem.

“Acredito que seja a hora de vocês irem, não queremos deixar Lin Bo esperando muito tempo, certo?...” – Deusa Suprema, Lian Mei.

“Realmente, acredito que já passamos tempo demais aqui, apesar das informações dadas não serem de muita relevância para os eventos importantes, acredito que quanto menos soubermos do futuro, melhor será....” – Min Jia.

“Você está certa...” – Deusa Suprema, Min Jia.

“Bom, quando saírem, entreguem os itens para as mulheres lá fora, além disso, depois que fizerem isso, quebrem esta pérola, vocês serão levadas para o Guardião do Segundo Andar dessa Dungeon...” – Deusa Suprema, Wuhan Xie.

“Falando nisso, o nome dessa Dungeon é falso, certo?...” – Chi Ziyun.

“Perspicaz, o número de andares também é falso, na realidade, existem apenas quatro andares. O nome da Dungeon é: Onde o Divino Reside...” – Deusa Suprema, Chi Ziyun.

E assim, elas foram escoltadas até a fronteira da Floresta Divina com o restante da Dungeon.

Antes de atravessarem, Min Jia virou-se e perguntou algo para a sua versão futura, a qual pairava no céu.

“Quão grande será nossa perda na batalha que está chegando?...” – Min Jia.

As Quatro Deusas Supremas sorriram na sua direção, entendendo o que ela sentia.

“Vocês não perderão tanto quanto você teme, mas também não perderão tão pouco como você deseja....” – Deusa Suprema, Min Jia.

“Vocês perderão o suficiente...” – Deusa Suprema, Wuhan Xie.

“O suficiente para o que?...” – Lian Mei.

“O suficiente para amadurecer...” – Deusa Suprema, Chi Ziyun.

E com um sorriso da Deusa Suprema Chi Ziyun, as quatro meninas se viram fora da Floresta Divina.

E então, lentamente toda a Floresta Divina foi novamente inundada pela sensação de puro poder e as meninas perceberam que elas não mais seriam capazes de adentrar, pelo menos, não por agora.

Elas se entreolharam e entenderam, através de seus olhares, o sentimento que havia no coração de cada uma delas.

“Não tanto quanto você teme, mas nem tão pouco quanto você deseja...” Murmurou Min Jia.

“A vida é engraçada, certo?...” Chi Ziyun tinha um pequeno sorriso em seus lábios, como se os seus olhos vissem muito além da perda que estava por vir.

“Porque?...” Disse Wuhan Xie sem entender.

“Nós vamos perder, isso é um fato, mas todos perdem, certo?...” – Chi Ziyun.

“Como assim?...” – Lian Mei.

“Filhos enterram seus pais, esposos enterram esposas, esposas enterram seus maridos.

Amigos enterram amigos.

Heróis perdem suas vidas e o que resta é lentamente tragado pela onipotência do tempo.

Todos perdem, mas nós, para nós foi dada uma chance única.

Fomos capazes de ver que no futuro, por mais distante que seja, temos tudo o que sonhamos, a eternidade com nosso amado marido, com nossas amadas filhas e filhos.

Perderemos, sim, todos perdem, mas somos as únicas as quais foi dada a oportunidade de jamais precisarmos enterrar um filho ou que eles nos enterrem.

A perda a qual elas se referem, as levaremos pela eternidade conosco, mas, não é isso que, como elas disseram, nos faz amadurecer?

É o não que ouvimos pela primeira vez, é o primeiro coração partido que nos ensina a não apenas amar os outros, mas também a nos amar.

É a perda do ente querido que nos ensina a aproveitar cada segundo que podemos com os que ainda vivem.

É a dor da doença que ensina a valorizarmos a simples capacidade de respirarmos.

É a falta de um abraço para nos ensinar a valorizar quem nos valoriza.

É a solidão que nos ensina há darmos valor para os momentos caóticos com nossos amigos barulhentos.

É o choro que nos ensina a preciosidade do sorriso.

É o beijo ruim que nos ensina o que é beijar alguém que amamos.

É a paixão que quando some deixa um vazio angustiante e que só desaparecerá quando finalmente encontrarmos o amor verdadeiro.

A perda faz parte, sempre fará, mas ela não está ali para nos fazer desistir, não, nem perto disso, a dor, a tristeza, a solidão, a angústia, a falta e a perda, são os melhores professores.

Eu sei que a dor virá, mas, apesar de a temer, anseio por seus ensinamentos.

Pode parecer um pouco estranho, mas digam-me, não é lindo o momento que percebemos que amadurecemos?

Sabe, aquele instante que percebemos que somos não outra pessoa, mas uma versão melhor do que éramos há algum tempo?...” Os olhos de Chi Ziyun estavam marejados, e finalmente as lágrimas venceram, lentamente escorrendo por suas bochechas rosadas, caindo em direção ao solo sob seus pés.

Ela havia compreendido a sutileza do aprendizado, a grandiosidade do amadurecimento, a preciosidade do ensinamento e o prazer da sabedoria.

A dor ensina e quem a sente jamais gostaria de passar por ela novamente, mas, tudo que é conquistado pelo esforço, agrega valor.

Chi Ziyun não quis dizer que ansiava pela próxima dor que a ensinaria algo, ela se referia ao próximo objetivo, o qual ela colocaria todo o seu esforço, sua dedicação, que apesar do cansaço e das regalias que precisará abdicar para os alcançar, ela sabe que a recompensa virá.

O fácil é fútil, mas a dificuldade, quão bela é a dificuldade.

Uma espada recebe o valor considerando quanta dor ela passou, afinal, quantas vezes ela adentrou na forja ardente? Quantos golpes do martelo do ferreiro ela recebeu?

Todavia, um ferreiro ruim, não importa se ele levar o pedaço de metal em suas mãos ao ápice do stress, repetindo milhares de vezes a mesma coisa, sem talento, sem experiência, ele não fará uma boa espada e todo o esforço do metal foi reduzido a nada.

Porém, a vida é o maior dos ferreiros, ela sabe onde dar os golpes com precisão, para que a dor seja o suficiente para forçar aquele metal, ou melhor, aquele ser, a crescer, melhorar.

Muitas vezes reclamamos da dor que a vida nos dá, mas se soubéssemos a oportunidade que nos está sendo dada, não reclamaríamos por um minuto sequer.

Alguns podem dizer que algumas dores jamais deveriam ser sentidas, mas diga-me, e se ela veio para ensinar coisas que nunca ninguém antes aprendeu?

Pedimos sabedoria para Deus, alguns para o universo, mas acham erroneamente que ela os será entregue através de uma luz se abrindo nos céus.

Deus não nos dá sabedoria, jamais ele dará.

O que Deus nos dá é a oportunidade de sermos sábios.

O que Deus nos dá é a oportunidade de alcançarmos o sucesso.

O que Deus nos dá é a oportunidade de sermos humildes.

O que Deus nos dá é a oportunidade de sermos humanos.

O que Deus nos dá, cada dia que acordamos, é a maior oportunidade de fazermos melhor hoje do que ontem.

O que Deus nos dá, é a preciosidade de mais um dia, mais um dia para sermos sábios, mais um dia para abraçarmos, mais um dia para amarmos, mais um dia para sorrirmos, mais um dia para perdoarmos, mais um dia para melhorar.

Mais um dia para nos amarmos.

Mais um dia para crescermos.

Mais um dia.




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.