Ascensão de um Deus

611 - Mãe Natureza

Quando eles adentraram na chama, a visão a frente deles era inquietante.

A sua frente era possível ver um complexo sistema de salas, suas paredes eram feitas com tijolos brancos, mas que pouco deles se via, já que tanto o chão, como o teto e as paredes, estava pintado de sangue.

Entranhas podres jaziam pelo chão e gritos aterrorizantes dançavam nos ouvidos dos vivos, exalando o mau agouro do lugar.

A presença demoníaca e o cheiro pútrido que permeavam o ar, eram algo intoxicante e mortal.

O grupo foi obrigado a cobrir seus corpos com uma barreira de Mana, impedindo que a Aura os afetasse.

Não demorou muito e passos puderem ser ouvidos, os gritos tornaram-se ainda mais aterrorizantes e vozes sussurravam entre os tijolos, como se o sangue clamasse por justiça.

Ao longe, de uma das passagens, um monstro se arrastava lentamente.

Era um corpo humanoide, mas sua pele era pálida, seus olhos haviam sido furados e sua cabeça raspada de tal forma que era possível ver partes de seu crânio.

A única coisa que restava era um pedaço de pano sujo sobre sua cintura.

Seus pés eram perfurados por grilhões e eles se ligavam a uma madeira que prendiam suas cabeças e braços, como se estivessem nessa posição esperando para serem decapitados.

Eles espremiam leves gemidos a cada passo, e deixavam claro o nome deste lugar.

“O Caminho da Tortura! ”

Logo atrás, um outro grupo de monstros seguiam de perto.

Eram esqueletos com alguns objetos presos aos seus ossos, que podiam lembrar vagamente resquícios de armaduras antigas.

Era possível ver espadas presas aos seus ossos, o que os impedia de moverem-se livremente.

Não havia nenhum pedaço de carne em seus corpos, eles se moviam apenas por uma sede colossal de vingança.

No entanto, os mais assustadores estavam por vir.

Eram seres com cabeças pequenas, troncos imensos, e pernas curtas.

Sua pele era feita de um couro enrugado e negro, um cheiro forte emanava de sua pele e em suas mãos um imenso machado, como se estivesse a todo tempo buscando novos seres para os decapitar.

Eles eram demônios de Baixo Nível, mas fortes o suficiente para aterrorizar um cultivador no Dao do Santo Rei.

Mesmo sendo seres simplórios na hierarquia de Bestas Demoníacas, eles eram fortalecidos pela Dungeon e as pessoas que haviam adentrado nela.

Eles tinham olhos negros e suas bocas eram cheia de dentes com pedaços podres de carne.

Sua baixa inteligência os deixavam como uma sensação de máquina mortífera.

Era dito que suas capacidades de tortura eram tão grandes que eles continuavam infligindo danos aos corpos de suas vítimas mesmo após elas estarem estado de decomposição.

Sua sede de tortura era cega e implacável.

Enquanto isso, próximos a eles, como servos fiéis, haviam estranhas criaturas os seguindo.

Eram pés e mão cortados, de aparência podre e com olhos sobre sua superfície.

Correntes de mana os conectavam aos corpos dos demônios de baixo nível e os seguiam como se fossem seus animais de estimação.

Le Chang vendo tal cena mais rápido que todos ali, rapidamente impediu que seus filhos vissem tal cena, já que ela poderia ser forte demais para pessoas ainda tão novas presenciarem.

Fun Mei segurou sua boca e ânsia de vomitar ficou presa em sua garganta, mas ela rapidamente recuperou seus sentidos.

Lian Mei agiu rapidamente a colocou a Bota Dourada Sagrada em seus pés, mas a área de ação do item não era grande o suficiente para todos.

Le Chang começou a conjurar uma espada de feita de Pura Magia Sagrada, ela era tão intensa que o espaço se curvou a redor da arma.

O restante do grupo entrou em ação e preparam-se para o combate iminente.

Le Chang trouxe sua espada em um arco vertical contra o primeiro demônio que chegou próximo dele, mas para sua surpresa, a velocidade do oponente se mostrou surpreendente, de tal forma que o demônio foi capaz de trazer seu machado e aparar o golpe e ao mesmo tempo fazer com que as mãos e pés presas a ele, se jogassem contra o corpo de Le Chang.

Este último foi surpreendido, mas graças a rápida reação de Lian Mei, que usou seu par de botas para chutar as mãos e pés que atacavam seu marido.

Le Chang sorriu desajeitadamente, já que havia sido pego de surpresa e graças a Lian Mei não foi atingido.

No mesmo instante, vários gritos e pressões diversas foram sentidas ao longe.

Pelo que puderam ver, o local era como se fosse um conjunto de salas, mas sem portas.

Os monstros eram poderosos, mas isto não era o pior.

Uma aura estranha se desprendia de seus corpos e pareceria desacelerar todos, como se os paralisasse.

Le Chang conseguia resistir com uma certa facilidade por estar no Dao das Leis, mas o restante estava com um pouco de dificuldades.

De qualquer forma, Xiong Ling rapidamente entrou em ação e espalhou todo a sua Aura, extremamente Santa e Divina.

A vida que emanou de seu corpo foi como um clarão, tão forte que parecia os faróis no meio da noite dando direção para os barcos perdidos da escuridão.

No momento seguinte, Xi Wangmu, o Espírito da Natureza de Nível Divino que Chi Ziyun possuía se fez presente.

Ela esteve dormente por muito tempo, mas por uma boa razão.

Sua força vinha da natureza, mas não apenas da Flora, mas também da Fauna.

Apesar dela ter se manifestado primariamente como uma Árvore Mágica, todos os Espíritos podem evoluir para o Nível Divino, onde eles não serão limitados a sua natureza comum, fauna ou flora, mas como Xi Wangmu, poderão andar nos dois lados.

Quando ela apareceu, tudo mudou.

Se quando Xiong Lin fez sua aparição tudo pareceu respirar de alívio, quando Xi Wangmu apareceu depois de anos dormente, tudo conheceu a verdadeira felicidade.

Sua presença havia se mesclado com a Centelha Divina da Vida e se tornado algo perfeito.

Ao seu redor era possível ver animais e plantas como crianças ao redor de sua mãe.

Ela tinha longos cabelos verdes, sua pele branca e seus olhos tão vibrantes quanto as folhas verdejantes da primavera, encantavam a todos que olhavam em sua direção.

Afinal, sua força agora havia dado um salto, já que ela havia praticamente se fundido com a própria Vida, seu poder e aura foram levados a outro nível, de tal forma que Xiong Ling demonstrou um rosto cheio de surpresa e as suas palavras a seguir trouxeram um grande choque a todos.

“Eu pensei que isso era apenas um mito, um conto contado pelos antigos para as crianças, mas dizer que eu fui capaz de ver o nascimento de algo tão esplendoroso me deixa muito feliz...” Murmurou Xiong Lin.

“O que?...” Disseram todos sem entender.

“Vocês não perceberam?... Ao se unir perfeitamente com Chi Ziyun e tornar-se uma com a Vida, o Espírito se tornou a Encarnação da Mãe Natureza...” – Xiong Lin.