Ascensão de um Deus

548 - Quem Eles Queriam Que Vocês!

“Senhor Han! Ele morreu?!!!” Disse a Pequena Mei com os olhos cheios de lágrimas.

 

“Ele morreu?!!!! Senhor Han!!!” Disse o Pequeno Cheng também começando a chorar.

 

“Todos morrem... Até mesmo eu vou morrer...” – Senhor Han.

 

“Você? Duvido...” Disse uma figura aparecendo pelo espaço ao lado do idoso.

 

Era um outro homem, mas este tinha aparência de meia idade, seus olhos eram negros, sua pele morena e cabelos tão escuros como o espaço profundo, deixavam ele com sensação de pura força.

 

“Oh! Presidente...” Disse o Senhor Han para o homem de meia idade.

 

“Crianças não o deixem enganar vocês... Nem eu sou capaz de derrotar ele... Quem dirá a Morte...” Disse o homem de meia idade rindo animadamente.

 

Senhor Han riu junto ao ver o olhar das crianças pasmos.

 

“É verdade? O Senhor é fortão?!!!” Disse a Pequena Mei que parecia ter esquecido da morte de Le Chang.

 

“Fortão? Ele é muito mais que isso! Sabia que o Senhor Han um dia lutou contra cinco demônios no Ápice do Cultivo e isso só com uma vassoura?” O homem falava de peito estufado como se estivesse contando sua própria história.

 

As crianças estavam surpresas até os ossos.

 

“Presidente... Para de incomodar as crianças, não ouçam as besteiras que ele fala...” Disse o Senhor Han balançando a cabeça negativamente.

 

O homem riu e as crianças riram juntas, porém, para a maioria das pessoas, como a história contada pelo Senhor, as palavras do Presidente também eram apenas contos, contudo, mal sabiam eles que foram dez demônios e ainda era uma vassoura velha.

 

Através do Sentido Divino do idoso e do homem de meia idade, eles trocaram algumas palavras.

 

“Ele vem daqui uns dias...”

 

“Então, diga-me Gao Yao, como está sendo ser o Presidente da Seita mais poderosa de toda a Existência?...”

 

“Diga-me você, como é ser filho do Deus dos Deuses?...”

 

“Hahahahaha!” – Le Han.

 

“Nunca houve tanta paz, após Le Chang ter atravessado o Caminho Divino, tudo mudou, ninguém esperava que mudaria tanto... O sonho dele quando ainda era um jovem, realmente se cumpriu...” – Gao Yao.

 

“Realmente... Falando nele, quando meu pai vier, que você acha de irmos até lá?... Eu plantei umas uvas ótimas para fazer vinho...” Disse Le Han animadamente.

 

“Hahahaha! Certo, certo... Vou avisar Seiryuu... Ele deve estar cuidando de treinar o Exército Divino..., mas acho que consegue tirar alguns dias de folga...” – Gao Yao.

 

Le Han sorriu e o Presidente sumiu, voltando-o a contar seu “conto” para as crianças.

 

.......................................................................................................................

 

Há milhares de anos, Di Yu estava sentado em seu trono, dentro do Reino Asura.

 

“Senhor! Senhor! Senhor!” Dizia Fea Liang ao entrar correndo dentro da Sala do Trono.

 

“O que você quer?...” A voz de Di Yu soou sinistra e forçou ela a se pôr de joelhos frente ao Deus Demônio.

 

“Algo está acontecendo no Reino Mortal...” – Fea Liang.

 

Di Yu semicerrou seus olhos e por um instante pareceu que a jovem à sua frente seria cortada ao meio apenas por seu olhar.

 

Contudo, no instante seguinte ele sumiu através do espaço.

 

Não demorou muito e ele agora estava no espaço profundo.

 

Dali onde estava ele conseguia sentir poderosas vibrações pelo tecido espacial.

 

“Seiryuu?...” Murmurou Di Yu com um olhar de surpresa em sua face.

 

Ele conseguia ver bilhões de anos luz de distância, a maior batalha que já havia presenciado.

 

Seiryuu lutava de igual para igual com um Ser Negro imenso.

 

Ele estava em sua forma draconiana e suas garras rasgavam o espaço.

 

Elfos, Dragões, Humanos, Feras Mágicas e todas as demais raças, com exceção dos Demônios, Bestas Demoníacas e Bestas Abissais, todos lutavam contra um exército colossal.

 

Usuários de Mana e do Caminho Marcial lutavam lado a lado, estrelas eram rasgadas como se fossem balões jogados na ponta de facas.

 

Corpos eram arremessados contra buracos negros.

 

Supernovas aconteciam por todos os lados, ceifando milhões de vidas em um piscar de olhos.

 

A frente do exército, haviam três Seres Negros colossais, mas apenas dois se moviam, o último, era imponente, acima de todos os presentes.

 

Ele olhava para baixo como se observasse a simplicidade e fraqueza de seus inimigos.

 

Seiryuu lutava de igual para igual contra o Segundo Ser, o terceiro, era cercado por vários combatentes no Pináculo do Cultivo e Magos Divinos.

 

O caos era surreal, o exército dos Seres era feito de humanos, demônios, bestas demoníacas, elfos negros e vários outros seres vivos.

 

Di Yu estava pasmo com o que ocorria e viu que no centro do exército de Seiryuu, havia uma jovem, sentada me posição de lótus, ao seu redor uma linda Energia Dourada a rodeava. Ela era a ancestral de Le Chang e da antecessora dele.

 

O olhar do Primeiro Ser era praticamente vidrado nela, como a mira de um sniper da cabeça de seu alvo.

 

“Di Yu! Se nós perdermos, todos perdem!” A voz de Seiryuu soou na cabeça de Di Yu.

 

“Acha que eu me importo?... Eu sou o Deus Demônio...” – Di Yu.

 

“Eu não pedi para se importar, pedi para engolir seu orgulho e pelo menos uma vez na sua vida, lutar por alguém além de você...” – Seiryuu.

 

“Seiryuu... Eu sei o que você pensa de mim, mas lamento lhe dizer que o quer que sobrou daquele menino que foi seu amigo, morreu junto de seus pais...” – Di Yu.

 

“Diga-me, o que você acha que é maior, seu ódio pelo Reino Dragão ou o amor de seus pais por você?...” – Seiryuu.

 

“Nada é maior que meu ódio...” – Di Yu.

 

Um fio de Energia Antiga foi até Di Yu e levou consigo algumas memórias de Seiryuu ainda pequeno.

 

Ele viu através dos olhos do filho do Deus Dragão o momento em que os pais de Di Yu estavam dentro de um grande salão, ao redor deles, vários anciãos e poderosos lançavam olhares sinistros para eles.

 

“A cor dos cabelos, olhos e pele de nosso filho não define seu caráter, ele é bom e sempre será bom! Ele é justo e amoroso, jamais faria algo ruim para nós ou para o Reino Dragão!” Disse sua mãe.

 

“Mulher! Como podes ter tanta certeza? Um Deus Dragão do Caos é calamidade pura! Ele deve ser morto!!!!!” Gritou um velho ancião.

 

“Não! Ele jamais faria algo rui...” A mulher não terminou suas palavras quando seu marido a interrompeu.

 

“Façamos o seguinte... Se ele um dia trazer calamidade para o Reino Dragão, nós daremos nossa vida por ele... Se ele cometer um crime, mesmo que o mais simples, nós pagaremos o preço dez vezes maior...” Dizia o pai de Di Yu com um olhar resoluto.

 

A voz de Seiryuu soou em sua mente, retirando de seus devaneios.

 

“Seus pais acreditavam em você... Realmente, meu pai errou, mas, por favor, não por mim ou pelo Reino Mortal, mas pelo seus pais, uma vez na sua vida, seja quem eles queriam que você fosse...” – Seiryuu.

 

“Eu... Eu... Eu... Eu sou...” Di Yu sentiu milhares de memórias invadindo a sua mente.

 

Seiryuu havia sacrificado parte de sua Essência de Vida para trazer à tona as memórias do jovem Deus Dragão do Caos.

 

Com um urro de dor e raiva, Di Yu disparou para a batalha.

 

“Lhe ajudarei, mas o preço por brincar com minha mente será caro...”

 

 

Seiryuu sabia que a morte era quase uma certeza, mas ele estava em paz, por mais doloroso que fosse, o preço de ter o Reino Dragão destruído por Di Yu em total fúria ainda era melhor que toda a Existência ser varrida por esses Três Seres e aquele que se chamava de Fim!




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.