Ascensão de um Deus

515 - Eu Sou

Le Chang estava um caos, seu corpo mal podia ser reconhecido e sua mente estava em seus últimos instantes de sanidade.

A tortura que ele sofreu nesta uma semana, foi algo inimaginável.

A batalha entre a Energia Dourada e o Fio de Consciência do Fim, realmente era algo além do normal, a mente humana e nem a dos Deuses eram capazes de entender o que ocorria.

Le Chang estava no limiar da consciência e apenas viu dois vultos elevando-se de seu corpo.

De um lado o Ser Dourado estava em pé, imponente e exalando uma supremacia colossal, do outro, um Ser Negro estava ajoelhado, sua cabeça em direção ao solo e obviamente submisso.

“Você obviamente é mais forte, mas seu hospedeiro... Ele é a sua maior fraqueza...” – Ser Negro.

“Você tem razão, mas e daí?” – Ser Dourado.

“E daí? Hahaha! Isso quer dizer que quando eu despertar completamente, eu absorverei você e meu poder será elevado ao infinito...” – Ser Negro.

“Oh! É isso que você acredita? ... Jovem e ingênuo, quando você nasceu eu já havia experimentado a Eternidade, você é um parasita o qual nasceu junto da criação, ou melhor, você nasceu muito antes dela criar a Existência, mas somente após tal criação você ganhou algum significado...” – Ser Dourado.

“Hahaha! Você fala muito para quem demorou uma semana para derrotar um Fio de minha Consciência, o que fará com o meu eu real?” – Ser Negro.

“Eu? ... Nada... Mas ele... Ele esmagará sua cabeça sob seus pés e estarei ao seu lado quando este dia chegar... Como eu disse, você e a criadora, são formigas aos meus olhos, eu vi vocês nascerem e verei todos morrerem, eu presenciei o começo e sempre verei o fim... Tudo acaba e nada está acima de mim... Eu sou...” Ao som das últimas palavras o Ser Negro foi dissipado, tendo seu Fio destruído e erradicado do tecido da Realidade.

O Ser Dourado olhou para o jovem, em um estado precário e andou até ele, mas parou, quando sentiu uma Aura elevando-se lentamente do centro das sobrancelhas do garoto.

Um fio de uma Energia desconhecida veio junto da Aura e não tardou até transformar-se em uma cena.

Nela haviam vários tronos um ao lado do outro, todos de mesmo tamanho e de igual riqueza.

O Ser Dourado rapidamente entendeu que eles eram feitos da mais pura Energia da Realidade, sob eles haviam rios de Energia da Criação e todo o tecido realidade parecia nascer dali.

Sobre os tronos, havia um grupo de pessoas, sentados como Deuses governando tudo e todos.

No centro, estava um homem de meia idade, seus olhos emanavam a presença da onipotência, onisciência e onipresença, seu rosto tinha um sorriso o qual dançava em seus lábios, seus olhos cor de mel e cabelo preto o deixavam com um ar mortal, mas tal título era pífio.

O Ser Dourado ficou surpreso com a visão a sua frente, não entendendo o que acontecia.

Ele levou seus olhos e viu mulheres em seus trinta anos, todas lembravam com perfeição as esposas de Le Chang, o qual claramente era o homem no centro.

“Eu sou Tudo!” As palavras desprenderam-se dos lábios do homem no Trono e ganharam forma, indo diretamente para o corpo de Le Chang, o qual foi instantaneamente recuperado a perfeição, sem a menor mácula.

“Quem é você?” O Ser Dourado não pode deixar de perguntar e pela primeira vez, ele mostrou-se fraco diante de alguém.

O homem apontou para Le Chang deitado no chão.

“Eu sou Ele... Eu sou o Futuro... O tempo, o espaço, a realidade, as dimensões e a própria Existência, dobram-se diante de mim... Eu não sou limitado por nada, nem mesmo por você... Dissestes que és o Começo e também o Fim, mas lembre-se, que mesmo você sendo o Começo, o Fim jamais existirá, porque eu não Existo, Eu Sou! Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, minhas palavras tornam-se a Espada Divina, capaz de dividir a Alma do Espírito, o Real do Irreal, o Existir do Não Existir... Eu Sou!”

No instante seguinte, a visão desapareceu e demorou alguns instantes para o Ser Dourado recuperar-se de seus pensamentos.

Olhando para Le Chang no chão, ele viu que o jovem não fazia ideia do que havia ocorrido e ele compreendeu que tais imagens apenas apareceram para ele.

O poder latente do jovem era tão absurdo que ao se mesclar com a Energia Dourada, o futuro, presente e passado dele colidiam no mesmo lugar, como se a física da realidade não pudesse mais comportar tamanho potencial.

Sem pestanejar o Ser disparou para o corpo de Le Chang, adentrando entre suas sobrancelhas e retornando para o seu hospedeiro.

No entanto, ao adentrar na Dimensão Espiritual do jovem, ele deparou-se com três seres, exalando poder e superioridade.

Gao Yao, Seiryuu e Xiong Lin, os três estavam ajoelhados diante de um trono e nele o mesmo Homem de anteriormente estava sentado.

No momento que o Ser Dourado o viu, o mesmo sumiu e deixou para trás as três Heranças Divinas de Le Chang, as quais agora possuíam adornos em suas cabeças.

Algumas palavras ecoaram por toda a Dimensão Espiritual de Le Chang.

“Gao Yao, o Demônio do Fim, receba a Coroa do Rei Maligno.... Seiryuu, o Dragão do Começo, receba a Coroa do Rei Sagrado.... Xiong Lin, a Elfa Divina, receba o Diadema da Rainha da Criação…”

Um pilar de puro poder disparou contra os três, de tal forma que uma luz imensa espalhou-se por toda a Existência, a Caixa onde Le Chang estava preso foi desfeita, como palha lançada ao fogo.

O Planeta Demoníaco, inteiro, foi despedaçado, restando nada além de poeira.

Le Chang flutuava o espaço vazio, seu corpo exalava o máximo poder que ele já havia emanado.

Seu corpo brilhava em um tom dourado e ele parecia ser o sol que iluminava toda a Existência.

Ao seu lado, Gao Yao, Seiryuu e Xiong Lin apareceram, o Ser Dourado flutuava acima de todos eles e a ali, naquele exato momento, a primeira frase sobre Le Chang foi gravada nos Firmamentos da Realidade.

“Hoje nasce aquele que há de elevar-se acima de Tudo, aquele para o qual a própria Criação se curvará, aquele chamado de Deus dos Deuses!”

Uma onda de Energia Dourada foi dispersa para todos os cantos da Existência, a rotação dos Planetas cessou, a gravidade acovardou-se, as galáxias cessaram seus movimentos e as estrelas diminuíram seus brilhos, deixando apenas Le Chang aparecer.

Os Imortais, os Deuses, o Espaço, o Tempo, os Monstros, os Santos e toda a Existência, calou-se para ouvir a voz que vinha a seguir.

“Eu Sou!”

Os bilhões de seres que estavam vindo em sua direção, para o destruir, foram impedidos quando todo o Reino Asura congelou.

BOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM!!!!!

O espaço quebrou-se ao redor de Le Chang e um caminho apareceu a sua frente, ele pisou no segundo degrau e seu poder elevou-se para o Segundo Grau do Dao do Supremo Santo, uma nova onda de poder desprendeu-se de seu corpo e ele instantaneamente apareceu no Reino Mortal, flutuando acima da Galáxia Escorpião.

A capacidade surreal de alguém no Dao do Supremo Santo era ser capaz de sobreviver no Espaço Profundo.

Alguém com tal poder poderia andar próximo a estrelas, planetas e não ser afetado pela força gravitacional.

Poderia resistir ao frio extremo e ao calor supremo.

Le Chang apenas pensou e seu corpo moveu-se pelo espaço, indo diretamente para a Guilda de Aventureiros.

Deixando o Presidente e todos os demais presentes na sala, surpresos pela chegada de Le Chang.

O qual exalava a presença de um Deus!