Ascensão de um Deus

457 - Olhos Divinos

Le Chang levantou-se e estendeu suas duas mãos para a frente.

 

Ele então fechou os olhos e retraiu todo o seu Sentido Divino, ao mesmo tempo ele levou todo o Qi de seu corpo na direção de seus olhos.

 

Mesmo fechados um brilho emanava sob suas pálpebras.

 

No momento seguinte, com um sorriso em seus lábios, Le Chang abriu seus olhos e nesse instante, diferente de anteriormente, seus dois olhos refletiram o teto de sua Dimensão Espiritual.

 

Era como uma tela negra repleta de pequenos diamantes.

 

Imediatamente um poder imenso emanou do corpo de Le Chang, aquilo era absurdamente poderoso, o que ele havia feito era trazer todo o seu poder, literalmente todo ele, apenas em uma parte de seu corpo, ou seja, em seus olhos.

 

Le Chang havia mesclado três coisas ao mesmo tempo.

 

Primeiro os Olhos Que Tudo Veem, o qual ele passou a chamar de Olhos Divinos, então, para aumentar ainda mais o poder ocular, Le Chang mesclou seu Sentido Divino junto de sua visão, por fim, havia uma Habilidade que ele já havia utilizado, mas de forma inconsciente.

 

“Domínio Absoluto!” Assim que Le Chang pronunciou tais palavras, uma barreira de puro poder, ou seja, não Energia, nem Qi, nem Leis, nada, apenas puro poder, se desprendeu de seu corpo.

 

Ele ficou dentro de uma esfera, com cinco metros de raio.

 

Porém, quando ele fez isto, tudo ali dentro pertencia ele, o espaço, o tempo, a luz, a escuridão, o caos, a vida e a morte, tudo dentro deste espaço era seu e somente seu.

 

Se Le Chang pudesse perpetuar eternamente este poder, ele seria um Deus absoluto neste espaço ao seu redor, ou seja, mesmo que alguém mil vezes mais forte o atacasse, assim que o golpe atingisse a área, ele poderia destruir facilmente.

 

Contudo, isto estava longe de ser realidade.

 

Então, dez segundos depois, Le Chang caiu sobre seus joelhos, ofegante.

 

Ele suava frio e um fio de sangue escorria do canto de seus lábios, seus olhos doíam e seu cérebro igualmente.

 

Porém, mesmo neste estado, um sorriso ainda dançava nos lábios do jovem.

 

Ele então colocou-se em posição de lótus e engoliu um punhado de Pílulas Yin Yang, para assim repor a Energia perdida.

 

Le Chang demorou seis horas para repor o poder perdido e poder se locomover livremente.

 

O que ele havia feito era algo incrível.

 

Basicamente, elevando os Olhos Divinos ao pico de poder, usando o seu Sentido Divino com todo o seu poder no seu campo de visão e com o Domínio Absoluto, ele conseguiu decifrar tudo que estava a um centímetro de seus olhos.

 

Mesmo sendo pouca coisa, ali ainda havia um pedaço do tecido do espaço-tempo, o tecido da realidade, o tecido da existência, todas as Leis e todo o resto.

 

Claro, seria um absurdo Le Chang compreender tudo isto, sendo assim, a maioria das informações foi ignorada por ele, afinal se tentasse absorver todas elas, sua mente se quebraria, na melhor das hipóteses ele ficaria louco e na pior a morte viria.

 

Le Chang apenas focou naquelas que se relacionavam com o Tempo.

 

Porém ele ficou surpreso com o rio de informações que sobreveio a sua mente e teve que descartar boa parte delas, do contrário provavelmente teria perdido um ou dois Graus de seu cultivo.

 

No entanto, este pouco de informação conquistada, ainda era surreal.

 

Ele então calmamente se levantou e andou até o altar.

 

“Você já escolheu?” – Shae Laurëa.

 

“Sim...” – Le Chang.

 

“E qual seria?” - Shae Laurëa.

 

“Ouro...” – Le Chang.

 

“Posso saber a razão de sua escolha?” - Shae Laurëa.

 

“O ouro é um metal excepcional, sua capacidade elástica é uma das mais incríveis e belas, sua cor, brilho, aparência e raridade o tornam especial.... Porém, uma de suas maiores características é a capacidade de conexão, ou seja, o Ouro pode misturar-se a vários elementos, criando ligas das mais diversas formas e com milhares de aplicações.... Sendo assim, ele obviamente se adapta melhor ao conceito de Tempo no geral, afinal, tudo e todos estão sob a ação da Energia Temporal, em outras palavras, o fato dela poder se misturar e interagir com tudo, permite que a comparação com o Ouro seja uma realidade...” – Le Chang.

 

Um sorriso apareceu no rosto de Shae Laurëa.

 

“Pode abrir...” Disse a Forma Espiritual da Elfa, enquanto apontava para o altar.

 

Le Chang andou calmamente até o local e levando suas duas mãos ele lentamente abriu a pequena caixa.

 

Assim que o fez, as outras duas caixas, de prata e diamante, sumiram.

 

Dentro da Caixa de Ouro havia um pergaminho real, ele era feito a partir do couro de uma Fera Mágica no Pico do Dao do Santo Rei.

 

As letras foram feitas com o Sangue da mesma Fera misturada com Energia Temporal, não só isso, mas o Couro em si era repleto desta Energia, de tal forma que ele parecia ser infinito.

 

“Esta é a Técnica de Cultivo das Leis Temporais...” – Shae Laurëa.

 

No momento seguinte, a Forma Espiritual da Elfa estalou os dedos e Le Chang foi levado dali por um Círculo Mágico sob seus pés.

 

..............................................................

 

Enquanto isso, Chi Ziyun via os seus arredores se despedaçando completamente.

 

Alguns instantes depois ela se viu no mesmo lugar do início.

 

A frente dela estava o bloco de Rubi.

 

E a Forma Espiritual de Shae Laurëa flutuava em posição de lótus.

 

Todavia, em um milésimo de milésimo de segundo, Chi Ziyun saltou para trás, bem no instante que do alto uma espada era cravada bem no local que ela estava.

 

Se ela não tivesse desviado, seria transpassada de cima abaixo, apesar de ser imortal, não era legal ter uma espada em sua cabeça.

 

Porém, a espada era estranha, na realidade ela era apenas uma espada de madeira, nada demais.

 

O local se desfez completamente, como o local onde ela estava antes, como se o espaço novamente fosse despedaçado.

 

No momento seguinte, Chi Ziyun foi levada para outro lugar.

 

Ela agora se viu dentro de algo que deveria ser um templo.

 

O teto era alto e o local era comprido.

 

A frente, no fim do templo, havia uma estátua de uma Elfa, ela era linda e apesar de ser um bloco de mármore lapidado, a presença que emanava do objeto era surreal.

 

“Desculpe pela espada...” Disse Shae Laurëa que apareceu ao lado de Chi Ziyun.

 

“Sem problemas... No fim eu sou imortal mesmo...” – Chi Ziyun.

 

A Elfa riu, como se a naturalidade com que a jovem disse ser imortal fosse algo hilário.

 

“Certo... Bom, seu conhecimento sobre o Tecido Temporal se elevou acima do meu, pelo menos de forma conceitual, sendo assim, a Formação a julgou digna de pular todo o desafio...” - Shae Laurëa.

 

“Ótimo...” – Chi Ziyun.

 

“Diga-me.... Quanto tempo acha que meu Núcleo de Qi ainda tem de vida?” - Shae Laurëa.

 

 Chi Ziyun olhou para ela, seu olhar tinha uma leve pitada de surpresa.

 

“Não fique surpresa.... Você é a Vida, obviamente é capaz de sentir o tempo que me resta, certo? Você consegue ver o tempo de vida de todos ao seu redor, não é mesmo?” - Shae Laurëa.

 

“Eu consigo sentir.... Todavia, existem algumas pessoas que eu não consigo sentir ou mensurar o tempo de vida...” – Chi Ziyun.

 

“Sério?” - Shae Laurëa.

 

“A minha família... Eu não consigo mensurar a expectativa de vida deles... Le Chang, Wuhan Xie, Min Jia, Lian Mei, Le Liang, Le Li, Le Huon, Le Kun e Lin Bo... Estas pessoas eu não consigo sentir, é como se fossem imortais, como eu...” – Chi Ziyun.

 

“Bom... Realmente, faz sentido aqueles à sua volta serem imortais ou quase isso...” - Shae Laurëa.

 

“.... Em relação à sua pergunta... Aqui, dentro da Dimensão Temporal, você tem dez anos.... Após isso, acredito que o seu Núcleo de Qi entrará em colapso, destruindo o que restou de sua Dimensão Espiritual, ao mesmo tempo toda a Dimensão Temporal será destruída, de forma definitiva...” – Chi Ziyun.

 

“Entendo...” - Shae Laurëa.

 

“Eu não posso fazer nada, sinto muito... Eu sou a Vida, mas ainda não sei usar meus poderes de forma tão profunda... Do contrário eu ficaria feliz em lhe ajudar...” – Chi Ziyun.

 

“Não tem problema, eu já vivi tempo demais...” - Shae Laurëa.

 

Chi Ziyun tinha um olhar pesaroso, obviamente ela entendia o que a Elfa dizia.

 

“De qualquer forma, você venceu o desafio por completo, segundo as informações que eu coletei das outras Consciências você teria que passar por quatro desafios, como você fez todos de uma vez, aqui estão os prêmios...” - Shae Laurëa.

 

A Elfa estalou os dedos e quatro objetos ficaram à frente da jovem.

 

“Esta arma é chamada de Ramo da Árvore do Mundo... É um galho retirado de uma Árvore Sagrada que fica no Reino Élfico, sua capacidade é incrível, ela pode se tornar uma Espada, uma Lança, um Arco, um Cajado ou uma Varinha... Ela é dez vezes mais dura que os diamantes, mas pode tornar-se dez vezes mais maleável que o Ouro, a versatilidade deste objeto é surreal....” – Shae Laurëa.

 

Chi Ziyun pegou o objeto que era um ramo de uma árvore, em um primeiro olhar era apenas um galho com trinta centímetros e algumas folhinhas na extremidade, mas quando ela o tocou sentiu um imenso poder dentro da madeira.

 

“Isto se chama Capa dos Doze Pilares Divinos... É um item lendário, as lendas dizem que ele foi feito com apenas um fio de cabelo de uma das primeiras Elfas.... Ela é versátil, capaz de proporcionar o voo de forma única, ou seja, você não precisará gastar Qi para voar, além disso, quem a usa ganha um aumento imenso na velocidade de movimentação, seja ela no mundo material ou no mundo espacial...” – Shae Laurëa

 

A capa era branca, na parte das costas havia um símbolo dourado, o formato era de uma grande árvore, a qual Chi Ziyun imaginou ser uma representação da Árvore do Mundo.

 

 

A vestimenta era adaptável ao usuário, sendo assim, Chi Ziyun a colocou em seus ombros, a capa se adaptou rapidamente e um capuz cobriu a cabeça da jovem, bem como ela cresceu até os seus pés, deixando apenas a face da jovem à mostra.