Ascensão de um Deus

455 - Cultivo Temporal

Le Chang olhou ao redor e viu que estava em pé sobre um monte.

 

Sob seus pés havia uma fina camada de grama verde.

 

O morro não parecia ser muito grande, mas era difícil dizer já que ao redor dele uma grossa névoa impedia que pudessem ver qualquer coisa.

 

Mesmo com o Sentido Divino e os Olhos Que Tudo Veem, Le Chang não conseguia ver através da névoa.

 

Além disso, a conexão com suas Heranças foi cortada, ou seja, ele não poderia se comunicar com elas, apenas seus poderes.

 

“Parece que o monte tem trinta metros de altura...” Murmurou Le Chang para si mesmo enquanto girava no mesmo lugar observando os arredores.

 

Ele estava bem no topo do monte, o qual tinha uma área de cem metros quadrados. {{Autor: 10x10}}

 

Então, após alguns segundos, do solo, a dois metros dele, algo como um altar se elevou.

 

Era uma pequena coluna de mármore, a qual sustentava uma pequena placa de marfim.

 

Após isso, três objetos apareceram sobre o altar.

 

Le Chang se aproximou lentamente.

 

Havia ali três caixas pequenas, uma era feita de prata pura, outra de ouro puro e a última era feita de diamante puro.

 

Elas eram todas repletas de formações e nem mesmo os olhos ou Sentido Divino dele poderiam dizer o conteúdo delas.

 

Então, uma luz brilhou do altar e dela algo como um holograma se elevou.

 

Era Shae Laurëa, mas ela não parecia conhecer Le Chang, o que dizia a ele que era um fio de consciência diferente.

 

“Este é o primeiro desafio! Você deverá escolher uma das caixas, apenas uma tem a vida, as outras o levarão diretamente para uma Prisão Temporal, onde você ficará preso eternamente...” – Shae Laurëa.

 

Le Chang engoliu seco.

 

“Para ajudar na escolha, você deverá ler e compreender as três técnicas acima...” – Shae Laurëa.

 

Rapidamente, sobre cada caixa, uma folha de pergaminho apareceu, na qual continha diversas palavras e gravuras, para a sorte de Le Chang, Xiong Lin havia ensinado a ele a linguagem Élfica.

 

“Cultivo Temporal...” Le Chang leu em voz alta o título que havia nos três pergaminhos.

 

Basicamente, a ideia do desafio era compreender as nuances do tempo.

 

Para isso, ele deveria encontrar o pergaminho certo e então encontrar a conexão com uma das caixas.

 

Ele então foi na primeira caixa, a feita de pura prata.

 

Pegou o pergaminho que flutuava acima dela e se distanciou, sentou-se em posição de lótus e começou a meditar nas palavras.

 

‘Hm... É como se dessa uma ideia do que são as Leis do Tempo, como transformar elas e as controlar ao seu bel prazer, não a um nível muito profundo, mas realmente é interessante...’ Murmurava Le Chang em seus pensamentos.

 

‘Mas sem ter atingido o Dao das Leis, fica complicado entender qualquer coisa aqui...’ – Le Chang.

 

Ele então decorou o conteúdo do pergaminho e pegou o da caixa de ouro.

 

‘O mesmo aqui, é como se fossem formas diferentes de chegar no mesmo lugar, ou seja, duas estão erradas e apenas uma certa?’ – Le Chang.

 

 Ele estava pensativo, afinal, ele não compreendia lei nenhuma no momento, nem sequer sabia como fazer isso e o Dao das Leis era algo irreal para ele agora.

 

Sendo assim, ele terminou de decorar o pergaminho e foi até o que flutuava sobre a caixa de diamante.

 

‘Hm... Entendi...’ – Le Chang.

 

Ele se referia a ideia central de cada pergaminho.

 

O Pergaminho da Caixa de Prata trazia como característica principal, o uso da condução e maleabilidade do tempo, ou seja, a ideia era que para moldar o tempo era preciso encontrar uma forma de conduzir a Energia Temporal no corpo do cultivador, através de seus Canais de Qi, porém, esta Energia Temporal era apresentada como tóxica para o corpo, já que em contato direto com a matéria, o tempo seria acelerado de forma assustadora.

 

Isso queria exemplificar que se feito de forma errônea, o cultivador poderia pulverizar seus Canais de Qi com a Energia que ele mesmo absorveu.

 

Sendo assim, ele precisaria encontrar a forma perfeita para conduzir a Energia em seu corpo, ao mesmo tempo que unia a maleabilidade temporal, mas a mais importante era a maleabilidade dos Canais de Qi, ou seja, para alguém cultivar as Leis do Tempo ela deveria ter seus Canais de Qi e Meridianos maleáveis o suficiente para que pudessem serem expandidos e impedir o contato com as paredes dos canais e meridianos.

 

Ele completava dizendo que apenas a Dimensão Espiritual era imune a aceleração Temporal da Energia. Porém, para isto ocorrer, o cultivador deveria primeiramente fazer algumas mudanças dentro de sua Dimensão, criando um recipiente de Energia Espiritual para conter a Energia Temporal, após isto, preenchia o recipiente com está Energia e então, lentamente enviava fios para o Castelo Espiritual, isto alteraria a condição dos Canais de Qi e Meridianos, tornando eles imunes a deterioração temporal.

 

 Já o Pergaminho da Caixa de Ouro, dizia que não havia importância na Energia Temporal encostar nas paredes dos Canais de Qi ou Meridianos, mas colocava grande ênfase na maleabilidade dos Canais de Qi, entretanto, ainda maior era a importância dos Meridianos.

 

Também trazia a possibilidade singular de que a Energia Temporal era capaz de se mesclar com diversos tipos de Energias diferentes, dessa forma, era preciso criar uma liga da Energia Temporal com alguma outra, para assim tornar o cultivador capaz de utilizá-la em seu máximo potencial.

 

A ideia era que a Energia Temporal tinha a capacidade de, naturalmente, se mesclar até mesmo com os tipos de Qi.

 

Dessa forma, o cultivador deveria cobrir as paredes dos seus Canais de Qi e Meridianos e então injetar grandes quantidades de Qi ou outra Energia, e usar ela para cultivar, a ideia era que a Energia Temporal faria com que o poder que corria no interior fosse acelerado ou desacelerado, ou seja, o cultivador poderia fazer com que o Qi chegasse mais rapidamente em suas partes do corpo, ou poderia aumentar o tempo que eles ficavam em seus Canais de Qi para assim melhorar ainda mais a pureza, para aqueles no Dao do Santo Rei e acima isto seria incrível, já que poderia deixar o Qi por um tempo ainda maior em seus sistemas, para assim aumentar ainda mais a porcentagem de Qi em seu DNA. Infelizmente, era preciso estar no Dao das Leis para tentar a sorte.

 

No fim, a ideia do Pergaminho da Caixa de Ouro era que a Energia Temporal não deveria ser utilizada sozinha, mas em conjunto.

 

Já o Pergaminho da Caixa de Diamante, dizia que a Energia Temporal, não só ela, mas a trama do espaço-tempo, não era algo maleável, mas sim de grande densidade e dureza.

 

Era por esta razão que apenas objetos colossais, como estrelas, planetas e galáxias, tinha a capacidade de moldar o espaço e o tempo, já que para deformar, mesmo que um pouco, o objeto deveria ter uma massa de proporções estelares.

 

Sendo assim, o pergaminho tinha como ideia central que para usufruir da Energia Temporal, a pessoa só poderia cultivar em um local com gravidade intensa, capaz de deformar o espaço-tempo ao seu redor de forma significativa.

 

Sendo assim, apenas nas proximidades de estrelas e buracos negros que a pessoa poderia cultivar, todavia, para não ser destruída por estas forças imensas, o cultivador deve cobrir-se com uma formação baseada na absorção de forças.

 

A ideia era usar uma formação que em vez de se opor a gravidade posta sobre o cultivador, ela desviasse as Partículas Gravitacionais, conhecidas como Gravitons. {{Autor: Apenas especulações, nada disso foi comprovado cientificamente.}}

 

Dessa forma, o cultivador não só seria protegido, mas poderia usar do aumento de Fluxo Gravitacional em certas áreas para deformar ainda mais o tecido do espaço-tempo e assim aumentar a liberação de Energia Temporal, já que segundo o pergaminho, apenas quando o tecido sofre esta deformação em larga escala que ele libera Energia.

 

‘Hm... Um aposta na dureza, outro na maleabilidade e no conceito de pluralidade, o outro se baseia na maleabilidade, mas também no sentido de unidade e metamorfose...’ – Le Chang.

 

Ele então começou a pensar, como poderia ele entender isto? Ele jamais havia tido contato com qualquer Lei ou algo do gênero e segundo Gao Yao e Seiryuu, as Leis do Tempo são Leis Divinas, tão poderosas que podem interagir em qualquer lugar, ambiente, dimensão e afins.

 

Por mais poderoso que ele fosse, ele não era onisciente, onipotente e onipresente.

 

Sendo assim, como poderia entender algo que estava muito longe dele.

 

 

Todavia, Le Chang teve uma ideia e um sorriso apareceu em seus lábios.