Ascensão de um Deus

292 - A Fúria de Won He

Autor: Calebe Piccoli Camargo | Tradução: Stromkirk

Rapidamente, as quinze pessoas no Dao da Purificação, conjuraram seus ataques mais poderosos em direção a Bai Yong.

A força de cada um desses ataques poderia rasgar montanhas ao meio.

Tian Mao invocou milhares de lâminas de Qi Fogo, de cor Púrpura, fazendo jus ao nome de sua Seita.

Cai Bo invocou centenas de esferas do Atributo Luz, algo extremamente antagônico contra Demônios.

Wei Tu moveu seu Machado de Batalha, sua proficiência com o Atributo Terra era tão poderoso, que ele podia invocar rochas a partir do puro Qi, sendo assim, ao mover sua arma em um arco horizontal, uma torrente de pedras saiu de seu machado, como uma chuva de rochas.

To Lian e Li Juan também atacaram, fazendo uso de Habilidades Mentais, repletas de charme e uma forte opressão.

Da mesma forma, os demais Patriarcas e Matriarcas fizeram uso de suas Habilidades, sendo assim, em questão de décimos de segundos, haviam montanhas sendo arremessadas, bolas de fogo tão grande que pareciam o sol, lâminas de vários tipos de Qi e uma boa dose de Habilidades com Energia Mental.

"BOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM!"

A explosão varreu o local, a onda de choque foi tão grande que matou várias pessoas, de ambos os lados.

Muitos foram pulverizados e mesmo os poderosos no Dao da Purificação foram jogadas a dezenas de milhas do epicentro de seus próprios ataques.

Era visível a fadiga, muitos usaram quase um terço de seus Qi para fazer esse movimento.

Um leve sorriso permeou o rosto de todos, satisfeitos com suas forças.

Alguns jovens olhavam aterrorizados para a força dos Patriarcas e Matriarcas, almejando um dia chegar em tal patamar.

Os quais estavam quase se movendo para ir terminar com o resto do exército, afinal, depois de seu ataque, nenhum Qi Diabo foi sentido no epicentro, então eles imaginaram que Bai Yon havia sido pulverizado.

Todavia, a realidade foi cruel.

"Hahahahahahahahahahahahaha!!"

Uma risada quebrou a alegria e despedaçou a esperanças de todos.

Imediatamente uma força colossal foi imposta sobre os quinze poderosos do Continente Zao.

O espaço congelou, o tempo parecia parar, o vento cessou, as nuvens congelaram e a luz pareceu ficar mais lenta.

Um grande frio começou a se prolongar, não algo baseado no Gelo, mas na estática do espaço.

Afinal, a temperatura varia de acordo com a movimentação dos átomos e moléculas, sendo assim, um espaço estático, consequentemente traz consigo uma diminuição de temperatura.

Os Patriarcas e Matriarcas sentiram seus corpos presos, mesmo tentando se mover através do espaço, usando todas as suas forças, era impossível.

Assim que um rasgo aparecia, ele era congelado e lentamente refeito pelas leis universais.

Em outras palavras, o tecido do espaço se regenerava muito mais rápido do que eles podiam rasgá-lo para se mover.

"Vocês realmente acham que eu sou tão simplório para meras formigas me deterem?" - Bai Yong.

O rosto dos Patriarcas e Matriarcas escureceram e seus corações se agitaram, um medo permeou suas almas e seus sentidos ficaram entorpecidos.

Suas espinhas se arrepiaram e suor gelado escorria nas suas costas.

Um leve tremor era visto nos corpos de todos ali.

Todavia, Bai Yong não se movia, não os matava e nem os deixava ir.

Ele sempre tinha um sorriso medonho, no rosto que outrora pertenceu a Shao Fu.

"Vejam seus adorados filhos e filhas, servos e servas, homens e mulheres, sendo destroçados pela minha Habilidade Demoníaca: O Exército dos Zumbis Demoníacos!!" - Bai Yong.

Todos levaram seus olhos para a batalha que acontecia a poucas milhas dali.

Milhares de corpos caiam do céu como folhas da árvore no outono.

Pedaços de pessoas saltavam para os lados, braços, pernas, cabeças e mãos.

Gritos de dor e pavor ecoavam por todo o local, afinal isto era uma Guerra de vida ou morte.

Não existe beleza na guerra, não existe arte na morte, não existe paz no conflito, existe apenas o caos e a feiura.

Homens e mulheres, a morte e a maldade não os distingui, o caos é cego, não enxerga cor e gênero, ele apenas sente os seus alvos.

No fim, desde o início já haviam morrido trezentas mil pessoas, Bai Yong havia criado um exército zumbi poderoso, mas não era algo tão simplório como os Patriarcas acreditavam.

Bai Yong havia mesclado seu sangue, mesmo que apenas um pouco, e criado milhares de elixires contento essências demoníacas, fazendo uma quantidade absurda de Qi Diabo ser criado.

Além disso, a morte de milhares, lentamente fortalecia, mesmo que pouco, os zumbis.

Era possível ver fios negros de Energia Yin, correndo para as narinas e bocas dos zumbis, que renovavam suas forças, os permitindo lutar mesmo após ter seu corpo dividido em dois horizontalmente.

A cena era terrível.

Cabeças voavam para todos os lados, a maioria com expressões chocadas, lágrimas, apavoradas com as cenas a sua frente, aterrorizadas pelo fato de suas mortes.

Os Patriarcas e Matriarcas tentavam fazer de tudo para se soltar da prisão espacial que Bai Yong havia imposto, mas ele apenas ria e apreciava o caos que estava diante de seus olhos.

Era esse seu objetivo.

Bai Yong queria chamar Le Chang, mas tinha medo de que se matasse todo mundo rapidamente, o jovem não apareceria, sendo assim, o plano era simples, matar todo mundo e deixar apenas um vivo para contar a história.

Dessa forma o jovem provavelmente viria em busca de vingança, afinal segundo as memórias de Shao Fu, Le Chang era um jovem de uma conduta justa, onde a morte era paga com a morte.

Dessa forma, Bai Yong apreciava as tentativas pífias de sobrevivência destes seres humanos.

"NÃO!!!!! NÃO!!!!!! NÃO!!!! MEU FILHO!!! MEU FILHO!!!!" Rugia uma das Matriarcas de um poderoso Clã.

Não muito longe dali, seguindo a sua linha de visão, era possível ver um homem de meia idade, seu cultivo estava no 5º Grau do Dao da Alma, e atualmente sua situação era desastrosa.

Haviam dezenas de lanças cravadas em seu corpo e um zumbi acabava de decapitar o jovem, que ainda tinha os olhos grudados em sua mãe, um olhar de pavor e de súplica para que ela fosse lhe ajudar, foram as últimas imagens que ela havia visto na face de seu filho.

"E… E… Ele… Ele… Ele… Era… Era me… meu… úni… único filho… Co… Como?… Por…. Porque?" Rugiu a mulher.

"Senhora Won He!! Fique calma!! Não perca a cabeça!!" Berrou Tian Mao que tentava alucinadamente se soltar do espaço ao seu redor.

"Me… Me… Me acalmar?!!!! Iss… Isso tudo é… é… sua culpa!! Su… Suas Se… Seitas imundas…. Imundas… Meu… Meu filho… Meu único filho!!! MEU ÚNICO FILHO!!" Berrou Won He com todas as suas forças.

Nesse momento uma explosão de poder rugiu de seu corpo, como se uma leoa enfurecida protegendo seus filhotes.

Seus olhos ardiam em ódio, sangue jorrou de seus poros, mas ela parecia indiferente ao fato de que um rio de sangue saia de seu corpo.

O Qi ao redor dela começou a correr para o interior de seu corpo, a visão era como ver Le Chang cultivando, mas com uma absorção dez vezes maior.

Todavia, a pele dela começou a ficar vermelha e mais sangue jorrou de seu corpo, suas veias começaram a estourar, mas nesse momento, um imenso poder irrompeu de seu corpo.

O espaço que Bai Yong havia despedaçado se desfez por completo, como uma janela atingida por uma montanha.

O ímpeto da mulher foi tão imenso que até mesmo Bai Yong ficou surpreso, mas não durou muito e sua face voltou ao sorriso zombeteiro de sempre.




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.