Ascensão de um Deus

290 - Ascensão de Um Deus

Autor: Calebe Piccoli Camargo | Tradução: Stromkirk

Em uma Seita, localizada em algum canto perdido de um Reino Dimensional.

Havia uma grande praça, havia algumas árvores, em um belo jardim.

Enquanto isso, um senhor de idade, cavava alguns buracos no fértil solo e colocava algumas sementes delicadamente. Sua aparência velha e frágil, o faziam parecer simplório, um ser humano comum.

Tanto que ninguém dava bola para ele, os jovens e alguns Anciãos da Seita, o ignoravam e zombavam dele.

Todavia, ninguém conseguia sentir um pingo de raiva ou tristeza deste velho senhor.

Afinal, eles eram fracos e simplórios, tanto que nem mesmo muitos deles estando no Dao Lendário, não conseguiam perceber que este senhor de idade escondia sua força.

O qual podia mover suas mãos e transpor montes, soprar e causar tufões, invocar raios e relâmpagos, abalar planetas com sua presença.

Todavia, tudo isso estava perfeitamente oculto, enterrado sobre uma aparência antiga e frágil.

Ao longe, um pequeno grupo de jovens se aproximava dele.

Havia ali algumas meninas e alguns garotos, todos pareciam ter não mais que oito anos.

Além disso, todos estavam no Pico do 10º Grau do Dao da Integração.

Suas vestes eram iguais, com a insígnia de sua Seita no ombro direito.

O Senhor olhou para o grupo que corria até ele animadamente e sorriu, mas continuou seu trabalho.

"Senhor Han! Senhor Han!" Gritava uma das garotas se aproximando dele.

"Oh! Pequena Mei… O que vocês querem?" - Senhor Han.

"A história! A história!" Disse um dos meninos.

"Que história Pequeno Cheng?" - Senhor Han.

"Ascensão de um Deus! Ascensão de um Deus!" - Pequeno Cheng.

"Oh! Certo… Certo…" Disse o Senhor Han fazendo um sorriso brincalhão, como se tivesse tido dificuldade de se lembrar do que o garoto falava.

"Onde eu parei mesmo?" - Senhor Han.

"Na parte que o Patriarca Tian Mao estava conversando com os Patriarcas e Matriarcas dos Antigos Clãs…" - Pequena Mei.

"Senhor Han! Senhor Han!…" - Disse outra menina.

"Diga Pequena Liang…" - Senhor Han.

"Como o senhor sabe tudo isso?" - Pequena Liang.

"Meu pai me contou… Eu era um pouco menor do que vocês…" - Senhor Han.

"Oh! Seu pai também era um jardineiro Senhor Han?" - Pequeno Cheng.

"Jardineiro?… Bom, acho que podemos comparar ele com um jardineiro?" - Senhor Han.

"E onde ele está Senhor Han?!" - Pequena Liang.

"Meu pai… Bom, deve estar por aí com minha mãe e suas ou…" - Senhor Han.

"Você ainda tem pai?!" Pequena Liang o interrompeu.

"Tenho sim…" - Senhor Han.

"Faz tempo que você não vê o seu pai?" - Pequena Mei.

"Talvez um ano agora… Todavia, está na época de ele vir me visitar… Entretanto, por mais que eu não o veja… Ele me vê…" Quando o Senhor Han disse isso, uma leve brisa adentrou na praça, um sentimento acolhedor e repleto de poder atravessou por todos.

Alguns homens no Dao Lendário que sobrevoavam a área, congelaram no ar e por um momento sentiram várias presenças se misturando no próprio tecido da realidade.

Todos se sentiram repletos de temor, apenas o Senhor Han e as crianças com ele permaneceram tranquilos, todavia o senhor ainda deixou um sorriso amoroso aparecer em sua face, como se tivesse recebido um abraço.

A sensação perdurou por algum tempo, mas rapidamente voltou ao normal e o Senhor Han voltou a contar sua história.

Para muitos era apenas um delírio de um velho homem, para outros apenas histórias para as crianças dormirem, entretanto, para alguns poucos, que conseguiram transcender as Eras, a memória de um indivíduo ainda era vivida como o sol do meio dia, uma pessoa que hoje era aclamada como o Soberano da Morte e o Dono da Vida.

Para estes poucos, está simples história, a qual o Senhor Han contava para entreter algumas crianças, causava arrepios e fazia um temor arrasador se espalhar por suas espinhas.

***************************

Os Patriarcas e Matriarcas dos Antigos Clãs, conversaram entre si por alguns momentos.

Era preciso ter certeza, antes de fazer um movimento desse nível.

Afinal, eles se moveriam contra as Quatro Grandes Seitas Diabo, as quais, até hoje, jamais haviam incomodado alguém dos Antigos Clãs.

"Senhorita Cai Bo… O que você acha de tudo isso?" - Nyu Kang.

Todos os olhares foram até ela, afinal era Cai Bo quem tinha o poder de ler o futuro.

"Concordo… com o que o Patriarca Tian Mao disse…" Cai Bo falou enquanto olhava com um leve espanto para Tian Mao.

Ela jamais imaginou que a força dele saltaria dois Graus em tão pouco tempo.

"Senhorita Cai Bo…. Você acredita que isso é a tal calamidade que viu em suas visões?… A qual afligiria novamente o Continente Zao…" - Zoh Huan.

Ela se referia a visão que Cai Bo havia falado há muitos anos, prevendo que uma grande calamidade afligiria o Continente Zao.

Neste prelúdio do futuro, Cai Bo havia visto um imenso caos se aproximando de todo o continente, todavia era apenas isso.

Ela sabia que algo terrível se aproximava do Continente, mas não o desfecho do mesmo.

"Acredito que sim… Jamais enfrentamos perigo maior que esse…" - Cai Bo.

Cai Bo havia dito algo real.

Neste Era, a aparição de um oponente no Dao do Esclarecimento realmente era um perigo supremo para todo o Continente Zao.

Todavia, ela sabia que algo ainda pior estava por vir.

No coração de Cai Bo, haviam três medos.

A queda de seu controle, onde ela perdia as rédeas do Continente Zao, bem como sua presença diminuindo significativamente, o que estava acontecendo atualmente.

Ela também temia a visão de muitos anos, logo após a Invasão das Feras Mágicas, de que um perigo ainda maior assolaria o Continente Zao.

O qual, naquela época, veio junto de um grande sentimento de impotência.

Ela jamais havia entendido a razão por trás desse sentimento, mas quando a Aura repleta de ódio e Qi Diabo, apareceu pelo ar algo finalmente fez sentido.

Cai Bo rapidamente conectou todos os pontos e finalmente percebeu que o caos que estava se aproximando era este momento.

Todavia, ainda havia algo que a tirava o sono mais do que tudo.

Isto era a visão da escuridão que engolia o mundo, os Reinos Dimensionais e lentamente englobava toda a Existência.

Aquela Escuridão era o âmago da maldade, o antro da perdição, os olhos da morte, o cheiro da destruição e o vento do caos.

Aquilo, mesmo sendo algo distante e apenas uma visão do futuro, traumatizou Cai Bo.

Alguns momentos desta visão foram cravados no cerne de sua mente, com um sentimento de total perda.

Sendo assim, ela tinha conhecimento de que isso já havia, há muito tempo, formado uma barreira em sua mente, a qual impediria sua ascensão ao Dao do Esclarecimento.

"Bom…. Se a Senhorita Cai Bo nos dá sua palavra… Eu estou disposto a ajudar…" - Nyu Kang.

"Eu também…" - Kaa Jong.

"Mesma coisa aqui…" - Zoh Huan.

Lentamente todos mostraram seus pensamentos, com todos concordando em ajudar.

No fim, mesmo que eles não se envolvesem, seus Clãs também seriam tragados por tais inimigos.

Além disso, era algo irreal pensar em deixar o Continente Zao para trás, afinal suas raízes eram aqui.

Então, em um momento onde todos corriam perigo, era o dever deles, como os pilares que sustentavam o Continente, de se unir e fazer algo a respeito deste problema.

"Muito bem…" Tian Mao foi impedido de falar, devido a uma pressão absurda que apareceu.

"BOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM!"

Uma imensa explosão ocorreu, abalando todo o território da Área da Coalizão das Grandes Seitas.

A face de todos se escureceram e um leve tremor passou por suas espinhas, mas rapidamente foi controlado e seus olhares se tornaram resolutos.

"É chegada a hora… Vamos!" - Tian Mao.

"En!" Responderam todos seguindo Tian Mao através do espaço.

Então, em um piscar de olhos, eles apareceram no céu, sobre a Área da Coalizão.

Apenas para verem a Barreira que havia sido feita por todos os Cinco Patriarcas, sendo despedaçada, como um frágil vidro atingido por uma grande rocha.




O site Central de Mangás é gratuito e sempre será!

Para colaborar com a existencia do site, por favor,
desative o bloqueador de anúncios.